quarta-feira, 16 de dezembro de 2009


SIGNIFICADO, CIRCUNCISÃO, ESTUDO, BÍBLIA
Expressão Grega: peritome

A circuncisão hoje nada mais é que um procedimento médico realizado logo após o nascimento, por razões de higiene. Nos tempos antigos, no entanto, a circuncisão, ou peritome em grego, sinalizava a adesão de um macho na religião judaica. Os primeiros cristãos continuaram a participar nos ritos e costumes judaicos, mesmo indo aos serviços do templo (Atos 3:1, 5:21, 42). Como os gentios vieram a Cristo, a controvérsia surgiu entre aqueles que diziam que a circuncisão era desnecessária, e aqueles que acreditavam que a circuncisão era necessária a fim de participar na comunidade da Aliança. Algumas pessoas argumentavam que, visto que a promessa da Aliança do Messias foi dada aos judeus, os gentios primeiro deviam ser circuncidados para se tornarem judeus antes que eles pudessem receber a salvação em Cristo. Consequentemente, nem todos os crentes judeus estavam dispostos a aceitar os gentios na igreja.

Muitos judeus nos dias de Cristo compreendiam o significado da circuncisão, acreditando que o ato físico era necessário como uma garantia de salvação. Assim, observando-se o rito da circuncisão, tornava-se não apenas um símbolo de privilégio religioso, mas também uma fonte de orgulho racial (Filipenses 3:4-6). Esses judeus associavam à cerimônia com a lei mosaica, em vez de a promessa a Abraão (João Atos 7:22; 15:1; Gênesis 17:10-11). Porque os gregos e os romanos não praticavam a circuncisão, os judeus eram chamados de “circuncisão” (Atos 10:45, 11:2; Rom. 15:8; Gal. 2:7-9; Ef. 2:11), e gentios foram chamados de “incircuncisão” (Gálatas 2:7; Ef. 2:11).

Ao visitar Cesaréia, os crentes judeus ficaram surpresos ao perceber que os gentios não circuncidados haviam recebido o dom de purificação do Espírito Santo (Atos 10:44-48). Quando Pedro voltou a Jerusalém depois de sua visita a Cesaréia, “o partido da circuncisão”, criticou ele, mas, depois de dizer como o Espírito Santo foi derramado sobre os gentios, Pedro declarou que ele não poderia estar contra Deus. Com isso, os crentes judeus foram silenciados e glorificaram a Deus de que o arrependimento para a vida tinha sido concedido aos gentios (Atos 11:1-3, 15:18). Mas, os judaizantes do partido farisaico ensinavam aos cristãos em Antioquia que a circuncisão era necessária para a salvação (Atos 15:1, 5). Após debater com estas pessoas, Paulo e Barnabé foram a Jerusalém para consultar com os outros apóstolos e os anciãos (Atos 15:2). Pedro alegou que Deus tinha dado o Espírito aos gentios e purificado os seus corações pela fé, afirmando que “nós acreditamos que somos salvos pela graça do Senhor Jesus, da mesma forma como eles são” (Atos 15:11 NASB). Assim, Tiago e os outros líderes concordaram em Jerusalém que a circuncisão não deve ser imposta aos gentios (Atos 15:13-21). Decidiu-se que Pedro, Tiago e João seriam confiados com o evangelho para os circuncidados, enquanto Paulo e Barnabé iriam pregar aos circuncidados (Gal. 2:7-9).

Versículos chave
Romanos 2:26-29; Gálatas 2:7-9

O ensinamento do Novo Testamento afirma que um crente fiel, embora fisicamente não circuncidado, é considerado por Deus como espiritualmente circuncidado (Rm 2:26-29). Ambos os judeus e gentios são salvos pela graça (Atos 15:11), circuncidados e não circuncidados são igualmente justificados em razão da sua fé, e não por obedecerem a lei (Rm 3:28-30). As pessoas do Antigo Testamento foram lembradas da Aliança de Deus através da circuncisão. Os cristãos de hoje têm o conhecimento do Espírito Santo, bem como da Bíblia, para nos lembrar de que o amor de Deus por nós é eterno.

Fonte: Holman Treasury of Key Bible Words de Eugene E. Carpenter e Philip W. Comfort.

0 Deixe seu comentário:

Postar um comentário

Compartilhe Este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Pesquise outros Estudos