terça-feira, novembro 13, 2018

O Paralítico de Cafarnaum

Cura do Paralítico Lucas 5:17

Lucas narra um milagre marcante no ministério de Jesus, a cura do paralítico. Este milagre é significativo por cinco razões.

Primeiro, mostra que a autoridade de Jesus se estende até mesmo ao perdão dos pecados. Em segundo lugar, todo o caso é testemunhado pelos líderes judeus, os fariseus e os escribas. Eles fazem uma avaliação teológica instantânea e reconhecem que Jesus está fazendo afirmações únicas - afirmações que são blasfemas se não forem verdadeiras.

Terceiro, esta é a primeira vez que Deus vindica as reivindicações de Jesus durante o seu ministério. Mais tarde, o judaísmo ensinaria que Deus não ajuda pecadores ou mentirosos (t. Nedarim 41a), portanto, se Jesus não é quem ele diz ser, então este homem não deveria ir embora curado. O fato de o paralítico ir embora curado significa que algum tipo de poder transcendente operava através de Jesus. Mais tarde, Lucas revela o debate sobre o que ou quem é esse poder (11:14-23).

Em quarto lugar, o milagre retrata o que Jesus pode fazer pelas pessoas. O paralítico é estacionário e totalmente indefeso. Mas depois de sua cura, ele pode andar pela vida e louvar a Deus. Finalmente, o texto mostra a importância da fé. É a fé daqueles que levam o paralítico a Jesus que é destacado. Esse detalhe parece indicar que Deus nos honra quando procuramos levar outros ao Senhor.

Embora Marcos 2:1 mencione que este evento ocorre em Cafarnaum, Lucas simplesmente conta a história. A presença de fariseus e professores da lei mostra que a palavra sobre Jesus se espalhou para os altos escalões da fé judaica. Os fariseus eram um movimento separatista, leigo e não-sacerdote, cujo objetivo era manter a nação fiel a Deus. Seu nome é provavelmente uma transcrição de um termo aramaico que significa “separados” (Fitzmyer 1981:581). Para evitar violações da lei mosaica, eles desenvolveram um elaborado sistema de tradições para codificar a prática (Meyer 1974:11-48; Josefo, Antiguidades 13.5.9 §171; 13.10.5-6 §288-98; 17.2.4 §41– 45; 18.1.2 §11; Guerras Judaicas 2.8.14 §162-63). Eles desejavam “construir uma cerca ao redor da lei” para evitar que ela fosse violada (Pirqe ‘Abot 1:1).

Hendriksen, W., & Kistemaker, S. J. (1953-2001). Vol. 11: New Testament Commentary: Exposition of the Gospel According to Luke, p. 293, lemos:
No Evangelho de Lucas esta é a primeira referência aos fariseus, que são mencionados frequentemente em Mateus (começando com 3:7) e em Marcos (começando com 2:16). Eles eram uma seita relativamente pequena de separatistas. Eles se separaram não apenas da impureza cerimonial, dos pagãos, publicanos e “pecadores”, mas até mesmo das multidões judaicas indiferentes, a quem eles ridicularizavam como “as pessoas que não conhecem a lei” (João 7:49). Os escribas eram os homens que estudavam, ensinavam, interpretavam e transmitiam a lei mosaica; isto é, geralmente essa lei conforme explicada pela tradição. De fato, muitas vezes a lei real de Deus estava em seu ensino enterrado sob a tradição. Veja Mat. 15:6, e tome nota do exemplo interessante que é dado sobre essa prática maligna (15:1-5).
Os mestres da lei, também conhecidos como os escribas (v. 21), ajudaram a estudar questões legais e desenvolver a tradição (Jeremias 1964c:740-42; Rengstorf 1964:159). A palavra às vezes traduzida por “escribas” tem raízes no período pós-exílico para se referir a um erudito em questões da lei (Esdras 7:6, 11; Ne 8:1). Lucas revela que esses líderes vieram de lugares tão distantes quanto Jerusalém.

