2018/08/09

João 14 – Contexto Histórico Cultural

Contexto Histórico Cultural



João 14

14:1
Jesus Conforta os Discípulos

14:1. “Seu” é plural e, assim, Jesus se dirige a todos os discípulos; no Antigo Testamento, Deus frequentemente dizia aos seus servos para não temerem. Mas unir a fé em Jesus com a fé em Deus soaria blasfêmia para a maioria dos antigos leitores judeus (embora eles possam ter encontrado uma maneira menos ofensiva de interpretar a frase; ver 2 Cr 20.20).

14:2–7
Para onde Jesus está indo, versão enigmática

À medida que o capítulo prossegue, aprende-se que a vinda novamente no versículo 3 se refere à vinda de Jesus após a ressurreição para dar o Espírito (v. 18); mas este ponto não está imediatamente claro no início (v. 5).

14:2. A “casa do Pai” seria o templo (2:16), onde Deus habitaria para sempre com o seu povo (Ezequiel 43:7, 9; 48:35; cf. Jo 8:35). Os “lugares de habitação” (NASB, NRSV) poderiam aludir aos estandes construídos para a Festa dos Tabernáculos, mas provavelmente se referem a “quartos” (cf. NIV, TEV) no novo templo, onde apenas os ministros imaculados teriam um lugar (Eze 44:9-16; cf. 48:11). João presumivelmente significa esta linguagem figurativamente por estar em Cristo, onde a presença de Deus habita (2:21); o único outro lugar no Novo Testamento onde este termo para “moradas” ou “quartos” ocorre é em 14:23, onde se refere ao crente como morada de Deus (cf. também o verbo “morar” - 15:4 –7).

14:3–4. Neste contexto, João provavelmente não significa a Segunda Vinda, mas o retorno de Cristo após a ressurreição para outorgar o Espírito (14:16-18). Nos ensinamentos judaicos, tanto a ressurreição dos mortos (que Jesus inaugurou) quanto a outorga do Espírito indicam a chegada da nova era do reino. Jesus explica para onde está indo e como eles chegarão lá em 14:6–7.

14:5. Os discípulos pediram a suas perguntas sobre rabinos para esclarecer o ensinamento. Que quatro perguntas também foram feitas no lar sobrevivente A celebração da Páscoa pode ser mera coincidência (13:36-37; 14:5, 8, 22).

14:6–7. O “caminho” em muitos textos judaicos refere-se ao modo correto de se comportar, mas aqui possivelmente ecoa o caminho de Isaías de volta à nova Jerusalém através do deserto (cf. Jo 1:23). Neste caso, o fundo é menos crítico que a força da imagem, no entanto. Jesus responde à pergunta de Tomé: O Pai é onde eu vou e sou como você chegará lá.

“Verdade” mais tarde veio a ser um título judaico para Deus; é incerto se estava em uso tão cedo. O significado primário da declaração, no entanto, é que Jesus é a personificação da verdade, a fidelidade da aliança de Deus (1:17), que foi incorporada na “palavra” de Deus no Antigo Testamento (17:17; Sl 119:142, 151). Assim como o judaísmo afirmou que havia apenas um Deus e, portanto, um caminho certo (sua lei, seja na versão curta supostamente dada aos gentios ou a versão completa dada a Israel), Jesus aqui afirma que ele é o único caminho para a única Deus.

14:8–17
Revelando claramente o pai

14:8. João pode desejar que seus leitores, a maioria dos quais estavam mais imersos na Bíblia do que a maioria dos leitores modernos, pensem em Êxodo 33:18, onde Moisés pediu para ver a glória de Deus; cf. comente sobre João 1:18 e 14:21–22.

14:9-11. O Antigo Testamento às vezes falava do Espírito de Deus inspirando ou ungindo os profetas para o seu trabalho. As palavras de Jesus vão além dessa ideia, mas é o paralelo mais próximo disponível.

14:12-14. Aqui “obras” (KJV, NASB, NRSV) poderia se referir a atos justos, como muitas vezes no judaísmo (por exemplo, 8:39), ou a obras milagrosas como Jesus operou (5:17; 10:32), ou a ambos. (As obras são quantitativamente maiores porque o trabalho de Cristo é multiplicado por todos os seus seguidores.) Neste contexto, as palavras de Jesus são um convite à fé radical: a tradição judaica permitia que alguns professores muito piedosos pudessem receber de Deus quase tudo que pedissem por causa de sua intimidade no relacionamento com ele, mas nunca aplicou essa possibilidade à maioria, mesmo dos piedosos. Essa promessa também vai além das alegações feitas para a maioria dos encantos da magia pagã. Magia não tinha ênfase na relação com o poder abordado e procurava apenas manipular forças para os fins do manipulador (contraste 14:15).

