2014/10/16

Explicação de Mateus 20

Mateus 20

20.1-3 — A hora terceira era cerca de 9 da manhã.

20.4 — Esses trabalhadores, ao contrário daqueles de Mateus 20.2, não tinham nenhum contrato; eles somente confiaram no pai de família que os contratou.

20.5 — Perto da hora sexta era por volta de meio-dia.

20.6,7 — A hora décima era cerca de cinco da tarde. Só faltava uma hora para acabar o dia de trabalho.

20.8-15 — Os primeiros trabalhadores reclamaram que seu salário foi o mesmo dos que foram contratados mais tarde do que eles. No entanto, o pai de família não os enganou; todos receberam o que foi combinado pelo trabalho. Os trabalhadores que começaram primeiro reclamaram porque eram mesquinhos em sua maneira de ver as coisas; seu senhor, porém, era muito generoso.

20.16 — Segundo Mateus, os trabalhadores contratados representam Israel; eram eles que tinham as promessas e a aliança (Rm 3.1,2; 9.4; Ef 2.11,12). Aqueles que não tinham um contrato representam os gentios, que seriam semelhantes ao povo judeu quando a salvação fosse dada a todos mediante a fé em Jesus Cristo (Rm 11.16,17; Ef 2.13-15; 3.6).

20.17-19 — Mais uma vez, o Senhor prevê Sua morte e ressurreição (Mt 16.21; 17.9,22,23). Pela primeira vez Ele fala como vai morrer: crucificado.

20.20,21 — Que contraste com Mateus 20.17-19! É bem provável que Tiago e Joao tenham levado sua mãe a fazer isso. Mais a frente, ao compararmos Mateus 27.56, Marcos 15.40 e João 19.25, vemos que é bem possível que Maria, mãe de Jesus, e a mãe de Tiago e Joao, fossem irmãs. Se isso for verdade, os irmãos poderiam estar querendo levar alguma vantagem por causa de seu parentesco com Jesus.

20.22,23 — Ser batizados com o batismo com que eu sou batizado não consta nos primeiros manuscritos. Provavelmente foi tirado de Marcos 10.38.

20.24 — Os outros dez apóstolos devem ter ficado indignados porque eles mesmos queriam essa posição de honra. A resposta que Jesus deu foi para todos eles (Mt 20.25-28).

20.25-28 — A grandeza não é medida por posição, poder ou prestígio, mas pelo quanto servimos.

20.29-34 — Só Mateus menciona os dois cegos; Marcos e Lucas falam de um, provavelmente o que falou. O fato de Mateus falar de dois homens tem tudo a ver com seu Evangelho, que inicialmente foi escrito para os judeus, que faziam questão de duas testemunhas (Dt 17.6). Filho de Davi, um título messiânico (2Sm 7.12-16), deixa claro que Jesus é o herdeiro do trono de Davi. Esse clamor, repetido em Mateus 20.31, mostra o discernimento espiritual desses homens.

Nenhum comentário:

Postar um comentário