2017/11/22

CORAÇÃO — Significado em Grego e Hebraico

CORAÇÃO — Significado em Grego e Hebraico

CORAÇÃO — Significado em Grego e Hebraico

CORAÇÃO


Órgão corporal vital. No entanto, todas as premissas modernas relativas à circulação do sangue, às funções intelectuais e diretivas do cérebro e do sistema nervoso devem ser postas de lado ao considerar a linguagem fisiológica notavelmente consistente das Escrituras. “Coração” (hebraico לֵב (léb); grego καρδία (kardia)) ocorre aproximadamente 1000 vezes, muitas vezes disfarçado de tradução, e o alcance do significado é imenso.

Coração físico.
Que o bater do coração indica a vida parece implícita em 1 Samuel 25:37, 38 apesar do atraso na morte de Nabal; talvez “coração” signifique “diafragma” (2 Sm 18:14; 2 Rs 9:24). A comida e o vinho físicos afetam o coração (Jz 19: 5; Sl 104: 15; At 14:17), e o coração pode “desmaiar” e “tremer”. A posição do coração produz uma metáfora óbvia para “o centro” (Dt 4:11; Mt 12:40).

Coração psicológico.
O coração atende intelectualmente (por exemplo, Jr 12:11); Ele também percebe (Jn 12:40), entende (1 Rs 3:9), debate (Mc 2: 6), reflete (Lc 2:19), lembra (Lc 2, 51), pensa (Dt 8:17) , imagina (Lc 1, 51), é sábio (Ecl 1:17 KJV) ou louco (Ecl 9:3), tem habilidade técnica (Ex 28:3 KJV) e muito mais.

Emocionalmente, o coração experimenta uma alegria intoxicada (1 Sm 25:36), alegria (Is 30:29), alegria (Jo 16:22), tristeza (Ne 2: 2), angústia (Rm 9:2), amargura (Pv 14:10), ansiedade (1 Sm 4:13), desespero (Ecl 2:20), amor (2 Sm 14: 1), confiança (Salmos 112: 7), carinho (2 Cor 7:3), luxúria (Mt 5:28), insensibilidade (Mc 3:5), ódio (Lv 19:17), medo (Gn 42:28), ciúmes (Js 3:14), desejo (Rm 10: 1), desânimo (Nm 32:9), simpatia (Ex 23:9), raiva (Dt 19: 6 KJV), irresolução (2 Cr 13:7 KJV), e muito além disso.

Volicionalmente, o coração pode ser proposto (1 Cor 4: 5), inclinar-se para (1 Sm 14:7), disposto (2 Rs 12: 4, ver Pv 4:23), firme (At 11:23), voluntário (Ez 13:2 KJV), inventar o mal (Atos 5:4), ou seguir seu “tesouro” (Mt 6:21).

Moralmente, o coração pode ser gentil, humilde (Mt 11:29), santo (1 Tess. 3:13), fiel (Ne 9: 8), reto (Sl 97:11), puro, único (Tg 4:8) limpo (Atos 15: 9), amando a Deus (Mc 12:30) e outros (1 Pt 1:22), ou endurecido ou sensível (Ez 11:19). A ênfase das Escrituras cai sobre o mal do coração (Gn 6: 5 e por toda parte), como auto-enganador (Tg 1:26), enganador (Jr 17: 9), avaro (Mt 6, 19-21), lúcido (Mt 5:28), arrogante (9:9), impío (At 7:51), perverso (Sl 101: 4) e impenitente (Rm 2: 5). Nada contamina um homem, mas seu próprio coração (Mc 7:18, 19).

No entanto, como consciência, o coração pode ferir (1 Sm 24:5, cf. At 2:37). Além disso, do coração pode-se originar algo bom (Lc 6:45, 8:15). Mesmo quando frustrado pelas circunstâncias ou pelo medo, a boa intenção do coração permanece boa, sua má intenção, ruim (1 Rs 8:18, Mt 5, 28).

Sendo tão complexo, o coração do homem está tristemente dividido, e as Escrituras geralmente exaltam um coração perfeito, inteiro, verdadeiro (isto é, unido) (Gn 20: 5; At 8:37 mg; Sl 86:11). Pois o “coração” significa o eu interior total, o núcleo oculto de uma pessoa (1 Pd 3: 4), com o qual alguém comuna, que “derrama” em oração, palavras e ações (Gn 17:17; Sl 62:8; Mt 15:18, 19). É o eu genuíno, distinto da aparência, posição pública e presença física (1 Sm 16:7; 2 Cor 5:12; 1 Tes 2:17). E este “coração-eu” tem sua própria natureza, caráter, disposição, “do homem” ou “da besta” (Dn 7:4 KJV 4:16, Mt 12:33-37).