Utley, R. J. D. (2004). Vol. Volume 3A: The Gospel According to Luke, diz:
Isso parece ser paralelo aos “escribas” do v. 21. A maioria deles eram fariseus, mas não todos. Eles eram os especialistas em aplicar a lei oral e escrita às questões práticas da vida cotidiana. De certo modo, eles assumiram o papel dos levitas locais do AT. Esses “advogados bíblicos” tornaram-se os rabinos do judaísmo de hoje.
No meio de tais autoridades religiosas tradicionais, o poder de Deus repousa sobre Jesus. Ele tem o poder do Senhor... para curar os doentes. Lucas está fazendo um grande esforço para indicar que Jesus não exigiu o endosso oficial da hierarquia judaica. Sua comissão foi única, vindo diretamente de Deus, como o batismo havia deixado claro (ver 20:1–8).
Perdão dos Pecados e Blasfêmia

Plummer, A. (1896). A Critical and Exegetical Commentary on the Gospel According to S. Luke, p. 152, London: T&T Clark International:
δύναμις κυρίου ἦν εἰς τὸ ἰᾶσθαι αὐτὸν. “O poder de Jeová estava presente para Ele curar”; isto é, para Jesus empregar em milagres operantes de cura. Veja no 4:36 e comp. 1:35, 24:49; Atos 6:8. Daí milagres são frequentemente chamados de δυνάμεις ou resultados do poder de Deus. Trench, Sin. xci. O fracasso em ver que αὐτόν é o sujeito, não o objeto, de ἰᾶσθαι produziu a leitura corrompida αὐτούς (ACD e versões). Essa leitura corrompida produziu a interpretação errônea de Κυρίου como significando Cristo. Lc frequentemente chama a Cristo “o Senhor”; mas em tais casos, Κύριος sempre tem o artigo (7:13, 10:1, 11:39, 12:42, 13:15, 17:5, 6, 18:6, 9:8, 22:61). Κύριος sem o artigo significa Jeová (1:11, 2: 9, 4:18; Atos 5:19, 8:26, 39, 12:7). Este versículo nos mostra Jesus armado com poder divino e confrontado por um grande corpo de espiões e críticos hostis. O que se segue (VV 19, 26) prova que havia também uma multidão de curiosos espectadores, que não tinham se declarado para nenhum dos lados, como a multidão em volta de Elias e os profetas de Baal no Carmelo (1 Reis 18:21).
O paralítico vem em uma “esteira” (klinē, Lucas e Mateus) ou uma “paleta” (krabbaton, Marcos). Mas as multidões impedem o acesso, então os amigos devem escalar a escada ao lado da casa para se levantar no telhado, onde podem cortar o telhado e abaixar o homem na frente de Jesus. Desnecessário dizer que tal atividade é altamente distrativa. O homem acaba bem na frente de Jesus. Então agora o professor deve agir. O que ele fará?

Jesus faz uma surpresa. Sem dúvida, a multidão esperava uma cura, já que a reputação de Jesus já se espalhou por toda parte (4:40-44). Mas, em vez disso, Jesus fala sobre o pecado. E assim, novamente, um milagre se torna uma parábola. Desta vez, retrata a presença das forças destrutivas do pecado no mundo. Este homem é uma pintura dos efeitos da queda. Tal ligação não é surpreendente em um cenário judaico (1 Macabeus 9:54-56; 2 Macabeus 3:22-28; 3 Macabeus 2:21-22; João 9:2–3). Jesus afirma ter autoridade para reverter esses efeitos, então ele diz: “Amigo, seus pecados estão perdoados”. Esse tema é frequente em Lucas (5:29–32; 7:34, 36–50; 15:3–7 11–32; 18:10–14; 19:8–10; 23:40–43).

A observação provoca uma crítica teológica instantânea dos especialistas religiosos presentes. Eles começaram a pensar: “Quem é esse sujeito que fala blasfêmia? Quem pode perdoar pecados, senão Deus? “Os fariseus recebem notas altas por perceberem o significado teológico da declaração de Jesus. Eles veem as apostas corretamente. Eles entendem como é grande a afirmação de Jesus. A questão da blasfêmia se tornará uma preocupação central no julgamento de Jesus, quando Jesus reitera uma autoridade para si mesmo que a liderança questionará (22:67-71). Blasfemar era realizar uma ação que violava a majestade de Deus. Reivindicar uma prerrogativa que era apenas de Deus seria uma violação. Assim, a questão levantada pelo ato e sua proclamação é a autoridade pura e simples. Jesus implicou a mesma autoridade em Lucas 4:18. Aos seus próprios olhos, Jesus é mais que um professor de ética.

