2020/07/06

1 Pedro 1 — Estudo para Escola Dominical

1 Pedro 1 — Estudo para Escola Dominical

1 Pedro 1 — Estudo para Escola Dominical


1:1–2 — Abertura. Pedro se identifica como o autor. A localização geográfica dos destinatários é indicada (consulte Introdução: Propósito, Ocasião e Antecedentes) e eles são recebidos com “graça” e “paz”. A introdução é teologicamente pesada, pois os leitores são identificados como “exilados eleitos” e a salvação realizada é atribuída à obra do Pai, Espírito e Filho.

 

1:1 — Pedro se designa como apóstolo, um mensageiro autoritário de Jesus Cristo (ver nota em Romanos 1:1). As pessoas que recebem sua carta são eleitos exilados da dispersão. Pedro não está falando de um exílio literal (cf. 1 Pedro 1:17; 2:11). Os crentes anseiam por seu verdadeiro lar no novo mundo que está chegando e por sua herança no fim dos tempos, pois não se conformam aos valores e visões de mundo desta atual era do mal. Os crentes não são apenas exilados, mas os “exilados eleitos de Deus”. Eles são o seu povo escolhido, assim como Israel é designado como o povo escolhido por Deus no AT (Dt. 4:37; 7:6–8; Sl. 106:5; Is. 43:20; 45:4). Como os destinatários de sua carta eram principalmente gentios, Pedro ensina explicitamente que a igreja de Jesus Cristo é o novo Israel - o novo povo escolhido de Deus. “Dispersão” (grs. diáspora) aponta para a mesma verdade. É tipicamente usado para descrever a dispersão dos judeus pelo mundo (Dt. 28:25; 30:4; Ne. 1:9; Sal. 147:2; Isa. 49:6; Jer. 15:7; 41 :17; cf. também João 7:35; Tiago 1:1; nota em Atos 2:9-11), mas Pedro vê um paralelo na igreja sendo disperso por todo o mundo. (Outra visão é que esses versículos mostram que a igreja é como Israel, mas que o cumprimento final dessas profecias do AT refere-se principalmente ao futuro Israel étnico, e não à igreja; isso também se aplica às notas de 1 Ped. 1:22–2 :10; 2:9; 2:10.)

 

1:2 — Pedro celebra a obra do Deus trino em salvar seu povo; as frases descritivas no v. 2 modificam “eleger exilados” no v. 1 (o gr. não tem verbo no v. 1; os suprimentos ESV “são” para tornar o sentido mais claro). Eles são o povo de Deus por causa de sua presciência. Isso não se refere apenas ao conhecimento prévio de Deus de que eles pertenceriam a ele, mas também significa que ele impôs antecipadamente sua afeição da aliança, predeterminando que eles pertenceriam a ele (cf. Rm 8:29). Na santificação do Espírito, pode-se referir aqui à conversão ou ao progresso gradual na vida cristã, ou possivelmente a ambos. O Espírito separa o povo de Deus na esfera do santo, para que os crentes agora sejam santos e justos em sua posição diante de Deus, e eles cresçam em santidade real em suas vidas. Pois a obediência a Jesus Cristo também pode se referir à conversão, quando os cristãos confessaram Jesus como Senhor (Rom. 10:9; cf. 1 Pedro 1:22), ou ao propósito de Deus para suas vidas, que eles obedeçam a Cristo. Aspergir com seu sangue refere-se à obra expiatória de Cristo na cruz, onde todos os pecados dos crentes foram lavados, assim como a antiga aliança foi inaugurada com derramamento de sangue (cf. Êx. 24:3-8). Pedro vê os crentes “aspergidos” com o sangue de Cristo, referindo-se à entrada inicial em um pacto com Deus (semelhante a Êx 24:3-8) ou a suas lavagens subsequentes pelo sangue de Cristo (ou seja, crescimento em santidade) ou possivelmente para ambos (semelhante a Lev. 14:6-7; cf. Sal. 51:7; 1 João 1:7).

 

1:3–2:10 — Chamados à salvação como exilados. Aqueles que confiaram em Cristo devem louvar a Deus por sua salvação prometida e viver essa salvação em suas vidas diárias.

 

1:3–12 — Louvor pela salvação. Pedro começa o corpo da carta abençoando a Deus porque deu nova vida aos crentes e garantiu sua glória futura (vs. 3–5). Os crentes se regozijam em seus sofrimentos porque são designados para sua pureza (vs. 6–9). Os cristãos são maravilhosamente abençoados, pois conhecem o cumprimento das profecias do AT, as quais apontam para Cristo (vs. 10–12).

 

1:3 — A salvação é devida à misericórdia, graça e soberania de Deus, pois ele miraculosamente deu nova vida aos pecadores (nos fez nascer de novo, cf. v. 23). Pedro pode estar conectando “nascido de novo” com a ressurreição de Jesus Cristo, significando que o novo nascimento foi possível porque Deus pensava naqueles que criam em Cristo como unidos a ele em sua ressurreição (cf. Rm 6:4; Ef 1:19-20; 2:5-6; Col. 3:1). Ou ele pode estar ligando a ressurreição à esperança viva dos crentes, já que essa esperança segue imediatamente a ressurreição. Neste último caso, a esperança dos cristãos é sua futura ressurreição. Os crentes têm uma esperança inabalável para o futuro, pois a ressurreição de Cristo é uma promessa de sua própria ressurreição futura.

 

1:4 — A “esperança” do v. 3 é agora descrita como uma herança, que no AT normalmente descreve a Terra Prometida e o lugar de Israel (Nm 32:19; Dt 2:12; 12:9; 25 :19; 26:1; Jos. 11:23; Sal. 105:11). Mas a herança do AT aponta para uma herança ainda maior, reservada no céu para o povo da nova aliança. imperecível. Nada pode manchar ou extinguir essa herança segura.

