2020/06/18

Gênesis 1 — Comentário Protestante

Gênesis 1 — Comentário Protestante


Gênesis 1 — Comentário Protestante

Gênesis 1:1

A SEMANA CRIATIVA (Gn 1:1 a Gn 2:3).

(1) No começo. - Não, como em João 1:1, “desde a eternidade”, mas no começo desse sistema sideral, do qual nosso sol, com seus planetas correspondentes, faz parte. Como nunca houve um tempo em que Deus não existia, e como a atividade é uma parte essencial de Seu ser (Jo 5:17), assim, provavelmente, nunca houve um tempo em que mundos não existiam; e no processo de chamá-los à existência quando e como Ele quisesse, podemos muito bem acreditar que Deus agiu de acordo com o funcionamento de alguma lei universal, da qual Ele próprio é o autor. Era natural para São João, ao colocar as mesmas palavras no início de seu Evangelho, levar de volta nossas mentes a um “começo” mais absoluto concebível, quando a obra da criação ainda não havia começado e quando em todo o universo existia. era apenas Deus.

Deus. - Heb., Elohim. Uma palavra plural na forma, mas unida a um verbo singular, exceto quando se refere aos falsos deuses dos pagãos; nesse caso, leva um verbo plural. Seu significado raiz é força, poder; e a forma Elohim não deve ser considerada como pluralis majestatis, mas como corporificação do esforço do pensamento humano primitivo em sentir-se após a Deidade e em chegar à conclusão de que a Deidade era Una. Assim, no nome Elohim, incluiu em uma Pessoa todos os poderes, poderes e influências pelas quais o mundo foi criado pela primeira vez e agora é governado e mantido. Nos Vedas, nos hinos recuperados para nós pela decifração das inscrições cuneiformes, sejam acadianas ou semíticas, e em todas as outras poesias religiosas antigas, encontramos esses poderes atribuídos a diferentes seres; somente na Bíblia Elohim é um. Os cristãos também podem ver nisso um prenúncio da pluralidade de pessoas na Trindade Divina; mas sua lição principal é que, por mais diversa que possa parecer a operação dos poderes da natureza, o Trabalhador é um e Seu trabalho é um.

Criada. - A criação, em seu sentido estrito de produzir algo do nada, contém uma ideia tão nobre e elevada que a linguagem humana naturalmente só poderia gradualmente se elevar a ela. É bem possível, portanto, que a palavra bârâ, “ele criou”, possa originalmente significar cortar madeira ou derrubar madeira; mas, na verdade, é uma palavra rara, empregada principalmente ou inteiramente em conexão com a atividade de Deus. Como, além disso, “o céu e a terra” podem significar apenas a totalidade de todas as coisas existentes, a ideia de criá-las do nada está contida na própria forma da frase. Mesmo no Gn 1:21; 27, onde a palavra pode significar algo menos que criação ex nihilo, há, no entanto, uma passagem da matéria inerte para animar a vida, para a qual a ciência não conhece força, processo ou energia capaz de sua realização.

O céu e a terra. - A frase normal na Bíblia para o universo (Deu 32:1; Sl 148:13; Isa 2). Para o hebraico, isso consistia em nosso único planeta e na atmosfera ao seu redor, na qual ele contemplava o sol, a lua e as estrelas. Mas é uma das qualidades mais do que humanas da linguagem das Sagradas Escrituras que, apesar de escrita por homens cujo conhecimento estava de acordo com seu tempo, ela não contradiz o aumento do conhecimento de outros tempos. Contemporâneo com a criação da Terra foi o chamado à existência, não apenas talvez do nosso sistema solar, mas daquele universo sideral do qual formamos uma parte tão pequena; mas naturalmente na Bíblia nossa atenção se limita àquilo que se refere principalmente a nós mesmos. 

 

Genesis 1:1-2:3

EXCURSO B: SOBRE OS NOMES ELOHIM E JEOVÁ-ELOHIM.

