2018/05/18

Significado de “falar em línguas” na Bíblia

LÍNGUAS. Os termos “falando em línguas” e “glossolalia” ambos surgem de gr. laleín hetérais glṓssais “falar em outras línguas [i.e., idiomas]” (Atos 2:4) e formas semelhantes usadas no Novo Testamento de fala extática miraculosa. Fala e louvor extáticos são comuns a muitas religiões antigas e modernas, e estavam presentes entre os primeiros profetas de Israel e nações vizinhas (1 Sm 10:5-6, 9-13; 1 Rs 18:29).

Quando a Igreja primitiva experimentou pela primeira vez a glossolalia (Atos 2:4–11), ela foi ouvida como línguas humanas reais, desconhecidas dos oradores, mas isso pode ter sido um milagre de ouvir, em vez de falar (cf. vv. 6–8). Caso contrário, a glossolalia não é normalmente considerada no Novo Testamento como linguagem humana real, mas como discurso dirigido a Deus e não destinado a ser entendido pelos humanos (1Co 14:2). Pode ser, no entanto, um sinal dado aos seres humanos (aqui especificamente “incrédulos”) pela natureza miraculosa do próprio discurso (vv. 21-22). Paulo chama glossolalia de “línguas de homens e de anjos” (13:1), a última designação relacionando glossolalia a referências apocalípticas a “linguagem angélica”, “o dialeto dos arcontes” e coisas semelhantes (por exemplo, T. Job. 48:2–3; 49:2; 50:2; cf. 52:7). Paulo também pode referir-se ao fenômeno como “suspiros profundos demais para as palavras” (Rom. 8:26).
Além do cap. 2, referências a glossolalia em Atos dizem respeito a novos convertidos ao cristianismo cujo falar em línguas ocorre como prova de que eles receberam o Espírito Santo (Atos 10:45-46; 19:6; cf. 8:14-19; Marcos 16:17). Em dois desses incidentes, a glossolalia foi necessária para demonstrar aos líderes da Igreja que a expansão do evangelho em novas áreas era legítima (para os samaritanos, cap. 8; para os gentios, 10:47). Em Corinto, os próprios convertidos são mostrados pela glossolalia que acompanha a vinda do Espírito Santo de que o que eles receberam vai além do que haviam experimentado anteriormente como seguidores de João Batista (19:1-6). Outras conversões para a fé cristã são registradas em Atos, sem qualquer referência a glossolalia (por exemplo, 2:41-42; 4:4; 8:35-38; 9:3-18; 13:12, 43; 16:14-15 31-33; 17:4, 12); no entanto, todos esses, com exceção do registro da conversão de Paulo (9:3–18), são tão breves que é difícil determinar se o autor considerou a glossolalia como normativa na experiência cristã.

Significado de “falar em línguas” na Bíblia
Pentecostes, Atos cap. II

A igreja em Corinto valorizava muito a glossolalia e a considerava uma evidência espetacular da presença do Espírito. Nas suas reuniões, parece que grandes números estavam envolvidos em falar em êxtase. Paulo temia que a cena resultante fosse desnecessariamente ofensiva para os estrangeiros (1 Coríntios 14:23) e que isso estaria no caminho do que seria mais edificante e instrutivo tanto para os membros da igreja quanto para os de fora (vv. 2–6, 12, 16–19, 23–25). Ele mesmo estava contente por poder falar em línguas (v. 18) e queria que todos os cristãos coríntios o fizessem também (v. 5), mas em devoções particulares ou com a ajuda de interpretação inspirada (vv. 13–19, 28). Tal “interpretação” provavelmente não era tradução, mas algo mais próximo da explicação de sonhos ou sinais ou uma atividade similar à profecia. Para recuperar a perspectiva adequada, Paulo estabeleceu um limite de dois ou três enunciados glossalálicos em uma reunião (v. 27). Ele também colocou glossolalia dentro do contexto maior dos dons do Espírito (cap. 12) e procurou subordinar o exercício de todos os dons à regra do amor dentro da congregação (13:8; cf. 8:1), assim procurando substituir a preocupação da Igreja por um desejo de exibição espetacular.


Bibliografia 
F. D. Goodman, Speaking in Tongues: A Cross-Cultural Study of Glossalalia (Chicago:1972); W. E. Mills, Speaking in Tongues (Grand Rapids:1986), pp. 493–528.

Um comentário:

Unknown disse...

Muchas gracias 😇 es excelente ayuda para poder conocer más sobre lo que no hemos experimentado

Postar um comentário