quarta-feira, novembro 07, 2018

Pregação de Jesus aos Espíritos em Prisão

Significado da pregação aos espíritos em prisão

1 Pedro 3:19 é considerado uma das partes mais enigmáticas do Novo Testamento. Sua afirmação central é que Cristo foi e pregou para os espíritos em prisão, o que geralmente são identificados como aqueles que desobedeceram a Deus há muito tempo nos dias de Noé.

Este é um problema real para o expositor, ou o leitor comum da Bíblia. É uma boa regra que as igrejas não sejam apresentadas a uma variedade de interpretações, o que pode causar confusão entre os irmãos, principalmente novos convertidos. Essa passagem está aberta a diferentes interpretações, e não é fácil explicá-las ou mostrar por que uma visão é preferível a outra. O caminho mais sábio é admitir que os detalhes da passagem são fortemente contestados, apresentar uma visão (ou no máximo duas) e evitar fazer quaisquer afirmações que tenham base duvidosa.

Começarei por declarar as três principais interpretações da passagem e depois compará-las em detalhes. Embora a visão designada como 1b pareça-me a mais provável, reconheço que qualquer conclusão deve ser provisória.

1. Cristo foi ao lugar onde os poderes sobrenaturais desobedientes são aprisionados. Isto é usado para referir-se a uma jornada (a) “abaixo” até o Hades antes de sua ressurreição ou (b) “acima” para uma prisão nos céus após sua ressurreição. Em ambos os lugares, Cristo proclamou a eles sua vitória e o julgamento de Deus. Nesta visão, o incidente é mencionado principalmente para assegurar aos leitores que Cristo é superior a todos os poderes e que os crentes não precisam temê-los.

2. Cristo foi ao Hades (como na interpretação 1a) e pregou aos espíritos das pessoas que foram desobedientes nos dias de Noé. Para alguns comentaristas (a) isso foi simplesmente um anúncio de vitória e julgamento (como na visão 1); para outros, (b) foi uma proclamação do evangelho, dando-lhes uma “segunda chance” em seu estado pós-morte.

3. Cristo entrou em Noé e através dele pregou para aqueles que foram desobedientes durante a construção da arca. Ele pregou a necessidade de arrependimento, mas o povo se recusou a ouvir (somente a família de Noé foi salva). Eles pereceram no dilúvio e seus espíritos estão agora em uma prisão. Assim, Cristo em Noé é um exemplo e encorajamento para os leitores de Pedro para pregar o evangelho sem medo.

Podemos agora abordar as principais questões levantadas pela passagem:

Quando Cristo foi pregar aos Espíritos?

A visão mais comumente aceita é que o evento descrito nesta passagem ocorreu no momento da morte e ressurreição de Cristo. Ele realizou a tarefa no Espírito antes de finalmente entrar no céu (3:22). Existem, no entanto, duas possibilidades. A interpretação mais antiga (visões 1a e 2) postula que entre a Sexta-Feira Santa e o Domingo de Páscoa, Cristo desceu à morada temporária dos mortos (Hades, não o inferno), onde espíritos desobedientes são aprisionados, para fazer sua proclamação. A interpretação mais recente (ver 1b) é que Pedro está se referindo a uma visita feita por Jesus depois de sua ressurreição em conexão com sua ascensão à destra de Deus no céu. Cristo visitou a prisão de espíritos desobedientes que se situa nos céus.

Contra esta visão está a sugestão (visão 3) de que a passagem se refere à pregação de Cristo em e através de Noé para os contemporâneos deste último. O espírito de Cristo foi ativo em Noé, como foi nos profetas (1 Pedro 1:11), e capacitou-o para ser um pregador de justiça (2 Pedro 2:5). Uma decisão final entre essas visões pode ser feita apenas à luz de outros detalhes na passagem. A visão 3 tem a seu favor o paralelo dos leitores de Cristo/Noé e de Pedro como pregadores destemidos a audiências hostis. Também preserva a continuidade entre as referências ao dilúvio e ao batismo. 2 Coríntios 13:3 demonstra que a ideia de Cristo falando em alguém não é impossível.

A visão 3 enfrenta dificuldades insuperáveis. A passagem refere-se mais naturalmente a um incidente que ocorreu depois que Cristo foi vivificado. O espírito de Cristo inspirando os profetas não é a mesma coisa que o próprio Cristo agindo em Noé, e não há outros paralelos a Cristo habitando temporariamente os personagens do Antigo Testamento. Acima de tudo, essa visão requer uma dupla reinterpretação do versículo 19. Depois de ter lido uma vez em termos dos espíritos e de Cristo, os leitores devem reinterpretar os espíritos na prisão como as pessoas nos dias de Noé e Cristo como “ele”, na pessoa de Noé. A maior fraqueza dessa visão é que Noé não é mencionado como aquele por quem Cristo pregou.

