2016/10/08

Números 22 — Análise Bíblica

Análise Bíblica de Números 22





Número 22
22:1—36:13 Nas campinas de Moabe
Os acontecimentos relatados nessa seção final do livro de Números ocorreram nas campinas de Moabe, onde Israel acampou na fronteira com Canaã. Dali, o Senhor mostrou a Moisés toda a terra de Canaã: “Então, subiu Moisés das campinas de Moabe ao monte Nebo, ao cimo de Pisga, que está defronte de Jerico; e o Senhor lhe mostrou toda a terra de Gileade até Dã” (Dt 34:1). Esses acontecimentos finais antes de Israel ocupar a terra da promessa incluem a bênção de Balaão quando o povo atravessou o território de Moabe (22:1—24:25) e a rebelião final e morte da geração mais velha (25:1-18). 0 livro termina com o surgimento da nova geração (26:1-65) e um relato das leis e decisões legais que visavam orientar o povo antes da ocupação final da terra.
22:1—24:25 Balaque e Balaão
Há ocasiões em que o grande poder de Deus é visível muito além de Israel, a nação escolhida. Num episódio dramático, um adivinhador chamado Balaão descobre que é impossível frustrar os propósitos do Senhor nem interferir neles e que a feitiçaria não pode sobrepujar nem distorcer os desígnios do Deus Todo-Poderoso. A narrativa revela, ainda, que a autoridade de Deus não pode ser manipulada por nenhum governante terreno nem por meios materiais.
A história de Balaão também mostra que, apesar de Deus ser santo e perfeito, ele escolhe meios imperfeitos como um adivinhador estrangeiro e uma jumenta para realizar seus propósitos. “Pelo contrário, Deus escolheu as coisas loucas do mundo para envergonhar os sábios e escolheu as coisas fracas do mundo para envergonhar as fortes; e Deus escolheu as coisas humildes do mundo, e as desprezadas, e aquelas que não são, para reduzir a nada as que são” (ICo 1:27-28). Deus é soberano sobre toda a história; nenhum ser humano pode frustrar seus planos.
22:1-22 Balaque contrata Balaão para amaldiçoar Israel. Diante do que havia acontecido com seus vizinhos, o rei Balaque de Moabe percebeu que seria incapaz de conquistar os israelitas sem uma intervenção divina. Assim, em seu desespero, buscou uma força superior à do seu exército, convencido de que um adivinhador verdadeiramente poderoso seria capaz de amaldiçoar os israelitas e fazer algo que não estava ao alcance do mero poderio militar. Com essa ideia em mente, Balaque procura Balaão, um adivinha-dor profissional originário da região próxima ao Eufrates, a centenas de quilômetros de Moabe (22:2-7). O rei elabora cuidadosamente o seu pedido a Balaão e envia uma delegação de príncipes para se encontrar com o adivinhador e lhe oferecer um pagamento em prata e ouro.
Balaão se interessa pela oferta do rei, mas espera a orientação divina. 0 Senhor lhe diz que não acompanhe os mensageiros nem amaldiçoe os israelitas (22:8-12), e Balaão manda embora os mensageiros do rei. Aflito, Balaque envia uma delegação ainda mais poderosa e oferece mais dinheiro para persuadir Balaão a amaldiçoar o povo de Israel (22:15-17). Mais uma vez, Balaão se recusa a contrariar as ordens do Senhor: Ainda que Balaque me desse a sua casa cheia de prata e ouro, eu não podería traspassar o mandado do Senhor, meu Deus (22:18). Mas, ao que parece, apesar de suas belas palavras, o adivinhador é tentado pelo dinheiro e volta a pedir a orientação do Senhor, não obstante a instrução clara recebida anteriormente (22:19). Desta vez, o Senhor permite que ele acompanhe os enviados do rei, mas adverte: Farás somente o que eu te disser (22:20). Deus dá permissão a Balaão para acompanhar os mensageiros do rei, mas não permitirá que o adivinhador amaldiçoe Israel. Em vez disso, Balaão os abençoará.
O fato de Deus se irar com Balaão por ir ao encontro do rei Balaque depois de ter dado permissão ao adivinhador pode causar perplexidade (22:22). 0 que Balaão fez de errado? A resposta pode estar relacionada à decisão de Balaão de consultar Deus novamente (22:19), apesar de já haver recebido uma resposta (22:12). Balaão afirmou que estava consultando a Deus, mas, na verdade, talvez estivesse tentando negociar com ele a fim de adequar o plano de Deus à sua cobiça por dinheiro. Deus sabia que Balaão não estava buscando sinceramente sua vontade. Assim, não mudou de ideia quando permitiu a Balaão ir ao encontro de Balaque, mas permitiu que tudo acontecesse conforme havia decidido em seu coração.
