2017/11/28

Atos 15 — Comentário Devocional

15.1 - O verdadeiro problema para os cristãos judeus não era saber se os gentios poderiam ser salvos, e sim se estes deveriam aderir às leis de Moisés. O teste de obediência a lei era a circuncisão. Os cristãos judeus estavam preocupados porque logo existiriam mais cristãos gentios do que cristãos judeus, e os padrões morais poderiam enfraquecer entre os cristãos caso os gentios não seguissem as leis judaicas. Paulo, Barnabé e os outros líderes da Igreja cristã acreditavam que as leis do AT eram muno importantes, mas a obediência a elas não era um pré-requisito para a salvação. A lei não pode salvar; as pessoas só podem ser salvas pela graça, alcançada por meio da fé em Jesus Cristo. 

15.1ss - Os delegados que faziam parte do Concilio de Jerusalém eram das igrejas de Jerusalém e de Antioquia. A conversão dos gentios levantou uma questão importante para a igreja Primitiva: os gentios teriam de aderir ou não às leis de Moisés e a outras tradições judaicas para serem salvos? Um grupo de cristãos judeus insistia que seguir a lei, submetendo-se ao rito da circuncisão, era um pré-requisito para a salvação. Porém os gentios não pensavam que primeiro precisavam converter-se ao judaísmo para depois tornarem-se cristãos Então Paulo o Barnabé discutiram a questão com os líderes da Igreja. O Concilio apoiou a concepção de Paulo e Barnabé de que, seguir as leis judaicas, inclusive a circuncisão, não era essencial para a salvação. 

15.2 - A questão dos cristãos gentios terem ou não de obedecer à Lei de Moisés para serem salvos tornou-se importante. As controvérsias se intensificaram muito devido ao sucesso das novas igrejas formada por gentios. Os conservadores da Igreja em Jerusalém eram liderados por fariseus convertidos (15.5), que preferiam uma religião legalista a uma baseada exclusivamente na fé. Se os conservadores tivessem vencido, os gentios seriam obrigados a converterem-se ao judaísmo e serem circuncida dos. Isto reduziria o cristianismo à condição de mais uma seita do judaísmo. Existe algo de farisaico em cada um de nós. Podemos errar in conscientemente ao apoiar tradições, estruturas e rituais como demonstrações de obediência a Deus. Então, certifique-se de que as Boas Novas estão gerando liberdade e vida naqueles a quem você está tentando alcançar! 

15.2ss - É útil ler o livro de Atos e ver como as igrejas de Antioquia e de Jerusalém resolveram seus conflitos internos: (1) a Igreja em Antioquia enviou uma delegação a Jerusalém a fim de buscar uma solução em conjunto; (2) os enviados encontraram-se com os líderes da Igreja, relataram os fatos e marcaram uma outra data para continuar a discussão: (3) Paulo e Barnabé deram seu parecer sobre a questão; (4) Tiago resumiu os relatórios e formulou a deliberação; (5) todos concordaram em acatar a decisão; e (6) o conselho enviou, com os delegados, uma carta a Igreja em Antioquia, informando-a sobre a resolução. É uma maneira sábia de tratar os conflitos que surgem na igreja. Os problemas devem ser confrontados, e todas as partes envolvi das devem ser igualmente ouvidas. É importante que a discussão ocorra na presença de líderes espiritualmente maduros e fidedignos para que se possa tornar decisões sábias. Então, todos devem acatar as decisões. 

15.10 - Se a lei era um jugo que os judeus não podiam suportar, em que aspecto ela os ajudou ao longo de sua história? Paulo escreveu que a lei era um guia que apontava os pecados, assim as pessoas poderiam arrepender-se. retornar a Deus e ao modo correto de vida (ver Gl 3.24, 25). Mas era impossível obedecer completamente à lei mosaica. 

15.13 - Esse Tiago é o irmão de Jesus. Ele se tornou o líder da Igreja em Jerusalém e escreveu a epístola que tem o seu nome. 

