quarta-feira, março 13, 2019

Salmo 3:1-2 — Queixa de Davi ao Fugir de Absalão

Salmo 3: Quando Davi Fugiu de Absalão

Título. “Um salmo de Davi quando fugiu de Absalão, seu filho.” Você se lembrará da triste história da fuga de Davi de seu próprio palácio, quando, na calada da noite, atravessou o ribeiro de Cedron e seguiu alguns fiéis seguidores para esconder-se por algum tempo da fúria de seu filho rebelde. Lembre-se de que Davi foi um tipo do Senhor Jesus Cristo. Ele também fugiu; ele também passou pelo ribeiro de Cedron quando o seu próprio povo se rebelou contra ele e, com um fraco bando de seguidores, foi ao jardim do Getsêmani. Ele também bebeu do riacho a propósito e, portanto, levantou a cabeça. Para muitos expositores este é intitulado O HINO DA MANHÃ. Que possamos sempre acordar com santa confiança em nossos corações e uma canção em nossos lábios!

Divisão. Este Salmo pode ser dividido em quatro partes de dois versos cada. De fato, muitos dos Salmos não podem ser bem compreendidos a menos que consideremos atentamente as partes nas quais eles deveriam ser divididos. Não são descrições contínuas de uma cena, mas um conjunto de imagens de muitos assuntos afins. Como em nossos sermões modernos, nós dividimos nosso discurso em diferentes cabeçalhos, assim é nestes Salmos. Há sempre unidade, mas é a união de um feixe de flechas, e não de uma só lança solitário. Vamos agora olhar para o Salmo diante de nós. Nos dois primeiros versículos (Salmos 3:1-2), você tem Davi fazendo uma queixa a Deus concernente a seus inimigos; ele então declara sua confiança no Senhor (Salmos 3:3-4), canta sua segurança no sono (Salmos 3:5-6) e fortalece-se para futuros conflitos (Salmos 3:7-8).


EXPOSIÇÃO
Versículo 1. O pobre pai de coração partido queixa-se da multidão de seus inimigos: e se você se voltar para 2 Samuel 15:12, você vai encontrar escrito que “a conspiração era forte; pois o povo aumentou continuamente com Absalão”, enquanto as tropas de Davi constantemente diminuíam!

“Senhor, como se tem multiplicado os que me perturbam!” Aqui está uma nota de exclamação para expressar a maravilha da desgraça que espantou e deixou perplexo o pai fugitivo. “Ai! Não vejo limite para minha miséria, pois meus problemas estão aumentados!” Houve o suficiente no começo para me afundar muito baixo; mas eis! Meus inimigos se multiplicam. Quando Absalão, meu filho querido, está em rebelião contra mim, é o suficiente para partir meu coração; mas eis! Aitofel me desamparou, meus fiéis conselheiros viraram as costas para mim; meus generais e soldados abandonaram meu padrão. “Como são aumentados os que me incomodam!” Os problemas sempre vêm em bandos. A tristeza tem uma numerosa família. Muitos são aqueles que se levantam contra mim. Seus anfitriões são muito superiores aos meus! Seus números são grandes demais para o meu cálculo!

Lembremo-nos aqui da nossa memória do inumerável exército que assedia nosso Divino Redentor. As legiões de nossos pecados, os exércitos de demônios, a multidão de dores corporais, a multidão de tristezas espirituais e todos os aliados da morte e do inferno se colocaram em batalha contra o Filho do Homem. Ó, quão precioso é saber e crer que ele desbaratou seus exércitos e os pisou em sua ira! Aqueles que nos teriam incomodado, ele foi removido em cativeiro, e aqueles que se levantaram contra nós, ele se deitou. O dragão perdeu seu ferrão quando ele o lançou na alma de Jesus.

Notas Explicativas e Declarações Importantes

Título. No que diz respeito à autoridade dos TÍTULOS, torna-nos a falar com desconfiança, considerando as opiniões muito opostas que foram oferecidas sobre este assunto por estudiosos de igual excelência. Nos dias de hoje, é muito costume abatê-los ou omiti-los, como se acrescentados, ninguém sabe quando ou por quem, e como, em muitos casos, é inconsistente com o assunto do próprio Salmo: enquanto Agostinho, Teodoreto e vários outros primeiros escritores da igreja cristã consideram-nos parte do texto inspirado; e os judeus ainda continuam a torná-los parte de seu canto e seus rabinos a comentá-los.

