2018/08/09

João 17 – Contexto Histórico Cultural

Contexto Histórico Cultural



João 17

17:1-5
Jesus revê sua missão

Jesus aqui revela seu relacionamento único com o Pai, compartilhando sua glória como a sabedoria divina (cf. 1:1-18). A partir de 12:23-33 fica claro que ele retorna a essa glória plena somente por meio da cruz.

17:1. Levantar os olhos para o céu era uma postura comum de oração (cf. Sl 121:1; 123:1). “Glória” aqui tem um duplo sentido, outro exemplo de jogo de palavras; ver comentário em 1:14 e 12:23–27. Moisés refletiu a glória de Deus em Êxodo 33–34, mas Jesus deve ser “glorificado” no mesmo sentido que o Pai, com sua glória preexistente (17:5).

17:2. O Antigo Testamento também usava frequentemente “carne” (KJV) no sentido da humanidade (“pessoas” - NIV; “humanidade” - NASB). Somente no final, no reino final, Deus prometeu delegar sua autoridade a um governante em particular (Is 9:6–7; Dan 7:13–14); esse pano de fundo sugere que a morte e ressurreição de Jesus não representam um mero evento temporal, mas o clímax de um novo mundo.

17:3 Ao conhecer a Deus, veja 10:4–5. Outros textos judaicos escritos em grego também identificaram conhecer a Deus a vida eterna (por exemplo, Sabedoria de Salomão 15:3); aqui é preciso ter um relacionamento pessoal com Jesus Cristo.

17:4–5. Ao terminar o trabalho, ver 4:34 e 19:30. O Antigo Testamento declarou que Deus não daria sua glória a outro (Is 42:8; 48:11); Jesus compartilhando a glória do Pai neste sentido é uma afirmação de que ele é divino. O judaísmo tinha uma categoria para entender a afirmação divina de Jesus: a Sabedoria de Deus estava relacionada e, de certa forma, identificada com sua glória (Sabedoria de Salomão 7:25–29). Os leitores cristãos judeus de João podem ter entendido a identidade de Jesus em termos análogos (embora superiores) (ver comentário em 1:1–18).

17:6-19
Jesus ora por seus discípulos

Esta passagem aborda o inevitável conflito entre os seguidores de Jesus e o mundo. Os seguidores de Jesus aqui assumem o papel atribuído a Israel na maioria dos retratos judaicos existentes do fim dos tempos e àqueles atribuídos aos remanescentes (os filhos da luz) nos Manuscritos do Mar Morto; eles constituíam o número inteiro dos justos e, como tais, eram uma minoria perseguida dentro da sociedade.

17:6 Deus havia dito a Moisés para revelar seu nome (Ex 3:13, 15); quando Deus revelou seu nome, ele revelou seu caráter e atributos (Êx 33:19; 34:5, 14; para o futuro, veja Is 52:6). “Santificar” ou “santificar” o nome de Deus era demonstrar sua santidade, sua santidade. No ensino judaico contemporâneo, os atos justos consagravam o nome de Deus, e os iníquos desonravam-no; a maioria dos judeus orou pelo tempo futuro em que Deus santificaria seu nome por toda a terra (ver comentário em Mt 6:9).

17:7–11. Moisés recebeu as palavras de Deus e as passou para Israel, o único das nações que recebeu sua lei; as ideias de Jesus sendo glorificado entre os discípulos e o uso do nome de Deus (17:11) também podem explicar as tradições judaicas relacionadas a Moisés no livro de Êxodo. Na unidade, veja o comentário sobre João 17:20–26.

17:12 Aqui Jesus pode aludir ao Salmo 41:9, que ele citou em João 13:18. O ensino judaico reconhecia que Deus lidava mais severamente com os apóstatas do que com aqueles que nasceram pagãos, porque os apóstatas tinham conhecido a verdade, mas se afastaram dela.

17:13-19. O Antigo Testamento e a tradição judaica enfatizavam a separação de Israel e muitas vezes o ódio do mundo. Deus havia “santificado” ou “separado” Israel para si mesmo como santo, especialmente dando-lhes os seus mandamentos (por exemplo, Levítico 11:44-45). (Hoje o povo judeu ainda celebra essa santificação pelos mandamentos na bênção sobre a iluminação das velas do sabá).

Se Deus santificou seu povo, ou os separou entre as nações dando-lhes a lei, quanto mais os seguidores de Jesus foram separados por sua vinda como a lei que se fez carne (ver comentário em 1:1–18); Jesus trata seus discípulos aqui como o verdadeiro remanescente de Israel, ou seja, a comunidade da aliança salva em Israel. (Durante a maior parte do Antigo Testamento, apenas parte de Israel em qualquer geração seguiu a Deus; em alguns tempos, como os de Josué e Davi, o remanescente era grande; em outros tempos, como a geração de Moisés ou de Elias, pequeno.) Outros grupos judaicos, como os essênios que provavelmente criaram os Manuscritos do Mar Morto, também sentiram que o resto de sua nação se desviou e que eles eram o verdadeiro remanescente; o tema aparece nos profetas do Antigo Testamento (cf. Is 10:20-22; Joel 2:32; Amós 9:8-12).

17:20-26
Jesus ora por futuros discípulos

A unidade do Pai e do Filho modela a unidade a ser experimentada pelo seu povo em quem habitam. Israel reconheceu que seu Deus era “um” e reconheceu a importância desse fator em sua própria solidariedade entre as nações, em um mundo hostil a elas. Essa passagem enfatiza a mesma ideia, mas de uma maneira mais relacionada com a ideia da habitação pessoal de Deus, apresentada no capítulo 14 (ver especialmente o comentário em 14:23–24). Para um exemplo da transmissão da glória a um povo em quem o Senhor seria glorificado, ver Isaías 46:13; Deus também santificou suas moradas com a glória de sua presença (Êx 29:43). 

A ênfase na unidade também falaria com os leitores de João, que são perturbados pela oposição da sinagoga e talvez por secessionistas de suas próprias fileiras (ver introdução a 1 João); também é provável que a unidade étnica ou cultural - talvez entre os eleitorados galileanos e asiáticos de João [emigrante?] (veja a introdução a João) - esteja parcialmente em perspectiva (10:16; 11:52; 12:20-23); João enfatiza claramente a reconciliação étnica em Cristo no capítulo 4 (os samaritanos). De qualquer forma, os seguidores de Jesus constituem uma pequena minoria em um mundo hostil e precisam um do outro para sobreviver tanto quanto outras minorias normalmente fazem. Na preocupação com as gerações vindouras, compare, por exemplo, Salmos 78:3-7.

Índice: João 1 João 2 João 3 João 4 João 5 João 6 João 7 João 8 João 9 João 10 João 11 João 12 João 13 João 14 João 15 João 16 João 17 João 18 João 19 João 20 João 21

Nenhum comentário:

Postar um comentário