2016/10/15

Hebreus 3:1-19 — Comentário de Matthew Henry

Comentário de Hebreus 3




Hebreus 3

Comentário de Hebreus 3:1-6

Cristo deve ser considerado o Apóstolo de nossa confissão, o Mensageiro enviado aos homens por Deus, o grande Revelador da fé que professamos, e da esperança que confessamos ter. como Cristo, o Messias, é o ungido para o ofício de Apóstolo e Sacerdote. Como Jesus, é nosso Salvador, nosso Curador, o grande Médico das almas. Seja assim considerado. Considere-se o que é em sim, o que é para nós e o que será para nós no além e para sempre. pensar íntima e seriamente em Cristo nos conduz a saber mais dEle. Os judeus tinham uma elevada opinião da fidelidade de Moisés, porém sua fidelidade era um tipo da de Cristo.

Cristo foi o Senhor desta casa, de sua Igreja, que é seu povo, e seu Criador. Moisés foi um servo fiel; Cristo, como o eterno Filho de Deus, é o dono legal e o Rei Soberano da Igreja. Não só devemos estabelecer-nos bem nos caminhos de Cristo, senão que devemos seguir e perseverar firmemente até o fim. Toda meditação em sua Pessoa e sua salvação sugere mais sabedoria, novos motivos para amar, confiar e obedecer.

Comentário de Hebreus 3:7-13

Os dias de tentação costumam ser os dias de provocação. Sem dúvida é uma provocação tentar a Deus quando Ele nos deixa que vejamos que dependemos e vivemos por inteiro dEle. O endurecimento do coração é a fonte de todos os outros pecados. Os pecados alheios, especialmente os de nossos parentes, devem ser alarme para nós.

Todo pecado, especialmente o pecado cometido pelo povo privilegiado que professa a Deus, não só provoca a Deus, senão o contrista. Deus detesta destruir a ninguém em ou por seu pecado; espera muito para ser bondoso com eles. Mas o pecado em que se persiste por longo tempo faz com que a ira de Deus se revele ao destruir o impenitente; não há repouso sob a ira de Deus.

"Cuidado": todos os que irão chegar a salvo ao céu devem cuidar-se; se uma vez nos permitimos desconfiar de Deus, logo poderemos desertar dEle. Os que pensam que estão firmes, olhem que não caiam. Já que o amanhã não nos pertence, devemos aproveitar até o máximo o dia de hoje. Não há, nem sequer entre os mais fortes do rebanho, quem não necessite da ajuda de outros cristãos. Tampouco há alguém tão baixo e desprezível cujo cuidado na fé e sua segurança não pertençam a todos. o pecado tem tantos caminhos e cores que necessitamos mais olhos que os próprios. O pecado parece justo, porém é vil; parece agradável, mas é destruidor; promete muito, mas não cumpre nada. O enganoso do pecado endurece a alma; um pecado permitido dá lugar a outro; e cada ato de pecado confirma o hábito. Que cada qual se cuide do pecado.

Comentário de Hebreus 3:14-19

O privilégio dos santos é que são feitos participes de Cristo, isto é, do Espírito, a natureza, as virtudes, a justiça e a vida de Cristo; estão interessados em todo o que Cristo é, em todo o que Ele tem feito e fará. O mesmo espírito com que os cristãos empreendem o caminho de Deus é o que devem manter até o fim. A perseverança na fé é a melhor prova da sinceridade de nossa fé. Ouvir a palavra amiúde é um médio de salvação, porém se não se escuta, exporá mais a ira divina. A alegria de sermos participes de Cristo e de sua salvação completa, e o temor à ira de Deus e à miséria eterna, devem estimular-nos a perseverar na vida da fé obediente. Cuidemo-nos de confiar nos privilégios ou profissões externas e peçamos ser contados com os crentes verdadeiros que entram no céu quando todos os outros falham a causa da incredulidade. Como nossa obediência continua conforme ao poder de nossa fé, assim os nossos pecados e a falta de cuidado se conformam ao predomínio da incredulidade em nós.

Nenhum comentário:

Postar um comentário