É certamente desconhecido quem inventou ou colocou onde eles estão; mas é inquestionável que eles foram colocados assim desde tempos imemoriais; eles ocorrem na Septuaginta, que contém também em alguns casos títulos para Salmos que não têm nenhum no hebraico; e eles foram copiados após a Septuaginta por Jerônimo. Na medida em que o escritor atual foi capaz de penetrar na obscuridade que ocasionalmente paira sobre eles, eles são uma chave direta e mais valiosa para a história geral ou assunto dos Salmos para os quais eles são prefixados; e, excetuando-se onde foram evidentemente mal-entendidos, ou mal interpretados, ele nunca se deparou com um único caso em que a deriva do título e seu respectivo Salmo não coincidam exatamente. Muitos deles foram, sem dúvida, compostos por Esdra na época de editar sua própria coleção, período em que alguns críticos supõem que o todo tenha sido escrito; mas o resto parece antes ser coevo, ou quase, com os respectivos salmos, e ter sido escrito sobre o período de sua produção. — John Mason Good, M.D., F.R.S., 1854.

Veja o título. Aqui temos o primeiro uso da palavra Salmo. Em hebraico, Mizmor, que tem o significado de podar, ou cortar galhos supérfluos, e é aplicado a canções feitas de frases curtas, onde muitas palavras supérfluas são postas de lado. — Henry Ainsworth.

Sobre esta nota, um velho escritor observa:“Vamos aprender com isso, que em tempos difíceis, os homens não buscarão uma bússola e usarão belas palavras em oração, mas oferecerão uma prece que é podada de toda luxúria de discursos verbais”.

Salmo Inteiro. Assim, você pode ver claramente como Deus operou em sua igreja nos tempos antigos e, portanto, não deve desencorajar-se por qualquer mudança repentina; mas com Davi, reconhece os teus pecados a Deus, declara para ele quantos são os que te aborrecem e se levantam contra ti, nomeando-te huguenotes, luteranos, hereges, puritanos e os filhos de Belial, como chamaram Davi. Que os iníquos idólatras se gabem de que prevalecerão contra ti e te vencerão, e que Deus te entregou, e não será mais o teu Deus. Deixem que depositem sua confiança em Absalão, com seus grandes cabelos dourados; e na sabedoria de Aitofel, o sábio conselheiro; ainda digo você, com Davi, Tu, ó Senhor, és meu defensor e o levantador de minha cabeça. Persuadir-se, com Davi, de que o Senhor é teu defensor, que te cercou e é, por assim dizer, um escudo que te cobre de todos os lados. É ele só que pode e irá guiar com glória e honra. É ele quem lançará aqueles orgulhosos hipócritas de seu assento e exaltará os humildes. É ele que vai ferir seus “inimigos na bochecha” e estourar todos os dentes em pedaços. Ele pendurará Absalão pelos cabelos longos; e Aitofel, através do desespero, se enforcará. As faixas serão quebradas e você será entregue; porque isto é para o Senhor, a fim de salvá-lo dos seus inimigos e abençoar o seu povo, a fim de que prossigam em segurança na sua peregrinação ao céu sem temor. (“Silver Watch Bell” de Thomas Tymme, 1634.)

Verso 1. A facção de Absalão, como uma bola de neve, estranhamente reunida em seu movimento. Davi fala disso como se espantado; e bem que ele poderia, que um povo que ele tinha de tantas maneiras favorecido, deve quase geralmente se revoltar e se rebelar contra ele, e escolher para sua cabeça um bobo jovem e tonto como Absalão. Quão escorregadio e enganoso são os muitos! E quão pouca fidelidade e constância é encontrada entre os homens! Davi tinha o coração de seus súditos tanto quanto qualquer outro rei, e agora, de repente, ele os havia perdido! Como as pessoas não devem confiar muito nos príncipes (Salmos 146:3), os príncipes não devem construir muito sobre o seu interesse pelo povo. Cristo, o Filho de Davi, teve muitos inimigos, quando uma grande multidão veio prendê-lo, quando a multidão gritou:“Crucifica-o, crucifica-o”, como então eles aumentaram o que o perturbou! Mesmo as pessoas boas não devem achar estranho que a corrente esteja contra elas, e os poderes que as ameaçam tornam-se cada vez mais formidáveis. — Matthew Henry.


