2018/03/29

Efésios 1 — Contexto Histórico

Contexto Histórico de Efésios 1

Contexto Histórico de Efésios 1


Efésios 1

A abertura, ou exórdio, da carta de Paulo inclui uma bênção (“Louvado seja Deus” - NVI, ou “Deus seja louvado”) e uma oração; cartas antigas geralmente incluíam orações ou ações de graças, embora a elaboração de Paulo por elas seja incomum. Muitas orações judaicas começariam com “Louvado seja Deus que [ajuda seu povo de alguma forma]”. Em grego, 1:3–14 é um longo louvor a Deus; este narra, como muitas vezes faziam as orações judaicas, os planos redentores de Deus e atua em favor de seu amado povo.

Nestes versos até onze termos diferentes usados para Israel no Antigo Testamento são aplicados aos crentes em Jesus. Porque a igreja em Éfeso era composta de judeus e gentios (Atos 19:17), e judeus e gentios tinham práticas culturais diferentes, a igreja pode ter tido tensão cultural e étnica. Paulo lembra aos crentes que qualquer que seja sua origem étnica ou cultural, eles são todos pessoas em Cristo e devem trabalhar juntos para os propósitos de Deus.

1:3 Hoje nós distinguimos entre “os céus” em um sentido científico (isto é, a atmosfera exterior e o resto do universo exceto a terra) e o lugar espiritual que Deus vive. Mas nos dias de Paulo ele não precisava fazer essa distinção para se comunicar com seus leitores; eles dividiram “os reinos celestiais” de maneira diferente da nossa maneira de fazer. Quase todos no mundo antigo acreditavam que os céus tinham numerosos níveis (freqüentemente três ou sete), que diferentes seres espirituais (vários tipos de anjos, demônios, estrelas, etc.) viviam em diferentes níveis e que Deus ou os seres espirituais mais puros viviam. no mais alto dos céus. Em muitos ensinamentos judaicos, os espíritos dos justos viveriam com Deus lá após a morte. “Reinos celestiais” (NVI) podem significar tanto “onde Deus está” (como aqui) quanto “onde os poderes angélicos vivem” (como freqüentemente em Efésios).

1:4–5 O Antigo Testamento declara que Deus “predestinou” ou (literalmente) “escolheu” Israel em Abraão para ser seu povo do convênio e os adotou como seus filhos, mas que seu povo muitas vezes ficou aquém do convênio. Paulo explica que, em um sentido prático, a pessoa se torna um membro da aliança de Deus por Cristo, não por seu passado.

1:6 Uma razão pela qual Deus escolheu Israel foi para que eles lhe trouxessem glória (Is 60:21; 61:3; Je 13:11); tão central estava revelando sua glória que até seus atos de julgamento foram feitos para levar as pessoas a ele (Êx 7:5; Amós 4:6), a verdadeira fonte da vida (Jeremias 2:13).

1:7–8 Deus havia redimido Israel (ou seja, libertou-os da escravidão) através do sangue do cordeiro pascal. O sangue dos sacrifícios de animais no Antigo Testamento indicava que o preço pago pelo perdão era uma vida. Paul combina essas imagens aqui.

1:9–12 Era uma crença judaica comum que a história estava se movendo através de muitos estágios até o seu clímax, quando tudo seria colocado sob o domínio de Deus. Alguns filósofos argumentaram que todo o universo era permeado por Deus e seria absorvido de volta para ele. Como os escritores judeus que adaptaram a linguagem de tais filósofos, Paulo acredita que a história se move em direção a um clímax de subordinação a Deus, não de absorção por ele. O Antigo Testamento e o Judaísmo reconheceram que Deus tinha um plano soberano na história para levá-lo a esse clímax. Em “herança” (KJV, NASB, NRSV), ver comentário em 1:13–14. Sobre o propósito final de Deus aqui, veja o comentário em 3:8–11.

1:13–14 Um selo de cera teria uma marca de propriedade ou identificação estampada nele, identificando quem estava atestando o que estava dentro do recipiente que havia sido lacrado. Por ser comumente entendido que o Espírito se tornaria especialmente disponível no tempo do fim, Paulo aqui fala do Espírito como um “depósito” (NVI) - um termo usado em documentos antigos de negócios para significar um “pagamento adiantado”. Aqueles que haviam provado o Espírito haviam começado a provar a vida do mundo futuro que Deus havia prometido a seu povo.

