Lucas 2:1-52 — Interpretação Bíblica

Interpretação de Lucas 2:1-52



O nascimento de Jesus
(Leia Lucas 2.1-7)


É um desafio ler essa história tão conhecida como se fosse a primeira vez ou, então, ouvi-la na simplicidade com que é narrada por Lucas. O presente que Deus dá à humanidade vem sem muito alarde. O próprio Messias compartilha da dominação a que seu povo estava sujeito. O lugar do nascimento de Jesus é, por assim dizer, determinado pelo imperador romano Augusto. Desde o início “o Filho do Homem não tem onde descansar” (Lc 9.58).
2.1 Naquele tempo. Isto é, no ano 5 ou 4 a.C. Por certo, deveria ser o primeiro ano da era cristã (d.C.), mas Jesus nasceu mesmo no ano 5 ou 4 antes de Cristo. Acontece que, antigamente, se contavam os anos a partir da fundação da cidade de Roma, que, pelo nosso calendário, foi em 753 a.C. O sistema atual de contar os anos a partir do nascimento de Cristo (a.C. e d.C.) foi criado apenas no sexto século d.C. O monge que fez os cálculos para transferir as datas do sistema anterior ao atual se enganou em 5 ou 6 anos no cálculo do ano do nascimento de Jesus em relação ao ano da fundação de Roma (753 a.C.). Mais tarde, o erro foi percebido, mas ele nunca foi corrigido. Assim, pelo nosso calendário, Jesus nasceu alguns anos “antes de Cristo”. Augusto. Gaio Otávio Augusto, imperador romano de 29 a.C. a 14 d.C.
2.2 Quando foi feito esse primeiro recenseamento. O texto original deste versículo também pode ser traduzido assim: “Esse foi o primeiro recenseamento feito quando Cirênio era governador da Síria.” Naquele tempo, a Síria era uma província romana da qual fazia parte a terra de Israel.
2.3 na sua própria cidade. Isto é, na cidade dos seus antepassados.
2.4 Galiléia. Região que ficava na parte norte da terra de Israel. a uma cidade chamada Belém. De Nazaré (ver Lc 1.26, n.) até Belém a distância é de uns 110 km. onde tinha nascido o rei Davi. 1Sm 16.1-13; 20.6.
2.5 casamento contratado. Ver Lc 1.27, n.
2.7 o seu primeiro filho. Aqui, Lucas não está querendo dizer que, depois, Maria teve mais filhos. Ele traz esta informação porque, segundo a Lei de Moisés, o primeiro filho homem era dedicado a Deus (Êx 13.1-2,12-13). Maria e José fizeram isso, como relata Lc 2.22-23. o deitou numa manjedoura. Isso parece indicar que Maria e José se acomodaram na estrebaria. Naquela época, a estrebaria era, em geral, uma peça anexa à casa.

Os pastores e os anjos
(Leia Lucas 2.8-20)

Os primeiros que ouviram a notícia do nascimento do Messias foram pastores de ovelhas, que, naquele tempo, eram desprezados e considerados como mendigos e até mesmo ladrões.
2.10 trazer uma boa notícia. Este será um tema importante no Evangelho de Lucas e também no Livro de Atos (Lc 4.18,43; 7.22; 8.1; 20.1; At 5.42; 8.4,25,35; 10.36).
2.11 cidade de Davi. Belém (v. 4). o Messias, o Senhor. Dois títulos de Jesus. No AT, Senhor é um título de Deus (ver também v. 15).
2.12 a prova. A prova é uma criancinha enrolada em panos e deitada numa manjedoura. O Messias e Salvador é uma criança pobre e indefesa. Isso vai contra a expectativa de judeus e não-judeus daquela época e de todos os tempos. No final, a prova definitiva será a cruz (At 2.36; 4.10; 5.30).
2.14 paz na terra. Com a força dos seus exércitos, o Imperador Augusto tinha trazido ao mundo a paz romana. Era, por isso, venerado com um deus. Lucas, aqui, deixa claro que a verdadeira paz vem de Deus, trazida por aquele que é Messias e Senhor (v. 11).
2.15 Vamos até Belém. Os pastores se tornam modelo de fé. Levam a sério a mensagem que receberam, vão a Belém e não se escandalizam quando encontram a prova sobre o que o anjo tinha falado (vs. 12,16).
2.20 hinos de louvor a Deus. Na terra, os pastores se unem no louvor a Deus iniciado pelos anjos do céu (vs. 13-14).

