sábado, agosto 11, 2018

Estudo sobre Josué 24:1-13

Estudo sobre Josué 24:1-13

Estudo sobre Josué 24:1-13

O evento descrito neste capítulo parece ser mais oficial do que o do capítulo anterior. Uma renovação formal da aliança está no centro do que acontece, como mostram os versículos 25–27. A montagem também parece ser mais geral. “Todas as tribos de Israel” estão agora presentes, enquanto no capítulo 23 a nação pode ter sido representada por seus líderes.

Por seu último ato oficial como servo de Deus, Josué escolhe a cidade de Siquém, no centro de Canaã. O nome da cidade significa “ombro”. A localização da cidade na encosta, ou no ombro, das duas montanhas circundantes, Gerizim e Ebal, fornece o nome. Siquém, uma das cidades de refúgio (20: 7), fica a cerca de 56 quilômetros ao norte de Jerusalém e a cerca de 19 quilômetros ao norte de Siló, na região montanhosa de Efraim. É a atual cidade árabe de Nablus.

Siquém era um lugar apropriado para renovar o pacto. O site é rico em história da salvação. É o primeiro lugar em Canaã mencionado depois que Abraão chegou à terra. Aqui o Senhor primeiro prometeu: “À tua descendência darei esta terra” (Gênesis 12:7). Abraão respondeu construindo o primeiro altar ao Senhor em Canaã. Jacó mais tarde se estabeleceu em Siquém e comprou um pedaço de terra dos filhos de Hamor (Gênesis 33:18, 19; Josué 24:32). Em Siquém, os filhos de Jacó estavam pastoreando os rebanhos de seu pai quando Joseph foi enviado para checá-los. Esse evento dá o pano de fundo aos anos de escravidão no Egito (Gênesis 37:12-36). A renovação da aliança de Josué 8:30–35 aconteceu perto de Siquém. Pensamentos das promessas iniciais de Deus e fidelidade duradoura já preenchem o local enquanto Israel se reúne.

As pessoas se apresentam “diante de Deus”. A frase pode indicar que a arca da aliança, ou mesmo todo o tabernáculo, foi trazida 12 milhas ao norte de Siló para a cerimônia especial.

Para sua função como general e administrador-chefe, Josué agora acrescenta o papel de profeta. Ele começa sua mensagem como os grandes profetas do Antigo Testamento: “Isto é o que o Senhor, o Deus de Israel, diz.” Suas palavras estão cheias de poder quando ele fala por Deus enquanto é levado pelo Espírito (2 Pedro 1:21).

Muitos comentaristas vêem paralelos entre os antigos tratados de suserania e o que agora se desenrola. Josué pode estar seguindo um padrão de aliança/tratado conhecido em todo o Oriente Médio. Um elemento de tal tratado foi uma revisão de relacionamentos passados entre o suserano, ou suserano, e seus súditos. Josué analisa a relação entre o Senhor e sua nação escolhida.

Joshua não fala como um pregador tagarela escolhendo aleatoriamente trechos da história de Israel. Citando diretamente o Senhor, ele relembra trechos escolhidos da história que pontuam o amor imerecido de Deus e atos poderosos para o seu povo. Ele sabe exatamente para onde está indo em sua revisão. Ele pretende incitar cada israelita a renovação pessoal e compromisso à luz da fidelidade inabalável do Senhor.

No capítulo 23, Josué havia recordado os atos de Deus no passado imediato dos anos da conquista. Agora sua varredura é muito mais ampla. Ele volta cerca de quinhentos anos para a escolha de Abraão por Deus quando viveu além do rio Eufrates (Gênesis 11:27-12:1).

É claro que Abraão e seus descendentes se tornaram a nação escolhida apenas pela escolha graciosa de Deus e não por causa de alguma qualidade superior própria. Afinal, Abraão veio de uma família de adoradores de ídolos! Israel não tem motivo para orgulho pessoal, mas todas as razões para se gloriarem no Senhor. Ele escolheu seus antepassados por pura graça quando eles não eram diferentes de seus vizinhos que adoravam o deus da lua em Ur. Os deuses domésticos, ou “teraphim”, aos quais o tio de Jacó, Labão, se apegara, eram um vestígio posterior daquela antiga idolatria (ver Gênesis 31:19). Em Siquém, o mesmo lugar onde Israel está agora reunido, Jacó reuniu aqueles deuses estrangeiros e os enterrou sob um carvalho (Gênesis 35:2-4).

