2011/10/31

Teologia da Carta de Judas

JUDAS, TEOLOGIA, LIVRO, PROFETA

Teologia da Carta de Judas


Judas escreveu esta carta urgente para combater homens ímpios, que transformaram a graça de Deus na ilegalidade, e por sua blasfêmia audaciosa negaram o Senhor Jesus Cristo. Estes falsos mestres reivindicavam a autoridade para ensinar, com base em suas supostas visões e estavam causando divisão no seio das igrejas. Judas exorta as igrejas a defender a fé apostólica e reconhecer que Deus julgará esses falsos mestres. Por isso, eles continuam a envolver-se em disciplina espiritual e antecipar a vinda de Jesus Cristo, momento em que Deus irá apresentar os fiéis a si mesmo como pessoas alegres e santas.

Cf. Visão Geral da Carta de Judas
Cf. Esboço e Introdução da Carta de Judas
Cf. Análise da Carta de Judas
Cf. Comentário da Carta de Judas
Cf. Introdução ao Livro de Judas
Cf. Carta de Judas
Cf. Panorama da Carta de Judas

O método de Judas é lembrar os leitores de que eles já conhecem e para reforçar essa mensagem. Apelando para o Antigo Testamento, os escritos contemporâneos, e ao ensinamento dos apóstolos, afirma a certeza do julgamento divino. Por uma descrição denunciatória dos falsos mestres e seu destino, ele os torna pouco atraentes para os leitores. E por uma exortação a disciplina espiritual que lhes assegura a sua estabilidade na fé. Finalmente, na doxologia final, ele dá garantia de que Deus é capaz de preservar os fiéis e apresentá-los para si mesmo de forma santa e irrepreensível.

Judas (ou Judá) se identifica como “o irmão de Tiago”, implicando que ele também é o irmão de Jesus (Mateus 13:55, Marcos 6:3) e que ele tem a autoridade para lidar com estas igrejas e condenar os professores falsos. Alguns têm sugerido que o autor não foi contemporâneo dos apóstolos (v. 17) e que o livro foi escrito mais tarde por outro Judas ou alguma pessoa desconhecida. Mas o irmão de nosso Senhor era o único homem na igreja primitiva que poderia ser chamado simplesmente de “Tiago” sem ambiguidade. E não há nenhuma evidência de que a igreja primitiva aceitaria cartas escritas falsamente no nome de uma pessoa importante. A data desta carta, em seguida, deve estar dentro da vida de Judas, ou seja, na metade do meio ou final do primeiro século.

Os destinatários da carta não são especificados, mas eles estão familiarizados com o Antigo Testamento, a literatura judaica contemporânea, e métodos de interpretação. Isto é apropriado para cristãos judeus na Palestina ou Síria, embora gentios cristãos provavelmente fossem incluídos. Estes podem ser igrejas que Judas tinha visitado em sua ministérios itinerante.

§ 1 Escatologia

A perspectiva teológica abrangente em Judas é a escatologia. Este aparece em três formas principais: (1) o cumprimento escatológico dos tipos e profecias no Velho Testamento e na literatura apócrifa, (2) a certeza do julgamento divino sobre os pecadores ímpios; (3) a antecipação da salvação pela disciplina espiritual e divina proteção.

O motivo dominante escatológico em Judas é a certeza do julgamento divino. Deus julga o pecado, rebelião e apostasia quando e onde quer que ocorra, antes da criação na corte celestial (v. 6), nas cidades más na época dos patriarcas (v. 7), e entre o povo de Deus no deserto (vv. 5, 11). Judas dá ênfase sobre o julgamento escatológico do grande Dia (v. 6). No entanto, o julgamento continua no presente, como indicado pelos anjos que estão sendo mantidos sob julgamento (v. 6) e do processo de corrupção na vida dos ímpios (v. 10).

Estes julgamentos são apresentados em Judas como tipos ou profecias que foram sendo cumpridas pelos falsos mestres (v. 7). Eles estavam há muito tempo prescrito para a mesma condenação (vv. 4, 14-15). O castigo dos ímpios será o "fogo eterno do juízo" (vv. 6-7), em contraste com a vida eterna para os fiéis (vv. 21, 24). No entanto, algumas pessoas que tinham sido vítimas de falsos mestres poderiam ser resgatados a partir de juízo eterno prévio. Então Judas exortou os seus leitores a convencer alguns e a resgatar outros.

