2015/12/09

Gênesis 16 — Estudo Bíblico

Estudo Bíblico sobre Gênesis



Gênesis 16

A Esposa Substituta (16.1-16)
O tempo passou e Sarai (1) continuava sem filhos. Deus não prometeu que o filho viria dela (15.4) e o problema de uma promessa não cumprida permanecia. Na opinião de Sarai, a resposta era o costume da pátria de onde vieram. Este costume dizia que a esposa sem filhos tem de oferecer ao marido uma criada para servir no lugar dela. A descendência seria considerada sua.' Sarai tinha uma serva egípcia chamada Agar, que ela ofereceu a Abrão (2). Abrão aceitou a oferta e pouco tempo depois Agar teve um filho.
Emoções profundas e intensas no coração de cada participante estavam emaranhadas com o problema de interpretar uma promessa divina por meio de providências le­gais. Agar (4) ficou arrogante com sua senhora, e Sarai ficou amarga e abusiva (5). Indo ao marido, ela o acusou de privá-la dos direitos básicos de esposa e exigiu que tomasse uma atitude. A Bíblia Ampliada traduz o versículo 5a assim: “Que [minha responsabili­dade pelo] meu erro e privação de direitos estejam sobre ti!” Era contrário ao costume da pátria de onde vieram as esposas servas mostrarem desrespeito à esposa principal. Abrão recusou punir Agar, mas permitiu que Sarai agisse como quisesse.
O mesmo costume que permitia uma esposa substituta não permitia a expulsão desta esposa depois que ela ficasse grávida, qualquer que fosse sua atitude. Mas Sarai era diligente. Ela afligiu-a, forçando a moça a fugir.
Agar estava a caminho de sua pátria, o Egito, quando o Anjo do SENHOR (7) lhe apareceu numa fonte ao chegar ao deserto de Sur (ver Mapa 2). Em resposta à pergun­ta, Agar (8) confessou que estava fugindo de Sarai. Em vez de mostrar compaixão, o Anjo do SENHOR ordenou que a moça voltasse à sua senhora (9). Em troca desta submissão ao abuso, Agar recebeu a promessa de numerosa semente (10). A criança que nasceria se chamaria Ismael (11), como lembrança que Deus ouviu a oração de desespero que ela fez. O filho teria caráter incomum. Ele não se ajustaria bem com a família quieta de Abrão. Ele amaria a vida selvagem e livre do deserto. Poucos seriam os homens que gostariam do seu jeito.
A resposta de Agar foi gratidão e adoração. Deus reparou em sua situação aflitiva e ela ficou grata. Em vez de se ressentir com a ordem, ela fielmente refez o caminho de volta à tenda de Sarai. Em honra de sua grande experiência espiritual, ela deu nome ao poço de Laai-Roi (14), “A fonte daquele que vive e me vê”). Ela não resolveu problema algum fugin­do. Agora ela enfrentava a dificuldade perante Sarai com coragem e nova esperança.

Nenhum comentário:

Postar um comentário