2016/10/14

Significado de Números 5

Significado de Números 5

Significado de Números 5



Números 5

5.1— Os temas principais deste trecho bíblico são a manutenção da pureza no acampamento e as preparações para a triunfal entrada dos israelitas na terra de Canaã. Em Números 10.11, eles começam a marcha no prazo previsto.
5.1-4 — Para que não contaminem os seus arraiais. Esta expressão vem ratificar que a pureza ritual era um símbolo externo de uma realidade interna. A principal preocupação de Deus era a pureza do coração de um indivíduo (Dt 10.12-20), e não apenas os problemas de pele. Os sinais evidentes de doença e deterioração eram o ensejo para executar as regras de pureza no acampamento. Ao obedecerem a estes regulamentos, os israelitas poderiam manter o arraial livre das moléstias e aprender a respeito da pureza moral, bem como da física. O contato com o cadáver estava incluso por causa do visível processo de decomposição (Nm 6.6). Entretanto, a questão principal nessas restrições não era a doença, mas o fato da presença de Deus no acampamento. Sendo Ele santo, as pessoas tinham de manter sua pureza e santidade em respeito à santidade divina.
Jesus teve contato direto com todos aqueles que estavam excluídos do convívio social. Ele curou e trouxe de volta à comunidade aqueles que sofriam com lepra (Mt 8.1-4; Lc 5.12-16; 17.11- 19) e hemorragias (Lc8.43-48). Ele chegou a tocar num morto, e ressuscitá-lo (Lc 8.54). Em cada um desses casos, havia o perigo do próprio Jesus tornar-se “impuro” cerimonialmente, mas, por Seu toque curador, o impuro foi purificado; o enfermo, curado; o morto, ressuscitado. Esses eram os sinais claros do cumprimento de Seu ministério profético (Is 61.1,2).
5.5-10 — Este trecho vai dos sinais físicos de impureza (v. 1-4) até aqueles que não são menos severos, mas piores de detectar-se. Para manter o acampamento puro e santo, nenhuma pessoa poderia maltratar a outra.
5.7-10 — Confessará o pecado que fez; então, restituirá pela sua culpa. Como em Levítico 6.1-7, esta expressão mostra que não era suficiente a mera confissão de uma atitude errada. O indivíduo tinha de fazer a restituição por completo e acrescentar um quinto ao valor do dano (Lv 22.14; 27.11- 13,31). Tais regras enfatizam a responsabilidade imposta por Deus, ao deixar que as pessoas cuidassem umas das outras. Se aquele que foi prejudicado não estivesse mais vivo e também não tivesse nenhum resgatador [parente, na NVI] para receber por ele, então o débito deveria ser pago ao sacerdote. A palavra resgatador é uma tradução hebraica de gô'el (Rt 3.3), que geralmente ilustra o guardião dos direitos da família.
5.11-31 — A infidelidade era outra atitude que contaminava o acampamento. Dois fatores devem ser levados em consideração neste texto sobre a mulher: (1) uma esposa era considerada posse de seu marido. Assim, sua infidelidade era uma ofensa contra o homem (a palavra hebraica para marido é ba 'al, que quer dizer senhor) ; (2) a paternidade é mais difícil de determinar do que a maternidade. Consequentemente, havia uma grande cobrança e obrigação de que a mulher deveria ser fiel ao seu marido, a fim de que linhagem pudesse ser mantida. Este texto pode ser encarado como um julgamento excepcional e severo sobre a esposa infiel. Entretanto, há um entendimento de que esta lei melhorava a áspera realidade para uma mulher naquele tempo. O divórcio poderia ser requerido por um homem no mundo antigo simplesmente pela mera suspeita de infidelidade da esposa. Sem os limites impostos por regras como esta, havia a possibilidade de a mulher até mesmo ser executada pelo marido ciumento, apenas por causa da desconfiança de uma traição. A partir do momento em que o homem obedecia à lei, concretizava-se uma oportunidade para que a esposa provasse sua inocência e não precisasse encarar um marido colérico.
5.12-15 — Determinar a impureza em relações conjugais (quando esta não era detectada no instante em que aconteceu o ato) era mais difícil do que notar as doenças de pele, mas consistia em algo similar. Deus estava no acampamento (v. 3). Assim, a questão deveria ser resolvida pelo sacerdote na presença do Senhor.
5.16-18 — A água amarga que traz maldição. Esta expressão não faz alusão a nenhuma poção mágica, tampouco havia um ingrediente secreto na água. O acréscimo de terra do chão do tabernáculo à água sagrada contida num recipiente e o registro das maldições em um documento (v. 23) consistiam em sinais de uma realidade espiritual. A água santa e o pó do lugar sagrado simbolizavam que Deus era Aquele que determinava a inocência ou a culpa da mulher que estava perante o sacerdote.
5.19-21 — Descair sua coxa e inchar o ventre. Esta expressão fala simbolicamente de aborto (de uma criança extraconjugal) caso a mulher estivesse grávida, e da consequente inaptidão para uma subsequente concepção (v. 28). No mundo bíblico, considerava-se sob maldição a esposa que não conseguisse gerar um filho. Neste caso, isso seria uma verdade completa.
5.22 — A palavra amém vem do termo hebraico ‘amen e, como uma explicação, tem o sentido de assim seja. Neste versículo, o vocábulo indica a total concordância da mulher adúltera aos termos do ritual de maldição, a aceitação de que o julgamento recaísse sobre ela.
Ungir significava cobrir com ou aplicar azeite sobre uma pessoa ou uma coisa. Tal ritual indicava que o indivíduo ou o objeto foi separado para servir a Deus em propósitos especiais. Reis, sacerdotes e profetas foram ungidos antes de iniciarem suas atividades (Lv 8.12; 16.32; 2 Sm 2.4; 5.3; 1 Rs 19.15,16). Durante o êxodo, muitas coisas sagradas foram ungidas, incluindo o próprio tabernáculo. Em Números 7.1, vemos que o azeite sagrado era feito de uma extraordinária e cara combinação de óleo e especiarias. Este produto peculiar simbolizou a importância da consagração do tabernáculo e de sua mobília a Deus.
5.23-31 — A importância do ritual demonstrava que a infidelidade conjugal era considerada uma questão extremamente séria em Israel. Entretanto, a responsabilidade de tal coisa era praticamente toda da mulher, provavelmente por causa do poder que esta possuía de conceber uma criança ilegítima. Mas, a chance de provar inocência concedida por esta lei consistia em um meio de limitar acusações injustas sobre a esposa fiel.

Índice: Números 1 Números 2 Números 3 Números 4 Números 5 Números 6 Números 7 Números 8 Números 9 Números 10 Números 11 Números 12 Números 13 Números 14 Números 15 Números 16 Números 17 Números 18 Números 19 Números 20 Números 21 Números 22 Números 23 Números 24 Números 25 Números 26 Números 27 Números 28 Números 29 Números 30 Números 31 Números 32

Nenhum comentário:

Postar um comentário