Durante o primeiro relato da criação (Gênesis 1:1 a Gênesis 2:3), a Deidade é simplesmente chamada Elohim. Essa palavra é estritamente um plural de Eloá, que é usado como o nome de Deus apenas em poesia, ou em livros posteriores como os de Neemias e Daniel. Existe um aramaísmo, Deus em siríaco sendo Aloho, em Ohaldee Ellah e em Allahu árabe - todos eles são meramente variedades dialéticas do hebraico Eloah, e são usados ​​constantemente no número singular. Na poesia, Eloá às vezes é empregado com grande ênfase, como, por exemplo, em Sl 18:31:“Quem é Eloá, exceto Jeová?” Mas enquanto assim as dialetas irmãs usavam o singular tanto em poesia quanto em prosa, os hebreus usavam o plural Elohim como o nome comum de Deus, a diferença é que para um Deus era simplesmente poder, força (o significado raiz de Eloá); para o outro, Ele era a união de todos os poderes, o Todo-Poderoso. O plural intensificou assim a ideia da majestade e grandeza de Deus; mas, além disso, era o germe da doutrina de uma pluralidade de pessoas na unidade divina.

Na segunda narrativa (Gênesis 2:4 a Gênesis 3:24), que é um relato da queda do homem, com apenas o assunto introdutório sobre a criação necessário para completar a história, a Deidade é chamada de Jeová-Elohim. A ortografia da palavra Jeová é discutível, pois apenas as consoantes (J, h, v, h) são certas, sendo as vogais as da palavra Adonai (Senhor) substituídas pelos judeus ao lê-la na sinagoga, o a primeira vogal é um mero pedido de desculpas por um som e pronuncia a ou ou, de acordo com a natureza da consoante à qual está ligada. Geralmente, é representado agora por uma respiração leve, assim - Yhová, donai. No que diz respeito à ortografia, Ewald, Gesenius e outros argumentam a favor de Javé; Fürst para Yehveh, ou Yeheveh; e Stier, Meyer, & c, para Yehová. O primeiro tem a analogia de vários outros nomes próprios a seu favor; o segundo a autoridade de Êx 3:14; o último, esses numerosos nomes como Yehoshaphat, onde a palavra está escrita Yeho. No final dos nomes próprios, a forma que assume é Yahu, de onde também Yah. Também devemos notar que a primeira consoante é realmente y; mas, dois ou três séculos atrás, j parece ter o som que damos a você agora, como ainda é o caso em alemão.

Mas isso não é uma questão de mera pronúncia; há uma diferença de significado também. Javé significa “Aquele que traz à existência”; Yehveh “Aquele que será, ou se tornará;” o que Jeová pode significar não sei. Devemos notar ainda que o nome é indubitavelmente anterior ao tempo de Moisés. Na data do Êxodo, o v do verbo havia sido alterado para y. Assim, em Êx 3.14, o nome de Deus é Ehyeh:“Eu me tornarei”, não Ehveh. Se o nome, portanto, tivesse surgido nos dias de Moisés, teria sido Yahyeh, Yehyeh ou Yehoyah, não Yahveh, etc.

O próximo fato é que a união desses dois nomes - Jeová-Elohim - é muito incomum. Nesta narrativa curta, ocorre vinte vezes, no restante do Pentateuco, apenas uma vez (Êx 9:30); em todo o restante da Bíblia cerca de nove vezes. Além disso, em Sl 1:1, existe a forma inversa, Elohim-Jeová. Portanto, deve haver alguma razão pela qual nesta narrativa essa junção peculiar dos dois nomes é tão predominante.