O judaísmo antigo usava o “nome” em tantos sentidos sobrepostos que o contexto nos diz mais aqui do que o segundo plano. No Antigo Testamento, “nome” frequentemente significava reputação ou renome, e quando Deus agia “por causa de seu nome” era para defender sua honra. “Em nome de Deus” poderia significar como seu representante agindo em seu nome (Êx 5: 23; Deut 18:19-22; Jr 14:14-15), de acordo com seu mandamento (Deuteronômio 18:5, 7), por sua ajuda (Sl 118:10-11; Prov 18:10) ou usando seu nome em um ato milagroso (2 Reis 2:24). (Quando os rabinos transmitiam as tradições “em nome de” outros rabinos, significa simplesmente que eles estavam citando suas fontes, sua base de autoridade para a tradição.) Em oração, invocar o nome de uma divindade significava simplesmente dirigir-se a ele (1 Reis 18:24–26, 32; 2 Reis 5:11; Sal 9:2; 18:49). No Antigo Testamento e depois no Judaísmo, “Nome” também poderia ser simplesmente uma maneira educada e indireta de dizer “Deus” sem pronunciar seu nome.

Neste contexto, “nome” significa algo como: aqueles que buscam sua glória e falam com precisão por ele, que são genuinamente seus representantes autorizados. Nada poderia estar mais longe do uso mágico pagão de nomes que procuravam manipular forças espirituais para seus próprios fins.

14:15 Aqui Jesus cita outra ideia do Antigo Testamento (por exemplo, Êx 20:6; Dt 5:10, 29; 6:5; 11:1, 13, 22; 13:3–4; 19:9; 30:6, 14). Em Ezequiel 36:27, o dom do Espírito capacita a pessoa a guardar os mandamentos (Jo 14:16).

14:16 O pano de fundo para chamar o “Conselheiro” do Espírito (NIV) ou “Ajudante” (NASB) é debatido, mas provavelmente é uma imagem do tribunal: um sentido do termo é “advogado”, “advogado defensor”, “intercessor”; veja o comentário em 16:8–11. Em representações judaicas da corte celestial de Deus, anjos e atributos divinos poderiam servir como acusadores ou defensores, mas Satanás é o principal promotor, e Deus (ou seu atributo favorecido de misericórdia, ou Miguel) defende Israel. Aqui o Espírito é “outro” defensor como Jesus (cf. 9:35-41, onde Jesus defende o homem que sai da sinagoga e acusa seus acusadores); O judaísmo também estava familiarizado com a ideia de um “sucessor” que exerce o trabalho de um antecessor.

14:17 O Espírito da verdade guia o povo de Deus no caminho da verdade - para uma revelação mais completa de Jesus, que é a verdade (14:6; 16:13). Os Manuscritos do Mar Morto comparam o espírito da verdade com o espírito do erro (cf. 1 Jo 4, 6).

14:18-31
A vinda de Jesus e revelando

14:18-20. No Antigo Testamento, “órfãos” (NASB, NIV) eram impotentes e precisavam de um defensor legal. O contexto aqui se refere à vinda de Jesus a eles e a deixar sua presença neles pelo Espírito (20:19-23).

14:21-22. Israel acreditava (corretamente) que Deus lhes havia dado uma revelação especial na lei que as nações não tinham. A linguagem de “manifestar” (KJV) ou “revelar” (NRSV, TEV) a si mesmo lembra-se de Deus se revelando a Moisés no Monte Sinai (ver comentário em 1:14).

14:23-24. Professores judeus falavam da presença de Deus, residindo de maneira especial entre aqueles que estudavam sua lei; Jesus fala da presença de Deus residindo em cada crente continuamente como um templo individual para a sua presença. Que Deus habitava em seu templo e entre seu povo era o ensino padrão do Antigo Testamento; que suas leis foram escritas no coração de seus fiéis e que seu Espírito movia-se entre seus profetas também foi ensinado no Antigo Testamento. Mas Jesus amplia e personaliza essa perspectiva de uma maneira sem paralelo na literatura antiga existente. Os Manuscritos do Mar Morto falam do Espírito sendo ativo entre o povo de Deus, mas essa atividade não é tão extensa quanto a atividade profética e carismática encontrada no Novo Testamento.

14:25-26. Algumas das funções que Jesus lista aqui para o Espírito foram atribuídas no Judaísmo à Sabedoria Divina, que foi associada ao Espírito de Deus, bem como à sua lei, em alguns escritos judaicos pré-cristãos populares (cf. também Ne 9:20; Sl 143:10). Em um contexto judaico, “ensinar” poderia incluir elaborar e expor. A memorização mecânica também era uma parte importante do aprendizado antigo.

14:27 Professores judeus exaltavam a paz (especialmente em termos de relacionamentos com os outros).

14:28–31. Para o versículo 29, ver comentário em 13:19; para o verso 30, ver comentário em 12:31; por “amor” e “mandamentos” no versículo 31, ver comentário em 14:15. A obediência de Jesus ao Pai inclui sua missão na cruz em 14:31, onde ele também convoca seus seguidores a participar desse chamado (“vamos”). Assim, o mundo poderia conhecer a verdadeira identidade de Jesus (12:32-33; 17:21).


Índice: João 1 João 2 João 3 João 4 João 5 João 6 João 7 João 8 João 9 João 10 João 11 João 12 João 13 João 14 João 15 João 16 João 17 João 18 João 19 João 20 João 21

Nenhum comentário:

Postar um comentário