domingo, janeiro 13, 2019

Anselmo de Canterbury (Teólogo)

Anselmo de Canterbury (Teólogo)

Nascido em Aosta, no norte da Itália, formado em Bec, na Normandia e nomeado arcebispo de Canterbury, na Inglaterra, Anselmo era tudo menos provinciano. Criado por uma mãe cristã e um pai pagão, convertido apenas mais tarde na vida, fazendo um voto monástico e depois se juntando às fileiras do clero secular, Anselmo não era diferente de seu mentor e, sem dúvida, seu maior professor, Agostinho. E, no entanto, apesar das evidências na correspondência pessoal de Anselmo, que sugerem que suas obras desfrutavam de certo grau de popularidade nos círculos eclesiais monásticos e mais amplos, parece que a popularidade e a fama que ele conquistara morreram com ou pouco depois dele. Felizmente, esse hiato foi evanescente.

As obras de Anselmo que permaneceram tendem a ter uma qualidade ocasional sobre elas. Ou seja, elas foram escritas para abordar as questões e preocupações de seus contemporâneos. O De Grammatico, por exemplo, foi concebido como uma espécie de livro didático para estudantes de gramática e lógica. Continua a ser útil, no entanto, uma vez que lança luz sobre os métodos utilizados pelos teólogos. De fato, outras obras, como De Veritate, De Libertate Arbitrii, De Conceptu Virginali e Peccato Originali e De Processione Sancti Spiritus, para citar apenas algumas, também foram escritas para a instrução de seus alunos ou a pedido de seus colegas. Mas, em cada caso, o leitor aprende não apenas quais ideias e questões envolviam as mentes dos teólogos medievais, mas também ganha uma perspectiva diferente sobre questões que, desde então, foram incluídas nas discussões teológicas modernas.

Entre os outros tratados de Anselmo, dois têm recebido atenção especial: o Proslogion e o Cur Deus Homo. O primeiro continua a ser uma fonte de intermináveis intrigas para filósofos e teólogos tanto quanto aborda a questão da existência e natureza de Deus. Este último também goza de grande atenção, embora principalmente de teólogos, já que Anselmo procura descobrir por que Deus se tornou homem. Infelizmente, muitos dos outros trabalhos preparatórios e suplementares que Anselmo escreveu raramente são considerados em conjunto com esses dois.

Ao abordar o Proslogion muitos comentaristas e críticos concordam, apesar de outras diferenças, que sua maior falha é a pressuposição de que Deus existe. De fato, como alguém pode seriamente pretender fornecer provas irrefutáveis para a existência de Deus se esse argumento começa por assumir a existência de Deus? É por essa razão que devemos primeiro questionar se Anselmo realmente pretendeu provar a existência de Deus de uma forma concordante com o pensamento ocidental moderno. Certamente, Anselmo diz no começo do Proslogion que sua intenção era descobrir um único argumento para demonstrar que Deus realmente existe; mas devemos reconhecer que Anselmo também queria provar que esse Deus não depende de ninguém para sua existência. Em vez disso, Anselmo argumenta que tudo depende dele tanto para a existência quanto para o bem-estar; e, como se isso não fosse suficiente, Anselmo desejava ainda provar toda a gama de crenças derivadas sobre a natureza divina - tudo por um único argumento. Claramente, o escopo das lucubrações de Anselmo é mais amplo do que muitas vezes é concebido.