22:23-41 Balaão, a jumenta e o anjo Apesar de Balaão ser um adivinhador que se comunica com Deus, o episódio registrado nessa passagem mostra que sua jumenta tem mais consciência da presença de Deus do que ele, pois o Senhor expressa seu desprazer cegando Balaão para as realidades espirituais.
A jumenta vê o Anjo do Senhor parado no caminho, com a sua espada desembainhada (22:23a). A palavra “anjo” significa “mensageiro” ou “aquele que é enviado”, mas, no AT, “o Anjo do Senhor” parece ser mais do que um simples mensageiro. Ver o próprio Deus teria provocado a morte, pois Deus dissera a Moisés: “Hão me poderás ver a face, porquanto homem nenhum verá a minha face e viverá” (Êx 33:20). Assim, quando Deus desejava aparecer a seres humanos, fazia-o representado por esse anjo. É possível que o Anjo do Senhor fosse uma forma de manifestação do próprio Deus. A aparição desse anjo é associada aos relatos bíblicos do nascimento de figuras importantes como Isaque (Gn 18:9-15), Sansão (Jz 13:3) e João Batista (Lc 1:11). O Anjo do Senhor também foi enviado como mensageiro; falou com Abraão antes da destruição de Sodoma e Gomorra (Gn 18:1) e com Moisés quando Deus o chamou para tirar o povo do Egito (Êx 3:2). Também é associado às guerras nas quais os israelitas lutaram, pois Deus prometeu: “Enviarei o Anjo adiante de ti; lançarei fora os cananeus, os amorreus, os heteus, os ferezeus, os heveus e os jebuseus” (Êx 33:2). 0 Anjo do Senhor aparece, ainda, no AT no contexto de julgamento, como quando Débora canta: “Amaldiçoai a Meroz, diz o Anjo do Senhor, amaldiçoai duramente os seus moradores, porque não vieram em socorro do Senhor, em socorro do Senhor e seus heróis” (Jz 5:23). 0 anjo que Balaão encontrou vem para julgar.
A jumenta vê o Anjo do Senhor e se recusa a prosseguir pelo caminho (22:236-27). Balaão espanca a jumenta até que esta recebe de Deus o poder de falar, o qual ela usa para informar que seu comportamento estranho não é injustificado (22:28-30). Então, Deus abre os olhos de Balaão, e ele vê o anjo; o adivinho é informado, então, que sua vida foi salva pela jumenta (22:31-33). A capacidade da jumenta de falar e a aparição do anjo nos lembram um fato importante: Deus pode usar qualquer meio que desejar para realizar seus propósitos de salvar e abençoar seu povo.
Aterrorizado com esse encontro com o Senhor, Balaão se dispõe a voltar para casa (22:34). Mas o anjo lhe diz que seguisse viagem, certificando-se, porém, de obedecer à vontade de Deus naquilo que dissesse (22:35). Ao chegar em Moabe, Balaão é recebido pelo rei e lembrado da recompensa que receberá se amaldiçoar Israel (22:36-37). Seguindo a ordem do anjo, o adivinhador responde: A palavra que Deus puser na minha boca, essa falarei (22:38).
Ao longo de todo esse episódio, Deus usa um homem de fora da comunidade de Israel como seu mensageiro. O mesmo acontece posteriormente, quando Ciro, rei da Pérsia (outro estrangeiro), é usado pelo Senhor para publicar um decreto libertando os israelitas do cativeiro na Babilônia e enviá-los de volta à sua terra para reconstruir o templo em Jerusalém (2Cron 36:22-23). Em sua sabedoria, Deus escolhe e usa quem lhe apraz para realizar seu plano, não obstante o sexo, a nacionalidade, a raça ou a condição social.

Mais: Números 1 Números 2 Números 3 Números 4 Números 5 Números 6 Números 7 Números 8 Números 9 Números 10 Números 11 Números 12 Números 13 Números 14 Números 15 Números 16 Números 17 Números 18 Números 19 Números 20 Números 21 Números 22 Números 23 Números 24 Números 25 Números 26 Números 27 Números 28 Números 29 Números 30 Números 31 Números 32 Números 33 Números 34 Números 35 Números 36

Nenhum comentário:

Postar um comentário