Parece provável que as reflexões dos fariseus sejam particulares, porque o texto continua a notar que Jesus sabia o que eles estavam pensando. Normalmente, quando Jesus está lendo os pensamentos de alguém, segue-se uma repreensão ou desafio. Tal é o caso aqui.

Jesus coloca um enigma: “O que é mais fácil, dizer: ‘Seus pecados estão perdoados’, ou dizer: ‘Levante-se e ande’?” Agora há ironia aqui. É mais fácil dizer que o pecado é perdoado, pois não se pode ver. Mas, na verdade, perdoar o pecado é a coisa mais difícil de fazer. Ainda assim, a cura de um homem coxo poderia ser corroborada visualmente; pode-se ver o seu sucesso imediatamente. As observações de Jesus, no entanto, ligam as duas ações. A cura revelará a autoridade para perdoar - e, no processo, levantará muitas dúvidas sobre quem é Jesus. Então Jesus diz: “Mas para que você saiba que o Filho do homem tem autoridade na terra para perdoar pecados... Eu te digo, levante-se, pegue seu tapete e vá para casa.” Esse momento no relato lembra a moderna expressão esportiva. “Hora da crise”. Ou o homem se levanta e caminha ou ele continua deitado lá. Ou a alegação de Jesus se cumpre, ou ele ficará totalmente envergonhado. Deus não ajuda os pecadores, então o que vai acontecer? Jesus colocou as apostas teológicas no evento. Deus irá vindicá-lo?

Este texto é importante por outro motivo.

É a primeira vez que Lucas usa a importante expressão “Filho do Homem”. Mais adiante neste Evangelho, está claro que ele está usando o termo como título. Em aramaico, essa frase era uma expressão que significava “alguém” ou servia como um modo indireto de se referir a si mesmo. Esteja ciente de que, neste ponto, o contexto do Antigo Testamento para esse termo ainda não foi revelado. Jesus fará isso mais tarde em seu ministério quando amarrar o título a imagens de Daniel 7:13–14. Todo filho do homem destinado à audiência aqui era “algum ser humano”. Mas, é claro, no momento em que Jesus perdoa e cura o paralítico, Filho do Homem se torna uma referência muito específica a ele, já que a autoridade que ele reivindica não é genérica para todos os humanos, mas é só dele.

Em suma, a alegação de Jesus de ter autoridade especial e de ser um ser humano único é a questão da passagem. A beleza do uso desse idioma por Jesus ao lado de sua ação é que isso permite que ele levante uma questão sobre sua identidade em termos que honram tanto sua autoridade única quanto sua humanidade. A alegação, no entanto, depende do que o paralítico faz nos próximos momentos.

Imediatamente ele se levantou na frente deles. A caminhada do homem significa que Deus falou! Como o primeiro paralítico louva a Deus, o assombro domina a multidão. Eles viram coisas notáveis. O termo grego usado aqui é paradoxa, uma palavra da qual obtemos nossa palavra “paradoxo”. Mas, em grego, o termo simplesmente se refere a eventos incomuns. Novamente, Lucas termina a passagem pedindo ao leitor implicitamente para refletir sobre o que aconteceu. O que aconteceu? O que foi reivindicado sobre o que aconteceu? Os eventos falam mais alto que palavras (7:18-23): o Filho do Homem tem autoridade para perdoar pecados.

Jesus acaba de pintar uma gravura que fala mais do que uma biblioteca cheia de livros sobre cristologia. Ele deu suporte às suas palavras com ação. Deus está reivindicando as reivindicações de Jesus. Na hora da crise, Jesus aplica sua autoridade com grande habilidade. À medida que o paralítico caminha, a questão se torna quem vai caminhar com ele e compartilhar o perdão que Jesus autorizou.



Bibliografia
Bock, D. L. (1994). Luke. The IVP New Testament Commentary Series (Lc 5:17). Downers Grove, Ill.:InterVarsity Press.
Hendriksen, W., Kistemaker, S. J. (1953-2001). Vol. 11: New Testament commentary: Exposition of the Gospel According to Luke. Grand Rapids: Baker Book House.
Utley, R. J. D. (2004). Vol. Volume 3A: The Gospel According to Luke. Study Guide Commentary Series (Lc 5:17). Marshall, Texas: Bible Lessons International.
Trench, New Testament Synonyms
Plummer, A. (1896). A Critical and Exegetical Commentary on the Gospel According to S. Luke. London: T&T Clark International.