15.20, 21 - De acordo com as deliberações de Tiago, os cristãos gentios não tinham de ser circuncidados, mas não deveriam ingerir comida sacrificada aos ídolos, carne com sangue (Lv 17.14) e carne de animais estrangulados; também deveriam abster-se da imoralidade sexual (uma prática de adoração aos ídolos). Se os cristãos gentios se privassem destas práticas, agradariam a Deus e se relacionariam melhor com os judeus que eram seus irmãos em Cristo. Certamente havia outras ações impróprias aos cristãos, mas os judeus estavam particularmente preocupados com essas quatro. A decisão ponderada de Tiago ajudou a igreja a crescer sem as barreiras culturais que havia entre os judeus e os gentios. Assim, quando compartilharmos o evangelho com pessoas de diferentes níveis culturais, sociais e econômicos, devemos estar certos de que os requisitos que estabelecemos para a fé sejam de Deus, não meramente de homens. 

15.22 - O apostolado não era um cargo na Igreja, mas uma função exercida por pessoas que tinham dons específicos. Os anciãos ou presbíteros eram designados para liderar e administrar a Igreja. Por isso, na reunião aqui citada, os apóstolos se submeteram ao julgamento do presbítero Tiago, irmão de Jesus. 

15.22 - Mais tarde, Silas acompanhou Paulo em sua segunda viagem missionária no lugar de Barnabé, que visitou outras cidades com João Marcos. 

15.23-29 - Esta carta respondeu às perguntas da Igreja em Antioquia e proporcionou grande alegria aos cristãos gentios daquela cidade (15.31). Brilhantemente escrita, apelava para a direção do Espírito Santo e explicava o que deveria ser feito, como se os leitores já o soubessem. É recomendável que os cristãos sejam cuidadosos não somente com o que dizem, mas também com seu modo de falar. Podemos estar corretos em relação ao conteúdo do que dizemos, mas podemos perder nossos ouvintes pelo nosso tom de voz ou por nossas atitudes. 

15.31 - O debate sobre a circuncisão poderia ter dividido a Igreja, mas Paulo, Barnabé e os judeus de Antioquia tomaram a decisão certa: buscaram o conselho dos líderes da Igreja e da Palavra de Deus. Nossas diferenças devem ser resolvidas da mesma maneira: buscando conselhos sábios e acatando as decisões. Não deixe que as discordâncias o separem dos demais cristãos! 

15.36-39 - Paulo e Barnabé discordaram abertamente a respeito de Marcos. Paulo não quis levar Marcos em sua segunda viagem porque ele os havia deixado anteriormente (13.13). Esta divergência de opiniões levou os dois grandes pregadores a for marem dois grupos e a empreenderem mais esforços missionários; em vez de um grupo, havia dois. Mais tarde, Marcos se tornou uma pessoa muito importante para o ministério de Paulo (Cl 4.10). Deus trabalha mesmo através de conflitos e discordâncias. Os cristãos nem sempre concordam em tudo, mas os problemas podem ser resolvidos quando aceitamos as diferenças e permitimos que Deus faça a sua vontade. 

15.40 - A segunda viagem missionária de Paulo, tendo Silas como seu companheiro, começou aproximadamente três anos após o final da primeira. Os dois visitaram a maioria das cidades visitadas na primeira viagem, além de outras. A segunda viagem preparou o alicerce para a Igreja na Grécia. 

15.40 - Silas havia sido enviado pelo Concilio de Jerusalém para levar a carta com a decisão do Conselho a Antioquia (15.22). Paulo, que trabalhava na Igreja em Antioquia, escolheu Silas, da Igreja em Jerusalém, para acompanhá-lo em sua segunda viagem por muitas cidades, a fim de divulgarem as Boas Novas. Esse trabalho em grupo demonstrava a unidade da Igreja após decisão do Concilio de Jerusalém.

Nenhum comentário:

Postar um comentário