2009/12/14

Teologia do Livro de Filemom

CARTA A FILEMOM, TEOLOGIA, ESTUDO BÍBLICO, TEOLOGICO, FILÊMON
A carta à Filemom é também dirigida a Áfia e Arquipo (v. 2). Que é Filemom o destinatário principal, no entanto, resulta do fato de que, com exceção da conclusão da carta (vv. 22, 25), que usa o pronome de segunda pessoa do plural (referindo-se à todos os três destinatários), o resto da carta emprega o pronome da segunda pessoa do singular (gr. suv) ao abordar o destinatário principal, é certamente evidente que se refere a Filemom. A referência de Paulo à “ igreja que está na tua [sing.] casa” (v. 2) indica claramente uma única família a quem se destina. Portanto, estes três indivíduos estavam provavelmente relacionados. Talvez Áfia fosse a esposa de Filêmon e Arquipo fosse seu filho. A carta de Filemom é pouco mais que uma nota em termos de comprimento, constituída de apenas 335 palavras em grego, e pouco mais de uma nota em natureza. Embora a carta não contenha argumentos teológicos, ela é escrita de uma pressuposição teológica definitiva, centrada na relação do recém convertido Onésimo (v. 10) na carne e no Senhor (v. 16). A premissa teológica é que após a conversão, até mesmo um escravo se torna uma parte importante do corpo de Cristo, na família cristã, e a premissa é que, em Cristo, já não há escravo nem livre (cf. Gl 3:28). Paulo já havia escrito aos crentes coríntios que quem fosse chamado no Senhor como um escravo era uma pessoa livre e pertencente ao Senhor, assim como quem estava livre quando chamado é um escravo de Cristo (1 Coríntios 7:22). Em Filemom, como no início de cada carta no corpus paulinus, exceto Tito, os leitores são lembrados de que cada cristão é um servo do Senhor Jesus Cristo. Essa realidade é aplicada com validade igual tanto para Filemom e Onésimo, tanto ao mestre, bem como escravo. O último desejo de Paulo era que uma nova relação sociológica saísse com base nesta realidade espiritual recíproca.

John McRay

Fonte: Baker's Evangelical Dictionary of Biblical Theology. Editado por Walter A. Elwell.

Nenhum comentário:

Postar um comentário