Aonde foi Cristo Pregar aos Espíritos?

Se devemos decidir entre as visões 1a e 1b, várias considerações são relevantes. Em 1a: A crença de que a morada dos mortos está sob a terra é encontrada no Antigo Testamento, que fala de descer ao Sheol (Sl 30: 3; Is 14:15; compare Lc 10:15), e em Apocalipse 20:1–3, onde a prisão de Satanás está no abismo. É dito que Jesus esteve no Hades (Mt 12:40; Atos 2:27, 31), mas não é dito que ele pregou lá (Mt 16:18; Rm 10:7; Ef 4:8–10; e Ap 1:18 deve ser entendido de outra forma). Nesta visão, o espírito de Jesus estava ativo enquanto estava separado de seu corpo.

Em 1b: Os judeus acreditavam que havia vários níveis ou divisões no céu, uma visão compartilhada por Paulo, que relata como “um homem em Cristo” subiu ao terceiro céu (2 Coríntios 12:2). Alguns escritos judaicos localizam o lugar onde os poderes malignos são mantidos em sujeição até o julgamento final em uma dessas divisões do céu. Podemos observar como o próprio Satanás está no céu até que ele seja jogado na terra (Ap 12:7). Portanto, é possível que a referência aqui seja a uma visita feita pelo Jesus ressuscitado a uma prisão no céu. Havia uma história de que Enoque visitou vários céus.

Marshall, I. H. (1991). em 1 Peter. The IVP New Testament Commentary Series, Downers Grove, Ill.: InterVarsity Press, nos diz:
A maioria das tentativas de corrigir o texto do Novo Testamento sem evidência textual é melhor esquecida. Talvez devêssemos simplesmente esquecer a conjectura de que após a conjunção (en hoi kai) a palavra “Enoque” foi retirada do texto. Nesta visão, não foi Cristo, mas Enoque que visitou os espíritos na prisão. A conjectura é desnecessária e errada, mas ainda assim interessante porque nos aponta para o pano de fundo do pensamento no versículo. No primeiro século, existiam várias lendas sobre o patriarca Enoque, cuja notável partida do mundo (Gênesis 5:24) foi o estímulo para sugerir que ele viajou para lugares visitados por nenhum outro homem. Em Enoque, muitos são feitos dos “filhos de Deus” de Gn 6:1–4 como seres angélicos caídos que pecaram com a humanidade. Esses “Vigilantes” foram, portanto, condenados à prisão: “Ligue-os por setenta gerações, embaixo das rochas do solo, até o dia do julgamento deles e da consumação deles, até que o julgamento eterno seja concluído. Naqueles dias, eles os conduzirão ao fundo do fogo - e em tormento - na prisão [onde] serão trancados para sempre. (I Enoque 10:12–13)
As ideias de que os espíritos foram aprisionados abaixo ou acima eram ambas correntes no judaísmo. Saliento que o texto não diz nada sobre a descida de Cristo e que o evento ocorreu depois que ele ressuscitou. A morada dos mortos para qual Cristo foi (como no Credo Niceno) não deve ser confundida com a prisão dos espíritos. Se tivermos que escolher entre essas duas possibilidades, a segunda tem a melhor chance de estar correta.

Sobre a ideia de que a “descida” de Cristo se refere a uma região inferior, debaixo dos nossos pés,  Jobes, K. H. (2005), em 1 Peter. Baker Exegetical Commentary on the New Testament, p. 243, Grand Rapids, MI: Baker Academic, comenta:
Essa declaração [ou seja, de 1 Pedro 3:19-20] levanta as questões de onde Cristo foi, quem eram os “espíritos na prisão” e o que ele lhes disse. Embora o Credo dos Apóstolos preserve a tradição da igreja referindo-se à “descendência” de Cristo, o verbo no texto não é notavelmente καταβαίνω (katabainō, descer) mas o verbo mais geral πορεύομαι (poreuomai), que significa simplesmente “ir”. Pode ainda ser legítimo entender a descida de Cristo como uma descida se o próprio texto localizar a “prisão” abaixo, mas isso não acontece. Na ausência de conhecimento prévio contemporâneo de 1 Pedro, a igreja ocidental usou seu próprio entendimento tradicional do inferno como localizado abaixo e inferiu que o “ir” seria uma descida. Deve-se notar, no entanto, que nenhum dos títulos usados ​​na época para descrever o local dos mortos - Hades, Tártaro, Sheol - são encontrados neste texto. Além disso, o lugar das pessoas mortas não é em outro lugar no NT referido com a palavra “prisão” (φυλακῇ, phylakē). (Colchetes meu)

Para quem Cristo foi Pregar?

