2020/03/12

Isaías 34 — Comentário Devocional

Isaías 34 — Comentário Devocional

Isaías 34 — Comentário Devocional

34:1-4 Ao descrever o julgamento de Deus pelas nações, o profeta passa do geral (castigo de Deus pelas nações, vv. 1-4) para o específico (castigo de Deus a Edom, vv. 5-17). A mensagem geral desta seção diz respeito aos resultados da confiança nas nações. O capítulo começa com um oráculo contra as nações que proclama o julgamento vindouro e a derrocada final. O chamado para ouvir é uma característica comum no contexto do julgamento (Is 1:10; 28:14; 32:9). Nesse caso, é dirigido às nações estrangeiras que negaram o Deus de Israel. Essas nações buscaram a destruição de Israel, ficando assim contra Deus. Esta mensagem não é simplesmente entregue às nações. É ouvido por toda a criação pelo mundo e tudo o que brota dele (34:1).

É possível entender o chamado para a Terra ouvir como um chamado para a criação ser testemunha do oráculo contra as nações (cf. Dt. 4:26; 30:19). Nesse caso, no entanto, talvez seja melhor entender o texto como uma referência a toda a humanidade. A frase-chave é tudo o que contém (v. 1), que traduz um termo hebraico usado quatro outras vezes em Isaías (Is 6:3; 8:8; 31:4; 42:10). Cada um dos outros usos no livro parece ter um significado diferente daquele em 34:1. O termo pode se referir a tudo na terra (Sl 89:12) ou no mar (Sl 96:11) ou a subconjuntos mais limitados dentro da criação (cf. Sl 24:1; 50:12; 98:7). Embora não seja explícito em Is 34:1, com base nesse uso exclusivo de Isaías, parece mais provável que o texto se refira à humanidade como parte da criação de maneira semelhante ao Sl 24:1 ou Sl 98:7.

Essa leitura também mantém a ligação entre a primeira e a segunda parte de Is 34:1. A primeira seção aborda as nações e os povos, enquanto a segunda se refere à terra e ao mundo. Nos dois casos, a chamada é ouvir o aviso que será entregue nos seguintes versículos. As duas partes do v. 1 são declarações paralelas que se reforçam, mantendo o tom geral do julgamento. Isso envolve não apenas um conjunto de nações, mas todos aqueles que se opõem ao Senhor, Seu povo e Seus planos.

O próximo versículo (v. 2) começa com a conjunção de, dando o motivo da chamada anterior para ouvir. Nesse caso, as nações são chamadas a ouvir por causa da raiva do Senhor e da destruição que virá como resultado. O termo traduzido totalmente destruído é usado em vários lugares do AT para se referir à “proibição” ou à retirada de algo ou alguém para destruição total (Nm 21:2-3; Dt 2:34; 3:6; Jos 6:18, 21; 11:11-12, 20). O uso no v. 2 ressalta a severidade do castigo de Deus às nações.

Isaías 34:3 descreve a humilhação e indignidade que as nações outrora orgulhosas sofrerão. Eles nem serão capazes de enterrar seus mortos. Em vez disso, os corpos em decomposição serão simplesmente jogados fora, onde tanto a visão quanto o fedor revelarão a destruição do poder das nações.

A tradução das montanhas será encharcada de sangue (v. 3) é um tanto enganadora. O termo traduzido em encharcado é usado em outros contextos para denotar fusão ou dissolução. Existem várias referências figurativas a “corações derretendo” (Dt 20:8; Jos 2:11; 5:1; 7:5; 2S 17:10; Sl 22:14; Is 22:14; Is 13:7; 19:1; Ez 21 :12), bem como vários usos em que o derretimento do material está em vista (Êx 16:21; Jz 15:14; Sl 68:3). O termo também é usado para descrever o derretimento das montanhas no Sl 97:5 e Mc 1:4. Embora não haja referência ao sangue em Sl 97:5 ou Mc 1:4, é claro em ambas as passagens que as montanhas estão “derretendo”. Assim, a tradução de Is 34:3 provavelmente deve ser entendida como “ as montanhas derreterão com o sangue”. Oswalt sugere que a imagem se baseia na erosão que ocorre quando a água dissolve o solo (Oswalt, Isaías 1–39, 609). Esse entendimento também se encaixa bem com a dissolução das estrelas ou hostes do céu em 34:4. Em cada caso, é claro que Deus está dando às nações uma ideia do Seu alcance soberano e cósmico.