SUGESTÕES PARA PASTORES E LEIGOS

Versículo
a. O santo contando suas mágoas ao seu Deus.
1. Seu direito de fazê-lo.
2. A maneira adequada de dizer-lhes.
3. Os resultados justos de tais comunicações sagradas com o Senhor.

Quando podemos esperar maiores problemas? Por que eles são enviados? Qual é a nossa sabedoria em referência a eles?

EXPOSIÇÃO

Versículo 2. Davi queixa-se diante de seu Deus amoroso da pior arma dos ataques de seus inimigos, e a mais amarga queda de suas aflições. “Oh!” diz Davi, “muitos há que dizem da minha alma: Não há ajuda para ele em Deus”. Alguns de seus amigos desconfiados disseram isso com pesar, mas seus inimigos exultaram com isso e ansiavam por ver suas palavras comprovadas por sua total destruição. Este foi o corte mais indelicado de todos, quando eles declararam que o seu Deus o havia abandonado. No entanto, Davi sabia em sua própria consciência que lhes dera algum motivo para essa exclamação, pois cometera pecado contra Deus na própria luz do dia. Então eles jogaram seu crime com Bate-Seba em seu rosto, e disseram: “Suba, homem sanguinário; Deus te abandonou e te deixou”. Simei amaldiçoou-o e xingou-o na sua cara, pois ele era ousado por causa de seus partidários, uma vez que multidões dos homens de Belial pensavam em Davi da mesma forma. Sem dúvida, Davi sentiu essa infernal acusação de estar cambaleando em sua fé. Se todas as provações que vêm do céu, todas as tentações que sobem do inferno, e todas as cruzes que surgem da terra, pudessem ser misturadas e pressionadas juntas, elas ainda assim não fariam uma prova tão terrível quanto a que está contida neste verso. É a mais amarga de todas as aflições ser levada a temer que não haja ajuda para nós em Deus. E, no entanto, lembre-se de que nosso mais bendito Salvador teve que suportar isso no mais profundo grau quando clamou: “Meu Deus, meu Deus, por que me abandonaste?” Ele sabia muito bem o que era andar na escuridão e não ver luz. Essa foi a maldição da maldição. Este era o absinto misturado com o fel. Estar desamparado de seu Pai era pior do que ser desprezado pelos homens. Certamente devemos amar aquele que sofreu as mais amargas tentações e provações por nossa causa. Será um exercício encantador e instrutivo para o coração amoroso marcar o Senhor em suas agonias, como aqui se derramou, pois há aqui, e em muitos outros Salmos, muito mais do Senhor de Davi do que do próprio Davi.


Selá. Esta é uma pausa musical; cujo significado preciso não é conhecido. Alguns acham que é simplesmente um descanso, uma pausa na música; outros dizem que significa: “Levante a tensão - cante mais alto - lance a melodia em uma chave mais alta - há uma questão mais nobre por vir, portanto, afinem suas harpas”. Cordas de harpa logo ficam fora de ordem e precisam ser apanhadas de novo até o aperto adequado, e certamente as cordas do nosso coração estão cada vez mais desafinadas. Deixe o “Selá” nos ensinar a orar.

“Que o meu coração possa estar sintonizado 
como a harpa de som solene de Davi.”

Pelo menos podemos aprender que, onde quer que vejamos “Selá”, devemos considerá-lo como uma nota de observação. Vamos ler a passagem que a precede e sucede com maior seriedade, pois certamente há sempre algo excelente em que somos obrigados a descansar, parar e meditar, ou quando somos obrigados a erguer nossos corações em uma canção agradecida. “SELÁ”

NOTAS EXPLICATIVAS E PROVAÇÕES IMPORTANTES

Quando o crente questiona o poder de Deus, ou o seu interesse nele, sua alegria jorra como sangue de uma veia cortada. Este verso é uma facada dolorida de fato. — William Gurnall.

Verso 2. Um filho de Deus se assusta com o próprio pensamento de desespero de ajuda em Deus; você não pode irritá-lo com qualquer coisa tanto quanto se você oferecer para persuadi-lo, não há nenhuma ajuda para ele em Deus. Davi vem a Deus e conta-lhe o que seus inimigos disseram dele, quando Ezequias espalhou a carta blasfema de Rabsaqué perante o Senhor; eles dizem: “Não há ajuda para mim em ti”; mas, Senhor, se for assim, eu estou desfeito. Eles dizem à minha alma: “Não há salvação (pois assim é a palavra) para ele em Deus”; mas, Senhor, diz à minha alma: “Eu sou a tua salvação” (Salmos 35:3), e isso me satisfará e, no devido tempo, os silenciará.” — Matthew Henry.