A resposta usual é que nesta seção Deus aparece em aliança com o homem, enquanto em Gênesis 1:1 a Gênesis 2:3 Ele era o Criador, o Deus da natureza e não da graça, tendo, de fato, uma relação mais próxima com o homem, como sendo a mais perfeita de Suas criaturas (Gn 1:26), mas uma relação diferente apenas em grau e não em espécie. Isso é verdade, mas insuficiente; nem explica como Jeová se tornou o nome da aliança de Deus e Elohim Seu título genérico. Qualquer que seja a resposta certa, devemos esperar encontrá-la na própria narrativa. Os fatos são tão notáveis ​​e a conexão do nome Jeová com esta seção é tão íntima que, se as Escrituras Sagradas quiserem dar o consentimento de nossa razão, devemos esperar encontrar a explicação de tais peculiaridades na seção em que elas ocorrem.

O que, então, encontramos? Nós encontramos isso. A primeira seção nos mostra a história da formação do homem, com o veredicto solene de que ele era muito bom. A natureza sem homem era simplesmente boa; com o homem, a criação alcançou seu objetivo. Nesta, na seção seguinte, o homem deixa de ser muito bom. Ele é representado nela como objeto dos cuidados especiais de seu Criador e, acima de tudo, como alguém que se submete à lei. As criaturas inferiores trabalham por instinto, isto é, praticamente por compulsão e em sujeição a regras e forças que as controlam. O homem, como agente livre, atinge uma classificação mais alta. Ele é submetido à lei, com o poder de obedecer ou desobedecer. Deus, que é infinitamente alto e independente, trabalha também por lei, mas vem de dentro, da perfeição de Sua própria natureza, e não de fora, como deve ser o caso de um ser imperfeito como o homem, cujo dever é lutar por aquilo que é melhor e mais perfeito. Acrescente que, mesmo na primeira seção, o homem foi descrito como criado “à imagem de Deus, à Sua semelhança”. Mas, como a lei é essencial à natureza de Deus - pois sem ela ele seria o autor da confusão -, o mesmo ocorre com o homem. Mas como essa semelhança é um presente que lhe é conferido, e não inerente, a lei deve vir com o presente, de fora e não de si mesmo; e pode vir somente de Deus. Assim, então, o homem era necessariamente, pelos termos de sua criação, sujeito à lei, e sem ela não poderia haver progresso. Mas ele violou a lei e caiu. Ele deveria, então, permanecer para sempre um ser caído, escondendo-se de seu Criador, e com os laços de dever e amor, que até agora o ligavam ao seu Criador, quebrado irremediavelmente? Não. Deus é amor; e o objetivo desta narrativa não é tanto dar-nos a história da queda do homem, mas mostrar que um meio de restauração havia sido apontado. Mal foi feita a brecha o “eu” um entre para preenchê-la. A brecha fora causada por um inimigo sutil, que havia enganado nossos primeiros pais na simplicidade de sua inocência; mas na mesma hora da condenação deles é prometido um vingador, que, após uma luta, esmagará a cabeça do inimigo (Gênesis 3:15).

Agora, esse nome, Y-h-v-h, na sua forma mais simples, Yehveh, significa “Ele será” ou “se tornará”. Com a substituição de y por v, de acordo com uma mudança que ocorreu geralmente na língua hebraica, esta é a ortografia real que encontramos em Êx 3:14:a saber, Ehyeh 'sher Èhyeh:“Serei que serei . “Agora, no Novo Testamento, descobrimos que o nome recebido para o Messias era “o vindouro” (Mat 21:9; Mat 23:39; Mar 11:9; Lucas 7:19-20; Lucas 13:35; Lucas 19:38; Jo 1:15; Joh 1:27; Joh 3:31; Joh 6:14; Joh 11:27; Joh 12:13; Act 19:4; Heb 10:37); e no Apocalipse de São João, o nome do Deus Triúno é:“Quem é e quem era, e o que virá” (Gênesis 1:4; Gênesis 1:8; Gênesis 11:17). Mas São Paulo nos fala de uma notável mudança na linguagem dos primeiros cristãos. Sua fórmula solene foi Maranatá:“Nosso Senhor chegou” (1Co  16:22). O Libertador não era mais futuro, não mais “Aquele que se tornará”, nem “Aquele que será o que Ele será.” Agora não é uma esperança indefinida:não mais o suspiro da criatura que espera a manifestação dAquele que esmagará a cabeça de seu inimigo. O fraco raio de luz que amanheceu em Gênesis 3:15 tornou-se o Sol da Justiça que nasceu; o Jeová do Antigo Testamento se tornou o Jesus do Novo, de quem a Igreja exclama alegremente:“Te louvamos como Deus:te reconhecemos como Jeová”.