Novamente temos que lidar com as três diferentes interpretações:

1. Os espíritos são seres sobrenaturais malignos. A palavra “espíritos” pode certamente ser usada neste sentido, tanto de anjos (Hb 1:14; 12: 9; Atos 23:8 9) como de seres maus (Mc 1:23; Lc 10:20; At 19:15-16). A história dos “anjos caídos” que seduziram a humanidade nos dias que antecederam o dilúvio (Gn 6:1–4) era muito popular nos tempos do Novo Testamento. Além disso, a história de serem mantidos na prisão até o dia do julgamento era também bem conhecida (2 Pedro 2:4; Judas 6).

2. Cristo pregou aos espíritos dos mortos, mantidos na morada dos mortos até o juízo final. Mais comumente falamos das “almas” dos mortos, mas a palavra “espírito” pode ser usada nesse sentido (Nm 16:22; 27:16; Hb 12:23). O pensamento de que eles estão na prisão é encontrado nos primeiros escritos cristãos. Porque os contemporâneos de Noé, que desprezavam a Deus, eram proverbiais para a maldade extrema, podemos prontamente entender que eles representam os ímpios em geral.

3. Se Cristo pregou na pessoa de Noé, então os espíritos na prisão descrevem os seres humanos que foram desobedientes durante a construção da arca.

Vamos agora avaliar essas diferentes interpretações:

Em favor da visão 2, alguns estudiosos observam que, quando os autores do Novo Testamento usam a palavra “espíritos” para denotar espíritos de pessoas mortas, ela é sempre qualificada de modo a deixar isso claro. Eles então alegam que a descrição no versículo 20 da desobediência dos espíritos a quem Cristo pregou se encaixa em seres humanos, e não seres sobrenaturais.

Não há, é claro, nenhuma disputa que a humanidade tenha pecado no tempo do dilúvio. O período imediatamente anterior ao dilúvio tornou-se proverbial no judaísmo por descrença e indiferença a Deus (Lc 17:26-27). A maldade daqueles que se opunham a Deus era vista como ainda mais culpada, porque este foi o tempo em que Deus esperou pacientemente que os pecadores se arrependessem e através de Noé proclamou a justiça para eles (2 Pedro 2:5).

A construção da arca por Noé deveria tê-los feito voltar-se para Deus. Ali estava um sinal notável, um homem ajudado por alguns membros de sua família construindo um vasto barco em terra firme, longe do mar, porque ele havia sido avisado sobre uma inundação que se aproximava, mas eles não prestaram atenção ao aviso. “Desobedecer” é essencialmente o mesmo que “desacreditar”. No final, apenas oito pessoas entraram na arca e foram libertadas do dilúvio. Impossível ser encontrado um indicador mais potente de como deliberadamente os contemporâneos de Noé se afastaram de Deus.

Os espíritos em prisão são os diluvianos?

Contudo, não é certo que o versículo 20 implique que Deus estava esperando pacientemente que os espíritos dessas pessoas desobedientes se arrependessem. Na última parte do versículo, o foco muda para os seres humanos que realmente foram salvos. Os espíritos podem ser considerados mais como impedindo que outros seres humanos respondessem à paciência de Deus. Os espíritos não são inequivocamente identificados como seres humanos.

A obra The Pulpit Commentary: 1 Peter. 2004 (H. D. M. Spence-Jones, Ed.), p. 134, diz:
A pregação e a condição dos ouvintes são mencionadas juntas; eles eram espíritos quando ouviram a pregação. Parece impossível entender essas palavras de pregação através de Noé ou dos apóstolos aos homens que passaram depois para o estado de espíritos desencarnados. E ele pregou no espírito. As palavras parecem limitar a pregação ao tempo em que a alma do Senhor foi deixada no Hades (Atos 2:27). Huther, de fato, diz que “como ambas as expressões (θανατωθείς e ζωοποιηθείς) se aplicam a Cristo em toda a sua Pessoa, condição de corpo e alma, o que se segue não deve ser concebido como uma atividade que ele exerceu somente em seu espírito e corpo.”
Além disso, é sem precedentes falar dos espíritos dos mortos sendo mantidos na prisão. Também pode ser significativo que quando Pedro fala das oito pessoas sendo salvas, ele usa a palavra psychē ao invés de pneuma. Há também fortes argumentos contra a visão 3. Primeiro, não está claro por que Pedro descreveria os espíritos humanos de forma tão incomum, em termos de sua prisão atual, em vez de perecer no dilúvio.