Coração religioso.
O coração é especialmente importante na religião bíblica. O mistério do eu escondido é plenamente conhecido por Deus e por Cristo (Jr 17:10, Lc 9:47, Rm 8,27 e por todo), e o coração é o lugar do nosso conhecimento de Deus (2 Co 4, 6). O estado de coração governa a visão de Deus (Mt 5, 8). Do coração fala-se a Deus (Sl 27: 8). O coração é o lugar da habitação divina (2 Co 1:22; Gl 4: 6; Ef 3:17).

Por outro lado, o mal moral no coração é visto na perspectiva bíblica como pecado contra Deus. Os corações sem sentido são escurecidos, muitas vezes secretamente idólatras, longe de Deus, “não está certo” diante de Deus (Dt 29:18, 19; Mt 15,8; At 8:21; Rm 1:21). No entanto, o Senhor não desprezará um coração quebrantado e contrito (Sl 51:17); se o coração de alguém é virado para Deus, ele promete torná-lo sensível às coisas divinas, renovado e purificado (Dt 4:29; 2 Rs 23:25; Sal 51:10; Jl 2:13; Ez 36: 25-27 ). A lei de Deus será então escrita no coração, como guia interior e incentivo (Jr 31:33; Hb 8:10, 2 Co 3: 2, 3).

Em termos cristãos, essa transformação envolve a crença no evangelho do “coração honesto e bom” que fornece um solo frutífero para a Palavra de Deus (Lc 8:15, Rm 10: 9). O coração verdadeiro aproxima-se de Deus, o ama com todo seu intelecto, sentimento e vontade (Lc 10:27; Hb 10:22). Então, Deus se torna ao coração força, recompensa, renovação, graça, paz e alegria (Sl 73:26; é 57:15; At 2:46; Fl 4: 7; Hb 13: 9). Assim, o antigo ideal torna-se possível novamente, o de ser “um homem segundo o próprio coração de Deus” (1 Sm 13:14; At 13:22).

O alto valor que a Escritura coloca sobre essa religião do coração não desencoraja a adoração corporativa e a oração, nem a união de corações individuais em comunhão espiritual (Jr 32:39; Ez 11:19; Atos 4:32). Mas é dirigido contra o legalismo externo, que julga de acordo com atos exteriores visíveis, em vez de disposições internas (Mt 5:21-48); contra a “dureza” sem coração das regulamentações prevalecentes relativas ao sábado, ao casamento, às obrigações religiosas (Mc 3:5; Mt 19, 8; 23:4); contra a hipocrisia e a auto-exibição que desmentiam o verdadeiro estado do coração (Êx 29:13, Jr 3:10, Mt 6:1-18).

Um pressuposto fundamental da Escritura é que o coração humano está constantemente aberto a influências de cima e de baixo. Deus “apodera-se dos corações [humanos]” (Ez 14:5), “inclina aos corações” para a sua verdade e maneiras (Sl 119:36), “colocar nos... corações para cumprir os seus propósitos”, tanto para julgamento quanto para a salvação (Ap 17:17). A alternativa à “possessão” divina é a influência demoníaca que pode arrastar o coração até o extremo mal (Jn 13:2; At 5:3). O mesmo coração que pode ser “enganador acima de todas as coisas e desesperadamente perverso” (Jr 17: 9) também pode se tornar o santuário do amor divino e do Espírito (Rm 5:5).

Na abertura ao infinito bem ou ao mal, as dimensões bíblicas do coração humano são reveladas.




Bibliografia
R. Bultmann, Theology of the NT, vol 1, pp 220–27; R. Jewett, Paul’s Anthropological Terms; A.R. Johnson, The Vitality of the Individual in the Thought of Ancient Israel; H.W. Wolf, Anthropology of the OT, pp 40–58. Elwell, W. A., & Beitzel, B. J. (1988). Baker Encyclopedia of the Bible. (p. 938). Grand Rapids, Mich.: Baker Book House.

4 comentários:

Unknown disse...

Esclarecedor !!!!!!!! 👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻👏🏻

Alex silva disse...

Um estudo muito completo. Obrigado por compartilhar

Unknown disse...

Que riqueza. Obrigada por disponibilizar este estudo.

Sem medo de Deus disse...

Deus é Pai

Postar um comentário