Verso 2, 4, 8. Selá (סֶלָה) Muito tem sido escrito sobre essa palavra, e ainda assim seu significado não parece ser totalmente determinado. É traduzido na paráfrase de Targum ou Chaldee (el’amîn) como para sempre, ou para a eternidade. Na Vulgata latina, é omitida, como se não fizesse parte do texto. Na Septuaginta, é traduzida como diaialma, que se refere a alguma variação ou modulação da voz no canto. Schleusner, Lex. A palavra ocorre setenta e três vezes nos Salmos, e três vezes no livro de Habacuque 3:3, 9, 13. Nunca é traduzida em nossa versão, mas em todos esses lugares a palavra original Selá é mantida. Ocorre apenas na poesia, e supõe-se que tenha alguma referência ao canto ou à cantilação da poesia, e provavelmente seja um termo musical. Em geral, também, indica uma pausa no sentido, bem como na performance musical. Gesenius (Lex.) supõe que o significado mais provável deste termo ou nota musical é o silêncio ou a pausa, e que seu uso era para, ao cantar as palavras do Salmo, indicar o cantor a ficar em silêncio, pausar um pouco, enquanto os instrumentos tocavam um interlúdio ou harmonia. Talvez isso seja tudo o que agora pode ser conhecido sobre o significado da palavra, e isso é suficiente para satisfazer todas as indagações razoáveis. É provável, se esse fosse o uso do termo, que correspondesse comumente ao sentido da passagem e fosse inserido onde o sentido fizesse uma pausa adequada; e isso, sem dúvida, será geralmente considerado o fato. Mas qualquer um que conheça o caráter da notação musical perceberá de imediato que não devemos supor que isso seja invariavel ou necessariamente o fato, pois as pausas musicais de maneira alguma correspondem sempre às pausas no sentido. Essa palavra, portanto, pode fornecer muito pouca ajuda para determinar o significado das passagens em que ela é encontrada. Ewald supõe, diferentemente deste ponto de vista, que ele indica que nos lugares onde ocorre a voz deve ser levantada, e que é sinônimo de alto, ou distinto, de (lv) sal, (llv) Salal, ascender. Aqueles que estão dispostos a indagar mais a respeito de seu significado, e os usos de pausas musicais em geral, podem ser encaminhados a Ugolin, “Thesau. Antiq. Sacr.”, Tim 22 Albert Barnes, 1868.

Verso 2, 4, 8. Selá, (hlv) é encontrado setenta e três vezes nos Salmos, geralmente no final de uma frase ou parágrafo; mas em Salmos 55:19 57:3, fica no meio do verso. Enquanto a maioria dos autores concordou em considerar esta palavra como de alguma forma relacionada à música, suas conjecturas sobre seu significado preciso variaram muito. Mas no momento essas duas opiniões são obtidas principalmente. Alguns, incluindo Herder, De Wette, Ewald (Poeta Bucher, i. 179), e Delitzsch, derivam de (hlv), ou (llv), para levantar e compreender uma elevação da voz ou da música; outros, depois de Gesenius, no Thesaurus, derivam de (hlv), ficar quietos ou silenciosos, e entender uma pausa no canto. Então Rosenmller, Hengstenberg e Tholuck. Provavelmente selá foi usado para direcionar o cantor a ficar em silêncio, ou pausar um pouco, enquanto os instrumentos tocavam um interlúdio (assim, sept., diaialma ou sinfonia). Em 9:16, ocorre na expressão higgaion selah, que Gesenius, com muita probabilidade, faz música instrumental, pausa; isto é, deixe os instrumentos tocarem uma sinfonia e deixe o cantor fazer uma pausa. Por Tholuck e Hengstenberg, no entanto, as duas palavras são traduzidas como meditação, pausa; isto é, deixe o cantor meditar enquanto a música pára. Benjamin Davies, Ph.D., L.L.D., artigo Salmos, na Enciclopédia de Literatura Bíblica de Kitto.

SUGESTÕES PARA PASTORES E LEIGOS
Verso 2. A mentira contra o santo e o libelo sobre o seu Deus.

Fonte: The Treasury of Davi de Charles Spurgeon, vol. 1

Nenhum comentário:

Postar um comentário