Um segundo ponto é que o leitor é obrigado a interpretar os espíritos como “os seres que são agora espíritos, mas eram homens e mulheres”. Os defensores dessa visão insistem que o mesmo fenômeno ocorre em 4:6, onde o evangelho foi pregado também aos mortos - isto é, “a pessoas que agora estão mortas, mas que então estavam vivas.” Uma réplica suficiente deste paralelo, entretanto, é apontar que o uso estranho dos mortos ali é necessário pela referência em 4:5. Pedro está preocupado com a forma como as pessoas agora mortas serão julgadas, seja pelos padrões humanos ou divinos. Os dois casos não são paralelos.

Segue-se que a visão 1 é a menos difícil. Corresponde à referência de Pedro aos poderes do mal em 3:22. Anjos, autoridades e poderes estão por sua conta, se não relacionados aos espíritos.

O que Cristo pregou aos espíritos?

Os defensores das visões 2b e 3 notam que o verbo grego é normalmente usado para pregar o evangelho. Alguns defensores da visão 2b argumentaram que Cristo pregou o evangelho para as almas da geração da inundação, dando-lhes, na verdade, uma segunda chance de arrependimento. Aqueles que adotam essa visão tendem então a argumentar que esse grupo de mortos representa todos os mortos (com base no princípio de que, se até mesmo os piores pecadores recebem uma segunda chance, o mesmo ocorre com os demais mortos). Embora este versículo não diga nada sobre o resultado da pregação, alguns sugerem que todos os que obtiverem essa segunda chance responderão a ela e serão salvos. Eles corroboram essa conclusão com 4:6, que eles interpretam como significando que o evangelho foi pregado aos mortos para que pudessem “viver no espírito” - isto é, “ser salvo”.

Existem várias objeções a essa visão universalista. Certamente não é uma interpretação necessária da passagem. O verbo “pregar” não pode significar mais do que “fazer proclamação” (Ap 5:2; compare João 1:2; 3:2, 4), em contraste com o verbo “pregar o evangelho” em 4:6. Além disso, 4:6 é mais plausivelmente interpretado de outra forma. Acima de tudo, não está claro qual seria o objetivo da declaração, a menos que seja para dizer que assim como Cristo pregou o evangelho ao pior dos pecadores, os cristãos devem estar preparados para testemunhar aos seus perseguidores (apoiando 3:15).

Muito mais provável é a visão de que Cristo fez proclamação aos poderes do mal, anunciando sua vitória na cruz e confirmando sua derrota. Eles estão agora sujeitos a ele (3:22) e aqueles que são perseguidos não precisam ter medo dos poderes espirituais malignos que inspiram seus perseguidores. Cristo é o Senhor! Aleluia!

Se interpretarmos a passagem dessa maneira (ver 1b), vemos que Pedro pretendia apresentar Cristo como um exemplo de sofrimento por fazer o bem, para mostrar como sua morte leva os crentes a Deus, para enfatizar o fato de que, embora Cristo tenha morrido, ele foi trazido à vida (como os crentes serão), para enfatizar como Cristo proclamou seu triunfo aos espíritos que corromperam o povo no tempo de Noé, e para enfatizar que Cristo, agora entronizado ao lado de Deus, é superior a todos os poderes sobrenaturais. Consequentemente, os cristãos podem confiantemente resistir à hostilidade e dar um testemunho corajoso (4:1-6), sabendo que serão justificados como Cristo foi.

O Símbolo e a Realidade

Antes de prosseguir com a exposição da passagem, devemos fazer uma pausa para perguntar sobre o significado daquilo que descobrimos. O que exatamente Pedro está fazendo aqui? Ele sabe que Cristo fez algo durante o período de sua morte e ressurreição, mas como Pedro veio a conhecê-lo e expressá-lo dessa maneira?