Cristãos que falam com orgulho de vir de uma longa linhagem de crentes devem voltar um pouco mais. Eles também encontrarão seus ancestrais mergulhados em superstições sombrias, “sem esperança e sem Deus no mundo” (Efésios 2:12). Só Deus merece o nosso orgulho por nos chamar para a salvação de Cristo pelo evangelho. “Porque pela graça sois salvos, pela fé - e isto não vem de vós, é dom de Deus - não pelas obras, para que ninguém se glorie” (Efésios 2:8, 9).

A revisão de Josué da história da salvação continua quando ele lembra a nação dos “muitos descendentes” de Abraão. O Senhor tem sido fiel à sua promessa e produziu milhões de descendentes de um homem idoso e sua esposa aparentemente estéril, Sara. As pessoas só precisam olhar em volta agora para ver a paisagem de Siquém embalada com aqueles descendentes. Além dessa multidão, há a nação que veio do irmão de Jacó, Esaú, o outro neto de Abraão. Os filhos de Esaú habitam a terra de Edom ao redor do monte Seir, a sudeste do Mar Morto.

A orientação graciosa do Senhor é acentuada em cada episódio da história de Israel: o envio de Moisés e Arão para se preparar para a libertação de Israel do Egito (Êxodo 3:10; 4:14-16); as dez pragas dos egípcios (Êxodo 7-11); o grande dia do êxodo (Êxodo 12:31–51); o milagre quando o Senhor transformou uma seção do Mar Vermelho em um corredor de terra seca (Êxodo 14); o cuidado do Senhor por seu povo resmungando durante os 40 longos anos do deserto (Êxodo 15 - Números 21); a derrota de Siom e Ogue, os reis amorreus a leste do Jordão (Números 21:21-35); o controle do Senhor sobre Balaão para que ele abençoasse Israel quando comandado pelo rei Balaque para amaldiçoar (Números 22–24); o milagre da Jordânia e as vitórias relacionadas nos primeiros 12 capítulos de Josué. O que os israelitas podem manter lealdade ao Senhor quando esses fatos históricos passam dos lábios de Josué?

Como nossa fé e compromisso podem fazer algo a não ser crescer quando ouvimos novamente a história do nosso resgate por Jesus? Quando Josué fala a Israel, Deus realizou atos que levaram apenas a um presente de terra para seu povo do Antigo Testamento. Eles desfrutam de frutas físicas que não venceram lutando ou se desenvolveram por seu trabalho duro. Quando lemos as Escrituras, Deus terminou todos os atos que levaram ao nosso dom da vida eterna. Nós apreciamos os frutos imerecidos do perdão, paz com Deus e esperança eterna. Quanto maior o presente, maior a gratidão! A chave para nós é rever nossos dons da graça.

Um detalhe curioso no verso 12 pode convidar perguntas. O que o Senhor quer dizer quando diz: “Eu enviei o vespeiro à sua frente”? Em Êxodo 23:27, 28, o Senhor primeiro prometeu a vespa. Esse contexto fala do terror e da confusão que o Senhor enviaria aos inimigos de Israel. Existem vários entendimentos aceitáveis do verso antes de nós:

1. “O vespão” pode ser uma metáfora colorida para o pavor que tomou conta dos cananeus. Depois que o Senhor feriu os inimigos de Israel com a derrota, o vilão do terror voou para futuros oponentes para aturdê-los. Para referências em Josué a esse terror, veja 2:11; 5:1; e 9:24.

2. Alguns comentaristas apontam que a vespa era um símbolo do Baixo Egito. Eles sugerem que as primeiras incursões de exércitos egípcios, que enfraqueceram os cananeus, podem explicar “o vespão”.

3. Uma interpretação completamente literal do “vespão” também é possível. O Senhor que convocou rãs, moscas, moscas e gafanhotos para assolar os egípcios (Êxodo 8-10) também poderia reunir enxames de vespas para aterrorizar os cananeus.

Tendo terminado sua revisão da história da salvação de Deus, Josué agora atinge o alvo que ele está mirando.

Significado: Josué 1 Josué 2 Josué 3 Josué 4 Josué 5 Josué 6 Josué 7 Josué 8 Josué 9 Josué 10 Josué 11 Josué 12 Josué 13 Josué 14 Josué 15 Josué 16 Josué 17 Josué 18 Josué 19 Josué 20 Josué 21 Josué 22 Josué 23 Josué 24

Fonte: Harstad, A. L. (1991). Joshua. The People’s Bible (p. 234). Milwaukee, Wis.: Northwestern Pub. House.