Depois que Deus “redimiu” (ver comentário em 1:7–8) Israel da escravidão no Egito, ele os levou à sua “herança” ou “possessão” na Terra Prometida. Mais tarde, a literatura judaica via o mundo como “herança” de Israel, e os primeiros escritores cristãos usavam essa linguagem da mesma maneira (Mt 5:5; 25:34; Romanos 8:17; 1 Coríntios 6:9; Tg 2:5 ). Para Paulo, os cristãos são o povo de Deus, redimidos, mas aguardando a conclusão de sua redenção; como com Israel de antigamente, a presença de Deus entre eles é a certeza de que ele os levará para a terra que prometeu (cf. Ag 2:5).

1:15–16 Como judeus piedosos, os cristãos piedosos aparentemente tinham um tempo reservado para a oração todos os dias. Muitos judeus piedosos oravam várias horas por dia e, se Paulo continuasse tal costume, poderíamos entender como ele poderia orar por todas as suas igrejas.

1:17–18 O povo judeu comumente orava por olhos iluminados para entender a Palavra de Deus; o Antigo Testamento também falou de abrir os olhos para a Palavra de Deus (Sl 119:18) ou para outras realidades espirituais (2 Reis 6:17). Algumas fontes judaicas caracterizaram o Espírito de Deus como o “Espírito da sabedoria” (o Antigo Testamento enfatiza especialmente isto:por exemplo, Êx 28:3; 31:3; 35:31; Is 11:2; cf. Dt 34:9) .

Os escritores retoricamente habilidosos frequentemente introduziam temas importantes em sua introdução, e Paulo não é exceção. Ele está prestes a explicar os pontos que ele tem orado para que eles entendam. Em “herança”, veja o comentário em 1:13–14.

1:19-20 Uma oração judaica diária via a capacidade de Deus de ressuscitar os mortos no futuro como o melhor exemplo de seu poder. Paulo concorda, mas para Paulo o evento decisivo já aconteceu:a primeira parcela da futura ressurreição aconteceu. A posição para o direito de um governante era uma posição de grande honra e autoridade; estar sentado à destra de Deus seria entronizado como governante do cosmos, mesmo que nem todos os seus inimigos tivessem sido destruídos (Sl 110:1). Em “lugares celestiais”, veja o comentário em 1:3.

1:21–23 Exorcistas e magos tentaram manipular espíritos poderosos invocando seus nomes (ver comentário em Atos 19:13); a supremacia do nome de Jesus acima de todos os outros nomes significa que ele é superior a todos os poderes espirituais invocados e que não poderiam ser explorados.

Paulo usa termos padrão do seu tempo para os poderes demoníacos e angélicos em ação por trás das estruturas políticas do mundo, poderes que foram pensados para dirigir os governantes e povos terrestres (v. 21). A maioria das pessoas nos dias de Paulo acreditava que o mundo era dirigido pelo Destino, que geralmente era expresso pelas estrelas (que eram vistas como seres celestiais), e a maioria dessas pessoas não acreditava que alguém tivesse qualquer esperança de escapar do Destino. Alguns dos cultos dos mistérios, no entanto, como o culto de Ísis, ganharam popularidade ao reivindicar poder para libertar os iniciados do Destino.

O povo judeu geralmente acreditava que os poderes celestes governavam todas as nações, exceto Israel; alguns mestres posteriores explicaram que Israel havia sido elevado acima daqueles poderes celestiais em Abraão, seu ancestral. Paulo diz que aqueles unidos com Cristo também foram elevados acima desses poderes. Suas palavras seriam um grande encorajamento para os cristãos que haviam se convertido de um fundo oculto (cf. At 19:18-20).

O povo judeu via especialmente esses poderes celestiais como “anjos das nações”, seres espirituais que estavam por trás dos governantes da terra e guiavam seu governo (cf. Dan 4:35; 10:13). (Embora os detalhes sejam desenvolvidos mais em textos judaicos posteriores, as raízes da ideia são tão antigas quanto Daniel e a LXX de Deuteronômio.)

Esses seres eram a expressão máxima da divisão espiritual entre os diferentes povos, mas Paulo diz que essa distinção foi transcendida em Cristo - mais uma vez fazendo um ponto relevante para uma congregação que experimenta tensões étnicas ou culturais. Assim, o corpo de Cristo é “aquilo que é preenchido por aquele que enche a todos” - “todos”, indicando especialmente os representantes de todos os povos da igreja (4:6-10; cf. 3:19; 5:18).




Nenhum comentário:

Postar um comentário