Alguns dizem que Pedro expressou seu ponto de vista na linguagem mitológica. Ele está escrevendo sobre uma esfera da qual ele não tinha conhecimento direto; portanto, ele teve que usar imagens existentes para transmitir seu significado a seus leitores. Notamos que o que Pedro diz sobre Cristo, de certa forma, é semelhante ao que a tradição judaica disse sobre Enoque, de modo que Enoque é o tipo ao qual Cristo é o antítipo. Pedro parece ter expressado o significado da morte e ressurreição de Jesus usando imagens e linguagem extraídas da história de Enoque para retratar dramaticamente a vitória de Cristo sobre os poderes do mal. Essa maneira de apresentar as coisas pode ter chegado a Pedro, seja por revelação direta ou por meditação sobre os materiais bíblicos e extracanônicos disponíveis.

Achtemeier, P. J., e Epp, E. J. (1996) em 1 Peter: A Commentary on First Peter. Hermeneia - A Critical and Historical Commentary on the Bible, p. 253, lemos sobre a referência mencionada no início de nosso artigo sobre Enoque como pano de fundo:
Com base no fato de que no manuscrito original desta epístola, as primeiras letras do v. 19 teriam lido: ΕΝΩΚΑΙΤΟΙΣΕΝΦΥΛΑΚΗ, com as primeiras quatro letras (ΕΝΩΚ) muito parecidas com o nome Enoque (ΕΝΩΚ), algumas conjeturaram que o nome Enoque originalmente estava no texto (ΕΝΩΧΚΑΙΤΟΙΣΕΝΦΥΛΑΚΗ), com a letra Χ mais tarde omitida através da haplografia com o seguinte Κ. Alternativamente, como ἐν ῷ é “caracteristicamente petrino”, Rendel Harris sugeriu que a frase original continha ἐν ῷ e Ἐνώχ (ΕΝΩΚΑΙΕΝΩΧΤΟΙΣΕΝΦΥΛΑΚΗ) com todo o nome Ἐνώχ mais tarde omitido, novamente através da haplografia. Com Enoque sendo o sujeito do verbo ἐκήρυξεν no v. 19, ἐν ῷ assim se torna uma introdução (desajeitada) para a nova sentença (cf. 4:4) sem implicar um antecedente, ao pronome relativo. (J. Rendel Harris, “Uma nota adicional sobre o uso de Enoque em I Pedro”, Expositor, série 6, 4 (1901) 348-49.) Esta proposta de emenda do texto pode ter sido publicada já em 1763, mas apareceu em 1772, quando W. Bowyer publicou sua edição do Testamento grego em Londres...
Isso foi também sugerido independentemente pelo estudioso holandês Cramer em 1891,162, onde a emenda foi aceita por vários eruditos, 163 incluindo James Moffatt, que a adotou em sua tradução de 1 Pedro 3:19 (“Foi no Espírito que Enoque também foi...”). De qualquer forma, é claro, caso Pedro tenha usado os mitos relativos a Enoque, o Espírito de Deus estava ativo no processo, seja concedendo conhecimento direto ou trabalhando de forma concursiva com os processos mentais do autor. A interpretação pode ter sido expressa aqui usando conceitos tirados da mitologia, mas é, no entanto, a verdadeira interpretação dos efeitos da obra de Cristo no reino espiritual.

Como Devemos Entender o que Pedro Diz? 

Como vimos, existem duas interpretações diferentes de onde Cristo visitou, em algum lugar “abaixo” da terra ou em algum lugar “acima” no céu. Ambas as direções devem certamente ser entendidas metaforicamente. Estamos falando sobre espíritos em qualquer caso, e eles não podem ser localizados no centro da terra mais do que Deus pode ser localizado em um céu acima do céu. Talvez isso não importe se não tivermos certeza de onde Cristo foi. De qualquer maneira, Pedro quer dizer que o poder de Deus restringiu os poderes do mal, que esse poder foi expresso na morte e ressurreição de Jesus e que, por causa da onipotência de Deus, os cristãos não precisam ter medo da perseguição ou dos poderes malignos que a promovem.


Bibliografia
The Pulpit Commentary: 1 Peter. 2004 (H. D. M. Spence-Jones, Ed.). Bellingham, WA: Logos Research Systems, Inc.
Marshall, I. H. (1991). 1 Peter. The IVP New Testament commentary series. Downers Grove, Ill.: InterVarsity Press.
Jobes, K. H. (2005). 1 Peter. Baker exegetical commentary on the New Testament. Grand Rapids, MI: Baker Academic.
Achtemeier, P. J., & Epp, E. J. (1996). 1 Peter: A commentary on First Peter. Hermeneia--a critical and historical commentary on the Bible. Minneapolis, Minn.: Fortress Press.