O nome do menino
(Leia Lucas 2.21)

Segundo a Lei de Moisés (Lv 12.3), um menino devia ser circuncidado uma semana depois de nascer (Lc 1.59). Chama a atenção que, numa comparação com João Batista (1.59-66), este relato é bem curto. Por outro lado, o nascimento de Jesus recebe destaque (vs. 1-20), enquanto o de João é narrado em poucas palavras (Lc 1.57). Ver Lc 1.31, n.

Jesus é apresentado no Templo
(Leia Lucas 2.22-40)

Quarenta dias depois do seu nascimento, Jesus é levado ao Templo para a cerimônia da purificação. Ali, Simeão e Ana reconhecem nele o Messias.
2.22 conforme manda a Lei de Moisés. Segundo Lv 12.2-4,6-8, a mulher, por causa da perda de sangue, precisava se purificar.
2.23 dedicado ao Senhor. Êx 13.2,12.
2.24 duas rolinhas ou dois pombinhos. Esta era a oferta de gente pobre, pessoas que não tinham recursos para oferecer um carneirinho (Lv 12.8).
2.30 já vi Junto com os pastores de Belém (Lc 2.15,17), Simeão é um daqueles felizes que Jesus menciona mais adiante em Lucas (Lc 10.23-24).
2.31 na presença de todos os povos. Is 40.5; 52.10.
2.32 luz para... os que não são judeus. Is 42.6; 49.6. para dar glória ao teu povo de Israel. Por causa do Messias, os não-judeus vão dar glória ao povo de Israel (Is 60.1-3).
2.35 a tristeza... cortará o seu coração, Maria. Este será o resultado da rejeição do Messias por parte de Israel (Jo 19.25).
2.36 Ao lado de Simeão, a profetisa Ana é uma segunda testemunha (Dt 19.15).
2.37 ela estava com oitenta e quatro anos de idade. O texto original também pode ser traduzido assim: “já era viúva por oitenta e quatro anos”. Nesse caso, se ela casou com 14 anos, teria, então, 105 anos.
2.40 O menino... tinha muita sabedoria. Como a história que segue (Lc 2.41-52) vai mostrar.

Jesus no Templo
(Leia Lucas 2.41-52)

Além das histórias ligadas ao nascimento de Jesus, este relato dos vs. 41-52 é a única outra história da infância de Jesus que aparece nos Evangelhos. Jesus tem doze anos e sabe muito bem quem ele é em relação a Deus, o Pai dele (v. 49). Mais ou menos dezoito anos depois, ele vai começar o seu trabalho (Lc 3.23).
2.41 Festa da Páscoa. Êx 12.1-27; Dt 16.1-8.
2.42 doze anos. No ano seguinte, quando Jesus teria treze anos, sua ida a Jerusalém seria obrigatória. Com essa idade, um menino judeu se tornava “filho da Lei” e passava a cumprir algumas das exigências da Lei de Moisés.
2.43 Jesus tinha ficado em Jerusalém. Esta é a primeira ação de Jesus, segundo Lucas. Suas primeiras palavras aparecem no v. 49.
2.48 muito aflitos. Começa a se cumprir a palavra de Simeão (Lc 2.35).
2.49 eu devia estar na casa do meu Pai. É a primeira vez que Jesus fala, no Evangelho de Lucas. Ele fala sobre a necessidade de estar na casa do Pai. Essa necessidade vem da vontade de Deus, que determina a vida dele e que acabará por levá-lo à cruz (Lc 4.43; 9.22; 13.33; 17.25; 22.37; 24.7,26,44). meu Pai. Na primeira vez que fala, em Lucas, Jesus menciona o Pai. Ao morrer na cruz, ele entrega o espírito ao Pai (Lc 23.46).
2.51 guardava tudo isso. V. 19.

2.52 crescendo... em sabedoria. Ver Lc 1.80, n.; Pv 3.4.

Índice: Lucas 1 Lucas 2 Lucas 3 Lucas 4 Lucas 5 Lucas 6 Lucas 7 Lucas 8 Lucas 9 Lucas 10 Lucas 11 Lucas 12 Lucas 13 Lucas 14 Lucas 15 Lucas 16 Lucas 17 Lucas 18 Lucas 19 Lucas 20 Lucas 21 Lucas 22 Lucas 23 Lucas 24