Estudo sobre Gênesis 30

Estudo sobre Gênesis 30

Estudo sobre Gênesis 30



Gênesis 30

Os filhos de Jacó (29.31—30.24)
O nascimento de 11 filhos e filhas de Jacó agora é contado em detalhes; finalmente a promessa de uma grande nação (12.2 etc.) começa a ter o seu cumprimento. Mesmo agora, o tema da esterilidade de forma alguma está ausente, e destaca-se desde o início (29.31) que todo filho era um presente do Senhor. A família grande, então, foi a provisão dele; mas, no nível humano e bastante terreno, a história é de dar pena. Como escreveu H. C. Leupold: “A casa do bígamo é uma casa dividida contra si mesma e a fonte fértil de muito dano e do desaparecimento da verdadeira disciplina”. A briga pelas mandrágo-ras (30.14,15), uma planta muito comum e considerada como afrodisíaca, ilustra bem a desgraça e os atritos. A interpretação dos nomes também está relacionada a essa rivalidade resultante. Essas interpretações dos nomes não são explanações científicas dos nomes; alguns nomes podem ter sido bem antigos já na época, sendo desconhecidos os seus verdadeiros sentidos. Alguns deles permanecem obscuros. As interpretações dadas em Gênesis, então, “não são de forma alguma etimologias, mas expressões elaboradas em forma de nomes próprios, expressando sentimentos ou esperanças associadas ao nascimento desses filhos” (Leupold). A moral da história não é simplesmente uma advertência contra a bigamia; antes, é uma advertência contra ciúmes e atritos intertribais, a que^o povo de Israel estaria muito inclinado posteriormente. E instinto humano associar um orgulho especial ao nome do clã, tribo ou nação aos quais pertencemos; se tribos israelitas posteriores foram tentadas a exaltar a identidade tribal acima dos interesses nacionais, deveriam recordar os significados dos seus nomes dados aqui, que não somente expressam a alegria materna natural pela sua existência, mas as ligava de forma indissolúvel aos compatriotas israelitas de outras linhagens tribais.
A sequência dos nascimentos tem importância. Os primeiros quatro filhos de Lia (29.31-35) são os nomes das tribos mais velhas de Israel; dos quatro, Judá (v. 35) seria o mais importante.
As tribos relacionadas às duas servas (30.1-13) seriam de importância menor, assim como Ismael não podia ser comparado com Isaque. (Cf. a mesma razão para tomar concubinas registrada em 16.1-4, ou seja, esterilidade ou esterilidade temporária; a expressão em 30.3 significa que Raquel iria reconhecer os filhos de Bila como seus.) Os últimos dois filhos de Lia eram novamente tribos menos importantes (30.17,18). A sua filha Diná (v. 21) é mencionada para dar base ao cap. 34. O último nascimento registrado não é de forma alguma o menos importante: o primeiro filho de Raquel, José (v. 24) seria o mais poderoso de todos e o pai de Efraim e Manassés. Mas mesmo essa tribo não seria auto-suficiente; até o nome José já gerava a expectativa do nascimento de Benjamim (v. 35.16ss).

A prosperidade de Jacó (30.25-43)
Começa agora o longo processo de Jacó se separar de Labão. Ele poderia ter partido imediatamente, pois os sete anos de serviço para adquirir o direito sobre Raquel provavelmente já haviam sido cumpridos, mas, se na região de Harã valiam leis como as de Ex 21.2ss, então ele não tinha direito de levar consigo suas mulheres e filhos. Essa também era a posição de Labão acerca do assunto (cf. 31.43); mas Jacó poderia pelo menos pedir permissão para levar consigo sua família. Labão era astuto demais para deixar partir facilmente um empregado tão rentável e, na conversa, destacou o ponto de que, se Jacó partisse naquela hora, iria de mãos abanando, pois não possuía nada. Assim, fizeram um acordo que proporcionou ao homem mais novo a oportunidade de amealhar riquezas; dessa forma, Labão conseguiu mais seis anos dos serviços de Jacó (cf. 31.41), ao passo que Jacó não perdeu nada, a não ser o tempo, emergindo como um homem extremamente rico (v. 43).
Mais uma vez, vemos o espetáculo nada edificante de dois enganadores em ação. A primeira manobra foi de Jacó (v. 32,33), mas o seu sogro rapidamente o excedeu em esperteza (v. 35). A segunda manobra de Jacó foi mais sutil (v. 37-42), incluindo procriação seletiva, mas baseada principalmente na expectativa de que o embrião no útero dos animais seria influenciado por aquilo em que os animais prenhes colocassem os olhos. Essa crença comum é reconhecida agora como algo nada científico, mas funcionou para Jacó! D. Kidner comenta com propriedade: “Não seria a última vez que a parte dele [de Deus] num empreendimento bem-sucedido seria bem maior do que parece ao observador”. Isso foi providencial, e Jacó não deixaria a região dos arameus de mãos vazias, assim como Abraão também não saiu como perdedor do Egito (13.1) ou Isaque, de Gerar (26.12ss); mas mesmo assim ele ainda teve o problema de voltar em segurança para a terra prometida com a sua família e os recém-adquiridos rebanhos e manadas.

Índice: Gênesis 1 Gênesis 2 Gênesis 3 Gênesis 4 Gênesis 5 Gênesis 6 Gênesis 7 Gênesis 8 Gênesis 9 Gênesis 10 Gênesis 11 Gênesis 12 Gênesis 13 Gênesis 14 Gênesis 15 Gênesis 16 Gênesis 17 Gênesis 18 Gênesis 19 Gênesis 20 Gênesis 21 Gênesis 22 Gênesis 23 Gênesis 24 Gênesis 25 Gênesis 26 Gênesis 27 Gênesis 28 Gênesis 29 Gênesis 30 Gênesis 31 Gênesis 32 Gênesis 33 Gênesis 34 Gênesis 35 Gênesis 36 Gênesis 37 Gênesis 38 Gênesis 39 Gênesis 40 Gênesis 41 Gênesis 42 Gênesis 43 Gênesis 44 Gênesis 45 Gênesis 46 Gênesis 47 Gênesis 48 Gênesis 49 Gênesis 50