§ 2 Soteriologia

Salvação em Jude é um chamado para a vida eterna (vv. 1, 21), que culmina com uma apresentação real antes de Deus Todo-Poderoso (v. 24). É motivada pelo amor de Deus, implementado pelo Espírito, e concluída pela misericórdia de Jesus Cristo. Esta salvação é dividido igualmente por todos, sem elitismo, ou qualquer outra vantagem de tempo, lugar ou nacionalidade. Os chamados são obrigados a ser fiéis, aderindo à fé apostólica, vivendo sob a autoridade do Senhor Jesus Cristo (vv. 17, 25), e engajar-se em disciplinas da igreja para manter-se no amor de Deus (vv. 20-21). Desta forma, o fiel desfrute a misericórdia aumentando, paz e amor de Deus (v. 2). Em contraste, o Israel infiel, como no deserto lugar--se sob o juízo de Deus, presumindo em sua graça, negligenciando a disciplina espiritual, e repudiando Jesus Cristo por palavras e obras (v. 4).

Mas o Deus Todo-Poderoso que libertou Israel do Egito é o único que vai trazer a salvação para a conclusão para a sua glória eterna. Ele mantém os fiéis de Jesus Cristo (v. 1) e guardas-los para que não caiam (v. 24). E ele vai levá-los a ficar honrada em sua presença, real glorioso.

§ 3 Eclesiologia

Mesmo que a palavra não seja usada, a igreja é a preocupação central da carta de Judas. A igreja é o povo “chamado” de Deus (v. 1) que se reúnem para a adoração (e ouvem esta carta) e mantem a festa do amor, incluindo a Ceia do Senhor. Esta carta parece refletir um sermão cristã primitivo com a sua declaração de propósito, o apelo às Escrituras, exortação e bênção. Jesus Cristo é o Senhor soberano sobre a igreja. Esta autoridade é estendida através de seus apóstolos e seus ensinamentos. É evidenciado por Judas, que aborda estas igrejas como um servo de Jesus Cristo e como um irmão de Tiago, o renomado líder da igreja em Jerusalém (Atos 15:13; 21:18). Judas descreve o ministério de líderes locais como "pastores" (v. 12). Ele mesmo modela isso pela sua preocupação (v. 3) e emulação do amor de Deus para eles (vv. 3, 20). Sua atitude gentil é expressa em seu “desejo” em “lembrá-los”, ao invés de ralhar ou repreendê-los.

Judas também apela às Escrituras como tendo autoridade para a igreja. Esses escritos são o registro de autoridade e obras de Deus na história, e eles fornecem uma perspectiva profética para interpretar as experiências atuais da igreja. Além disso, Judas faz uso de materiais a partir dos escritos apócrifos de 1 Enoque (v. 14) e da Assunção de Moisés (v. 9) como afirmação de sua mensagem às igrejas. A missão da Igreja é expressa em três exortações: defender a fé (v. 3), manter-se no amor de Deus (v. 21), e resgatar alguns, mantendo sua pureza própria.

§ 4 Teologia

A teologia de Judas é explicita e implicitamente monoteísta trinitária. Deus é nosso Pai (v. 1) e Salvador (v. 25). Ele é o único e eterno para quem a glória, majestade, poder, autoridade pertencem para sempre e sempre (v. 24). Ele também é o Senhor, uma alusão ao nome divino no Antigo Testamento (vv. 5, 9, 14), que salva o Seu povo, e o juiz que condena o mundo, os pecadores, e os anjos maus (vv. 5, 9 , 14). E Ele é o Rei que vai chamar o seu povo a comparecer perante Ele para uma audiência real (v. 24).

A segunda pessoa da Trindade é “nosso Senhor Jesus Cristo” (vv. 4, 17, 21, 25). Seu ofício messiânico é assumido, e a ênfase principal é sobre o seu senhorio (vv. 4, 17, 21). Judas enfatiza este através da utilização de dois substantivos, tanto “Mestre” (gr.: despotes) e “Senhor” (gr.: kurios). Em três casos (vv. 5, 9, e, especialmente, 14), o uso de Judas de “Senhor” pode implicar em uma referência a Jesus Cristo como o cumprimento da mensagem tipológica dos textos, e a unidade do Pai e do Filho. Jesus Cristo é o Senhor da Igreja, e o mediador entre Deus e os fiéis. Através dele é o louvor oferecido a Deus (v. 25), e por ele Deus vai conceder a expressão final de misericórdia no dom da vida eterna (v. 21). É por Jesus Cristo e seu dia que Deus vai manter os fiéis (v. 1). O Espírito Santo é mencionado duas vezes em Judas. Ao contrário dos falsos mestres, aqueles que são fiéis têm o Espírito (v. 19). E é no Espírito que a igreja realiza seu culto e disciplina cristã (vv. 20, 21).

Norman R. Ericson

Bibliografia


R. J. Bauckham, 2 Peter, Jude
D. Guthrie, New Testament Theology: A Thematic Study
G. E. Ladd, A Theology of the New Testament

Um comentário:

Gislene Monteiro disse...

Muito esclarecedor, obrigada

Postar um comentário