Mas de onde surgiu esse nome Jeová? Distintamente das palavras de Eva, tão miseravelmente desapontadas em sua aplicação principal:“Eu consegui um homem, sim Jeová”, ou Yehveh (Gênesis 41). Ela, pobre criatura caída, não sabia o significado das palavras que pronunciara, mas havia acreditado na promessa e, por sua fé, o espírito de profecia repousou sobre ela, e deu a ele em quem suas esperanças estavam fixas, era crescer e crescer até que toda a verdade inspirada se juntasse à sua volta; e, finalmente, Elohim, o Todo-Poderoso, estabeleceu seu selo, chamando a si mesmo de “Eu serei o que serei” (Êx3:14). A palavra de Eva é simplesmente a terceira pessoa do verbo da qual Ehyeh é a primeira, e a tradução correta de seu discurso é: “Eu consegui um homem, mesmo ele que seja” ou “o futuro”. Mas quando Deus se chamou por esse nome, a palavra, tão indefinida em sua boca, tornou-se o nome pessoal do pacto de Israel, Deus.

Assim, então, neste título da Deidade, formado a partir do verbo da existência no que é conhecido como o tempo futuro ou indefinido, temos o símbolo desse anseio em diante que busca o retorno da idade de ouro, ou idade do paraíso, que em outras partes da Bíblia é descrito como o reino do ramo que crescerá da raiz de Jessé (Isaías 11:4-9). A esperança era a princípio sombria, distante, indistinta, mas era o fundamento de tudo o que se seguiria. Profetas e salmistas deveriam cuidar e fomentar essa esperança, e torná-la clara e definitiva. Mas o germe de todos os seus ensinamentos estava contido naquela palavra mística de quatro letras, o tetragrammaton, Y-h-v-h. O nome pode ter sido popularmente chamado Yahveh, apesar disso não temos provas; os judeus certamente entenderam por isso Yehveh - “o vindouro”. Afinal, essas vogais não têm tanta importância quanto o fato de o nome ter o yod pré-formativo. A força desta letra prefixada na forma raiz de um verbo hebraico é dar a ela um sentido futuro ou indefinido; e não encontro nada que justifique a afirmação de que Jeová - adotar a ortografia comum - significa “o único existente” e ainda menos vincular a ela uma força causal, e explicá-lo como significando “quem chama a existir”.

Finalmente, a forma pré-mosaica do nome é mais instrutiva, pois mostra que a expectativa do Messias era mais antiga que a época do Êxodo. O nome é realmente a resposta do homem e a aceitação da promessa feita a ele em Gênesis 3:15; e por que Eva, a quem a garantia foi dada, não seria a primeira a professar sua fé nela? Mas nesta seção, na qual o nome ocorre vinte vezes no decurso de quarenta e seis versos, há uma verdade muito mais profunda do que Eva supunha. Jeová (Yehveh) é simplesmente “o que está por vir” e Eva provavelmente não anexou nenhuma ideia muito clara às palavras que ela foi levada a usar. Mas aqui Ele é chamado Jeová-Elohim, e o nome duplo nos ensina que o vindouro, o futuro libertador, é Deus, o próprio Elohim que a princípio criou o homem. A unidade, portanto, e a conexão entre essas duas narrativas são do tipo mais próximo:e o prefixo nesta segunda seção de Jeová a Elohim, o nome do Criador na primeira seção, foi o lançamento da pedra fundamental da doutrina prometida pelo homem. O Salvador, embora a semente da mulher, era um Emanuel, Deus, assim como o homem.



Nenhum comentário:

Postar um comentário