terça-feira, janeiro 01, 2019

A Queda do Homem (ou Pecado Original)

Queda do Homem (Pecado Original)

A perda da inocência imaculada e tranquilidade da humanidade, associada na tradição judaica e cristã com a tentação e subseqüente desobediência de Adão e Eva no jardim (Gênesis 3). Embora o evento em si não seja assim designado na Bíblia, várias referências indicam a queda no pecado por humanos (por exemplo, 1 Coríntios 10:12; 1Tm 3: 6-7; Tiago 5:12) e anjos (2 Pd 2: 4; Judas 6).

I. Relato Bíblico

A narrativa da queda é definida no segundo relato bíblico da criação (Gn 2:4–3:24). Depois de descrever a criação do homem (2:7) e da mulher (v. 22), a narrativa registra as circunstâncias que cercam a ruptura de seu estado primordial idílico. Eva é abordada por uma serpente astuta, que desperta seu desejo pelo fruto do conhecimento do bem e do mal (3:1-3) e infunde dúvidas sobre o motivo de Deus em proibir esse fruto (vv. 4–5; cf. 2:16-17). Percebendo que o ato lhes daria habilidade superior e insight semelhante ao do próprio Deus (MT “como deuses”; assim, LXX; cf. vv. 22), ela come alguns dos frutos e compartilha com seu companheiro (3:6). Os dois estão imediatamente conscientes do que seu mal representa, e assim tentam se esconder de Deus, retratados antropomorficamente como se estivessem procurando por eles no jardim. Deus, no entanto, obtém uma confissão de culpa e pune os perpetradores de acordo. As maldições constituem explicações etiológicas do motivo pelo qual as serpentes se arrastam (ao contrário dos vv. 1-5) e da inimizade natural entre serpentes e humanos (vv. 14-15), da ironia entre a dor da gravidez e o desejo sexual (v. 16), e do paradoxo que caracteriza a tensão entre a humanidade e a natureza e a necessidade humana de ganhar a vida (vv. 17-19). Mais importante, o casal é banido do seu Paraíso terrestre (vv. 23-24).

O complexo processo literário por trás da narrativa de Gênesis produziu um relato rico em simbolismo e sugeriu vários motivos mitológicos (antropomorfismo, etiologias; cf. v. 24). Alguns estudiosos notaram semelhanças entre o relato bíblico e a antiga mitologia do Oriente Próximo. Por exemplo, o mito de Adapa babilônico descreve o conselho imprudente do deus ciumento Ea ao sábio Adapa, por meio do qual este rejeita a oferta de Anu do pão e da água da vida e assim perde a imortalidade para si e para a humanidade. Na epístola suméria de Gilgamesh, o herói falha em sua busca pela imortalidade quando uma serpente rouba dele uma planta de eterna juventude; antes, o companheiro de Gilgamesh, Enkidu, é tentado por uma prostituta e ganha consciência e sabedoria sexual. No entanto, ao contrário desses mitos, o relato bíblico localiza a causa do fracasso e da miséria humana na rebelião contra o mandamento de Deus, não na fraqueza humana, no destino ou nos truques dos deuses invejosos.

II. Interpretação

Desde os tempos bíblicos, a queda foi identificada como a introdução do pecado no mundo e, junto com ele, a sujeição da humanidade à morte (Rm 5:12; cf. Gn 3:19). Em contraste com incidentes similares envolvendo a perda da imortalidade na mitologia do Oriente Próximo, o homem e a mulher são vistos aqui como responsáveis por suas próprias ações, capazes de empregar o livre-arbítrio em vez de sujeitos a um plano divinamente predeterminado ou as artimanhas de um livre arbítrio. força do mal (mas cf. Orígenes, Quaestiones ad Simplicianum ii.8-9; iv.3).

Embora o relato de Gênesis não promulga uma doutrina do pecado original, muitos dos Pais da Igreja (latinos) ocidentais viam Adão e Eva como os ancestrais de toda a humanidade, cujo pecado era transmitido a todas as sucessivas gerações por herança (por exemplo, Agostinho, Quaestiones ad Simplicianum; cf. 2 Esd 7: 118). De modo nenhum tão extremo quanto Pelágio, que negou quaisquer conseqüências maléficas da queda, os Padres da Igreja orientais (gregos) enfatizaram antes a universalidade do pecado humano, daí o papel de cada indivíduo na queda (por exemplo, Theodore of Mopsuestia; cf. 2 Apoc Bar. 54:19). No entanto, se as circunstâncias da queda são interpretadas historicamente ou simbolicamente, esse evento constitui a base para a doutrina cristã da redenção do mundo por Cristo (cf. Gen. 3:15; Rm 5: 12-19; 1 Cor. 15:22).

Tradições relacionadas que derivam do relato bíblico da queda incluem a identificação da serpente como Satanás ou o diabo (Sb 2:24; cf. Apoc. 12: 9; 20:2). Outra tradição coloca a responsabilidade primária pelo pecado e a queda em Eva (Sir. 25:24).

Bibliografia. H. Haag, Is Original Sin in Scripture? (New York: 1969); B. Vawter, On Genesis (Garden City: 1977), pp. 63–91.


Fonte: Myers, A. C. (1987). The Eerdmans Bible Dictionary. Rev. ed. 1975. (p. 375). Grand Rapids, Mich.: Eerdmans.