2018/05/17

Significado de “serpente” na Bíblia

SERPENTE. Uma grande variedade de cobras, venenosas e não venenosas, é comum na Palestina e nas terras próximas. Estes incluem a áspide ou cobra egípcia (Naja haje; hb. peṯen; gr. aspís), a víbora de chifre (Cerastes cornutus; hb. šep̱îp̱ōn), a víbora do tapete (Echis colorata; talvez o hb. ṣep̱a), o epha (Echis carinatus), a cobra-de-chicote (Coluber jugularis) e numerosas outras. O hb. nāḥāš e gr. óphis são termos gerais que não diferenciam espécies; os termos para répteis em geral (hb. zöḥeleṯ; gr. herpetón) são às vezes aplicados a cobras. O gr. échidna é um termo geral para cobras venenosas. O hb. ṣip̱‘ônî e ’ep̱‘eh podem ter sido aplicados a tipos particulares de cobras, mas que agora não são conhecidos. O hb. ‘aḵšûḇ (Sl 140:3 [MT 4]) deveria ser tomado como “aranha” em vez de “víbora” (KJV “cobra”).

Por causa do lugar particular que as cobras mantêm nas antigas crenças populares e na mitologia, duas palavras hebraicas são usadas para designar não apenas cobras, mas também criaturas celestes e mitológicas, tannîn (veja DRAGÃO) e śārāp̱ (ver SEPARPHIM). A associação de cobras com criaturas mitológicas, especificamente monstros do caos, em relação à criação do mundo nas literaturas de outros povos antigos do Oriente Próximo é ecoada no Antigo Testamento (por exemplo, Jó 26:13; ver LEVIATÃ, RAAB).

Significado de “Serpente” na Bíblia
Landow, George. Victorian Types, Victorian Shadows: Biblical Typology in Victorian Literature, Art, and Thought (Londres: Routledge & Kegan Paul, 1980).

Durante as jornadas dos israelitas através do deserto, Deus respondeu às suas reclamações em um ponto, enviando serpentes venenosas (“de fogo”) entre eles, o que matou muitas pessoas (Nm 21:5-6). A solução dada por Deus era uma serpente de bronze feita por Moisés, a qual os aflitos deviam contemplar. Assim como outros povos do antigo Oriente Próximo associavam cobras a divindades, especialmente no Egito, a serpente de bronze mais tarde veio a ser adorada como um ídolo e, portanto, teve que ser destruída (2Rs 18:4; cf. NEHUSHTAN).

O veneno é comumente referido como uma característica das cobras no Antigo Testamento, apesar de muitas cobras palestinas serem inofensivas. Essa compreensão das cobras como geralmente venenosas era a base para a associação forte e variada de cobras com o mal. Várias figuras de linguagem surgiram dessa associação, incluindo figuras sobre os efeitos da violência na sociedade (Sl 58:4 [MT 5]; 140:3 [MT 4]), todo tipo de perigo que uma pessoa pode encontrar (91:13), os efeitos do vinho (Pv 23:32), os inimigos violentos (Dt 32:33; Jr 8:17), as pessoas más (Mt 3:7), e do mal e da violência em geral (Is 14:29).

Mais estudos bíblicos:

Esse uso de cobras e seu veneno em figuras de linguagem para o mal culminou na personificação do mal na serpente, um tema recorrente na demonologia bíblica. É a cobra que traz a primeira tentação aos primeiros humanos (Gn 3; 2 Co 11:3). Por causa deste papel, a cobra é feita para rastejar no chão e torna-se um inimigo perpétuo da humanidade (Gn 3:14-15). Mais tarde, quando se fala da derrota escatológica do mal, a cobra da humanidade cai no pecado e se identifica com Satanás (Ap 12: 9; 20: 2; cf. Is 65:25). Essa identificação da cobra com Satanás, o supremo inimigo de Deus e da humanidade que deve ser destruída no final dos tempos, também se baseia na antiga associação de cobras com monstros primordiais do caos (cf. 27:1).


Fonte: Myers, A. C. (1987). The Eerdmans Bible Dictionary. Rev. ed. 1975. (p. 926). Grand Rapids, Mich.: Eerdmans.

Um comentário: