domingo, março 11, 2018

“A serpente era a mais astuta...” — Gênesis 3:1a

“A serpente era a mais astuta...”   — Gênesis 3:1a

     “A serpente era a mais astuta...” 

— Gênesis 3:1a

Gênesis 3:1a

A serpente... (nāḥāsh). A narrativa apresenta o sedutor como um dos animais, que era muito mais subtil que os outros. A palavra hebraica contém a ideia de astúcia excepcional. (A lenda rabínica diz que a serpente andava erguida.) Ele tinha o poder do discurso e conversava livremente com sua vítima. Ela era inteligente, insidiosa, esperta. A exegese posterior identificará a serpente com Satanás, ou o diabo. À luz das verdades das Escrituras posteriores, justificamos-nos a concluir que a serpente era um instrumento especialmente escolhido de Satanás para este teste. Em Ap 12:9, o tentador é chamado de “o grande dragão ... aquela velha serpente, chamada Diabo e Satanás” (Milton, Paradise Lost, Livro IX). A palavra nāḥāsh, que significa fazer um sibilo, sem dúvida se refere ao tipo de ser conhecido como serpente. Paulo declara que Satanás se modifica em “um anjo da luz” (II Cor 11:14). Ele escolheu o mais esperto, o mais sutil, o mais cauteloso dos animais e assumiu o controle total dele por seu trabalho desastroso. Jesus disse de Satanás: “Ele é um mentiroso, e o pai da mentira” (Jn 8:44, ASV, cf. Rm 16:20; II Cor 11: 3; Tim 2:14; Ap 20: 2).

O método de enganar da serpente empregada com Eva era distorcer o significado da proibição de Deus e, em seguida, sustentá-lo para ridicularizar em sua nova forma. O tentador fingiu surpresa que Deus deveria ser culpado de emitir tal comando. Então ele procurou quebrar a fé da mulher semeando em sua mente dúvidas, suspeitas e imagens falsas do Todo-Poderoso e Seus motivos. Foi uma tentativa deliberada de refletir sobre Deus. Quando a fé falha, o fundamento seguro da conduta moral colapsa. É apenas um pequeno passo da descrença para o pecado e a desgraça.




Fonte: Pfeiffer, C. F. (1962). The Wycliffe Bible Commentary: Old Testament (Gn 3:1). Chicago: Moody Press.