Devemos lembrar que Anselmo viveu na Europa do século XI. Ele viveu em uma época e dentro de uma comunidade que adotou duas convicções fundamentais. Primeiro, a Bíblia foi a revelação de Deus e foi suficiente para definir os limites de todas e quaisquer questões para a vida e a salvação. É por isso que Anselmo insiste aqui e em outros lugares que ele não procura entender para acreditar, mas que ele acredita para entender, e a menos que ele acredite que não possa entender. Segundo, e particularmente pertinente ao Proslogion, a natureza e o ser de Deus não eram qualidades separáveis. Em outras palavras, provar que Deus existiu significa que alguém poderia estabelecer simultaneamente a natureza de Deus (como Deus é). Consequentemente, Anselmo se sente inteiramente justificado em dedicar o primeiro capítulo a pedir a Deus que se revele para que sua existência possa ser demonstrada. Além disso, Anselmo não tem remorso em derivar sua definição de Deus da revelação. A mente medieval não podia conceber a tentativa de provar a existência de Deus à parte da revelação de Deus, porque sua transcendência exige isso. Na verdade, este é o ponto de maior disputa no Proslogion, porque, para admitir a necessidade da revelação divina, é preciso primeiro admitir a necessidade de se submeter a essa divindade.

Foi somente mais tarde em sua vida e no exílio que Anselmo completou o Cur Deus Homo. Este trabalho é dividido em duas seções. O primeiro lida com a necessidade da humanidade e o segundo aborda a provisão de Deus. É interessante que Anselmo afirme no início que ele realizará isso como se não conhecesse nada de Jesus Cristo (remoto Christo). Isso chama a atenção do leitor como uma afirmação estranha para dizer o mínimo, mas no final do trabalho está claro que o que Anselmo fez é mobilizar as outras doutrinas da fé de tal forma a mostrar que somente sua doutrina da fé a expiação responde às perguntas que eles levantam. A hamartiologia, a antropologia, a soteriologia e a escatologia, para citar apenas algumas, mostram-se coerentes nas doutrinas centrais da cristologia e, em particular, na doutrina da expiação.

Essencialmente, Anselmo argumenta que o efeito do pecado Adâmico, que é endêmico para todos os seres humanos, não apenas distorceu os corações e mentes de todas as pessoas, mas também ofendeu a Deus. O pecado ofendeu a Deus porque, como Anselmo define, não dá a Deus o que é devido a ele. Inicialmente, pode-se pensar que a reconciliação pode ser restaurada por meio de recompensa de algum tipo, mas Anselmo explica que a extensão de uma ofensa é proporcional à estatura da ofendida. Neste caso, a extensão é infinita porque Deus é infinito. Assim, a dívida é maior que a soma de tudo que é humano. Obviamente, isso representa um problema para a humanidade. Onde pode uma raça de criaturas inerentemente pecaminosas e finitas encontrar um meio de reconciliação que seja suficiente para cobrir esta ofensa? Anselmo também informa seu interlocutor que o indivíduo escolhido para essa tarefa deve ser Deus por duas razões. Em primeiro lugar, quem liberta a humanidade dessa situação ordena sua obediência. Segundo, para que um indivíduo ofereça uma satisfação aceitável, ele deve ser “tudo o que não é Deus”. A resposta para essa dificuldade, de acordo com Anselmo, é encontrada no Deus-Homem Jesus Cristo. Pois em Jesus a humanidade é representada, satisfação infinita é prestada; obediência ainda é devida somente a Deus.

Embora o espaço não permita uma investigação em todos os escritos de Anselmo, uma palavra deve ser dita sobre suas orações e meditações. Nesta coletânea de obras, Anselmo abrange uma ampla gama de tópicos, mas o mais notável é que as obras exemplificam de forma perfeita a unidade entre teologia e piedade, vida e fé. A teologia fornece conhecimento sobre Deus e esse conhecimento deve nos levar a adorar. A humanidade, de acordo com Anselmo, foi criada para desfrutar da imortalidade, mas não por si mesma. A possibilidade de imortalidade através da redenção oferecida por Jesus Cristo foi concebida como uma oportunidade para compartilhar a glória e adoração a Deus. Este é o fim para o qual Anselmo escreveu suas Orações e Meditações e a razão pela qual ele lutou tanto para elucidar as doutrinas da fé para seus alunos.

DAVID S. HOGG


Fonte: Hart, T. A. (2000). The Dictionary of Historical Theology (p. 16). Carlisle, Cumbria, U.K.: Paternoster Press.

Nenhum comentário:

Postar um comentário