2016/10/14

Significado de Números 19

Significado de Números 19

Significado de Números 19


Números 19

19.1,2 — A expressão este é o estatuto da lei é de certa forma difícil de entender e inesperada. E possível que haja um problema textual com a palavra lei neste versículo. O assunto principal nesta passagem bíblica é o sacrifício da novilha vermelha. A interpretação do texto hebraico mais aceito das palavras que compõem o versículo 2 é: “esta é uma ordenança da novilha” (trocando hapara por hatora, um possível erro do copista). A novilha vermelha deveria ser sacrificada em um ritual especial fora do acampamento. Todas as coisas concernentes a este ritual eram incorrí uns. Geralmente, o animal sacrificado era macho; esta era fêmea. A menção à cor também não era comum. A cor não foi especificada para nenhum outro animal a ser sacrificado.
19.3 — A nomeação de Eleazar e Itamar foi uma consequência lógica do teste de verdadeiro sacerdócio da família de Arão no capítulo 17-Antes de seu pai morrer, Eleazar teve de iniciar suas atividades na proeminente função de sacerdote perante a congregação, a fim de garantir uma transição de liderança sacerdotal tranquila. Comumente, os animais eram sacrificados em cima ou perto do altar. Neste caso, o animal seria morto fora do acampamento.
19.4-8 — A queima total do animal era algo incomum, principalmente se este fosse carbonizado longe do altar. Itens simbólicos associados com a limpeza — madeira de cedro, hissopo e lã vermelha — eram então lançados ao fogo. Queimava-se tudo até virar cinza. Celebrar este ritual fazia com que o sacerdote e aqueles que o ajudaram ficassem impuros, tendo estes de tomar um banho e lavar suas roupas após o holocausto.
19.9,10 — As cinzas da novilha eram usadas em rituais sacrificais. Colocavam-se os resíduos na água e usava-se a mistura resultante em certos ritos de purificação. Aqui esse tipo de expiação é um símbolo visível do trabalho interior de Deus na purificação completa de uma pessoa ou de um objeto do pecado.
19.11-13 — As cinzas e a água tinham um sentido especial para aquele que tocava um cadáver humano. Novamente, a aspersão da água da purificação representava mais do que a limpeza física; significava uma submissão à purificação espiritual. Provavelmente, o contato com um corpo morto estava sujeito a esta forte sanção no antigo Israel devido ao que a morte representava: o resultado final de uma ofensa. A morte entrou no mundo por causa do pecado (Rm 5.12). A cessação da vida, então, é um terrível lembrete dos efeitos do pecado. Tocar em um corpo morto era fazer com que uma pessoa se tornasse cerimonialmente impura no que concerne à participação no ritual de adoração a Deus.
19.14-19 — Várias formas de morte e de impureza são listadas nestes versículos. Este trecho bíblico pode ter sido a resposta para as questões práticas feitas pelas pessoas. Por exemplo, se um homem morresse em uma tenda, os israelitas certamente precisariam saber o que fazer e qual era a extensão de sua impureza, e o que aconteceria se o indivíduo tocasse o cadáver de um homem no campo ou na sepultura.
19.20-22 — Aquele que não se purificava rejeitava a graça de Deus e, consequentemente, ficava sujeito à Sua ira. Estas questões eram tão sérias que aquele que aspergia a água da purificação em outrem também ficava impuro. Não se estabeleceram tais rituais para que a vida das pessoas ficasse mais difícil. Eles foram instituídos para instruir, graciosamente, os israelitas acerca da natureza da verdadeira santidade.



Nenhum comentário:

Postar um comentário