34:5-17 A discussão do julgamento continua pelas lentes de Edom, que se torna o representante de todas as nações. A escolha de Edom como nação representativa é de se esperar. Edom permanece como oponente de Israel em todo o AT (Ob 11-14; Ez 35:1-15; Mal 1:2-3). Mesmo no ventre de Rebeca, Israel (Jacó) e Edom (Esaú) lutaram pela posição (Gn 25:23). O uso de Edom em Isaías descreve a escolha que deve ser feita. Toda a humanidade deve escolher o caminho de Edom ou o caminho do Senhor. Qualquer uma das escolhas traz consigo um conjunto específico de consequências que são esclarecidas através da palavra profética.

A certeza do castigo de Edom é estabelecida através das proezas da espada do Senhor, que é saciada nos céus (v. 5). Esta espada virá do céu para destruir Edom. Sua origem celestial sugere que Edom não tem chance contra Deus. A espada é descrita em mais detalhes no v. 6 em termos retirados do sistema de sacrifício. A localização de Bozrah, incluída aqui como o local em que o sacrifício ocorrerá, é disputada. Alguns acreditam que é Buseirah moderno, cerca de 35 milhas a sudeste do Mar Morto. Para sustentar essa visão, Buseirah parece que mantém o antigo nome hebraico da cidade e que era a antiga capital de Edom. Outros afirmam que Bozrah deveria estar localizado no antigo reduto nabateano de Petra. Esta é uma área isolada, acessível através de um desfiladeiro estreito que se abre para um amplo espaço. Este parece ser o local mais provável porque:(1) O nome “Bozrah” significa “dobra de ovelhas” e a cidade de Petra está localizada em uma bacia dentro do Monte. Seir, com montanhas e falésias circundantes, criando um “redil” natural. (2) Bem ao lado de Petra está o local árabe de Butzeira, um nome que retém com mais precisão a forma hebraica de Bozrah. Alguns supuseram que Bozrah é o lugar para o qual o povo judeu na futura tribulação fugirá em busca de segurança da busca do anticristo (veja Ap 12:6). Portanto, faria sentido para o julgamento do fim dos tempos começar com a libertação do Senhor pelo povo judeu lá. Tão grande será a guerra de Deus que até os fortes entre Edom cairão e a terra ficará ensopada de sangue (34:7). O próximo versículo fornece a razão do ataque do Senhor - Ele planejou um dia de vingança em que assumirá a causa de Sião (34:8; ver 63:1-6 e comenta a cronologia dos eventos em Bozrah). Como resultado, destruição e confusão seguirão como descrito na vv. 9-17. Os recursos naturais da terra e até a própria terra se voltarão contra o povo de Edom ao longo de suas gerações (vs. 9-10). O versículo 11 baseia-se nas imagens da linha de medição ou de prumo. Em outros casos, essas imagens são normalmente empregadas em relação ao julgamento de Deus (2Rs 21:13; Is 28:17; Jr 31:39; Lm 2:8). Os que governam Edom não terão mais nada a supervisionar quando as torres e cidades fortificadas forem sitiadas por urtigas e cardos (34:12-13). Criaturas do deserto e animais selvagens se estabelecerão lá, pois Edom será abandonado sem outra vida presente (vv. 13-15). Esses eventos certamente acontecerão porque o Senhor o decretou. A destruição de Edom está chegando exatamente como a palavra do Senhor declarou (vv. 16-17).

Nenhum comentário:

Postar um comentário