 

1:5 — A salvação, neste contexto, é uma descrição adicional da herança do v. 4 e da esperança do v. 3. Pedro eleva a mente de seus leitores ao que será revelado na última vez. Certamente eles receberão essa salvação futura, pois Deus os protegerá através de seu poder, sustentando sua fé até o fim.

 

1:6–7 — Pedro percebe que a alegria é misturada à tristeza, pois os cristãos da Ásia Menor sofrem várias provações. Pouco tempo denota toda a sua vida terrena antes que eles herdem a salvação futura. se necessário. Esses sofrimentos são a vontade de Deus para o seu povo, para que a fé deles seja purificada e demonstrada genuína. Essa fé tem uma grande recompensa, pois na revelação (isto é, no retorno) de Jesus Cristo, a honra e o louvor pertencerão aos cristãos e a Cristo.

 

1:8–9 — A alegria não é reservada apenas para o futuro, quando Jesus será claramente visto em sua revelação (v. 7). Mesmo agora, seus seguidores o amam, acreditam nele e se alegram com uma alegria inexprimível. O resultado final é a salvação eterna - a conclusão da obra salvadora de Deus.

 

1:10–11 — Embora os profetas do AT não vissem claramente quando suas profecias seriam cumpridas, eles predisseram que Cristo sofreria e depois seria glorificado. Veja Visão geral da Bíblia. O Espírito de Cristo é o Espírito Santo, que estava falando através dos profetas.

 

1:12 — Os cristãos receberam bênçãos impressionantes, pois os profetas do AT não estavam servindo a si mesmos, mas a você, isto é, aos crentes do NT e aos anjos, ansiosos por entender completamente o que foi realizado. Os cristãos ouviram essas boas novas no evangelho proclamadas para eles.

 

1:13–21 — A herança futura como um incentivo à santidade. A herança prometida aos seguidores de Cristo deve motivá-los a depositar totalmente sua esperança em sua recompensa futura (vs. 13-16) e a viver com medo do Deus que os redimiu à custa de seu próprio Filho (vs. 17–21). 


1:13 — Defina sua esperança completamente. A plenitude da graça e sua obra completa virão somente quando Jesus voltar, e os crentes devem desejar esse dia. Eles fazem isso pensando corretamente sobre a realidade e vivendo uma vida sóbria e sensível nesta atual era do mal.

 

1:14–15 — Enquanto vivem nesta terra, os cristãos têm que combater os desejos do pecado, para que sejam chamados para serem filhos obedientes, separados do mal em tudo o que fazem. Eles devem ser santos (cf. Lev. 18:2–4), pois isso está de acordo com o caráter de Deus que é santo e que chamou para si os crentes.

 

1:17 — O pai que julga imparcialmente pode se referir apenas ao julgamento final, quando os crentes serão julgados de acordo com suas ações (cf. Rom. 2:6, 16; 2 Cor. 5:10). O mais provável é que Pedro tenha em mente tanto a vida atual quanto o último dia também. Deus não é apenas o Pai do seu povo, mas também o juiz deles. O medo não é um terror paralisante, mas um medo da disciplina de Deus e do descontentamento paternal; é uma reverência e reverência que deve caracterizar a vida dos crentes durante seu exílio (cf. 1 Pedro 1:1) nesta terra.

 

1:18–19 — O motivo do chamado ao medo (v. 17) é apresentado nos vv. 18-19. Os crentes foram resgatados pelo precioso sangue de Cristo. “Resgate” lembra a libertação de Israel do Egito (Dt. 7:8; 9:26; 15:15; 24:18), que por sua vez aponta para a maior libertação realizada por Jesus Cristo. Os crentes são libertados de uma vida de futilidade e falta de sentido para uma de grande importância. você foi resgatado dos caminhos fúteis herdados de seus antepassados. O sacrifício de Cristo rompe a inevitabilidade e o poder do “pecado geracional”, a ideia de que os pecados dos pais e avós são frequentemente repetidos nas gerações posteriores (cf. Ex. 20:5-6). O sacrifício de Cristo é comparado a um cordeiro sem mancha ou mancha. As referências a “cordeiro” e “sangue” apontam para os sacrifícios do VT e especialmente a Cristo como o Cordeiro da Páscoa (Êxodo 12) e o servo do Senhor (cf. “cordeiro”, Isa. 53:7). Como sacrifício perfeito, Cristo expiou os pecados dos injustos (cf. João 1:29; 1 Pedro 3:18).

 

1:20–21 — Os cristãos devem viver com santo medo (v. 17) porque são profundamente amados e não devem desprezar esse amor. Deus planejou (Cristo era pré-conhecido, cf. v. 2) desde a eternidade passada quando ele enviaria Cristo, e ele escolheu revelá-lo na época da história em que esses crentes viviam (por você) para que eles desfrutassem da privilégio inexprimível de viver nos dias de realização (cf. vv. 10-12). Eles devem estar cheios de esperança (a esperança funciona como um inclusio - um envelope literário - começando e terminando esta seção; vv. 13, 21), pois a ressurreição de Cristo os lembra de sua recompensa futura.

 

1:22–2:10 — Vivendo como o novo povo de Deus. Uma vez que os cristãos receberam nova vida pela Palavra de Deus, devem amar-se fervorosamente (1:22–25). Eles anseiam pela Palavra de Deus para que continuem a crescer na fé (2:1–3). São como pedras vivas que juntas constroem uma casa espiritual, com Jesus como a pedra angular (2:4-8). Os crentes são escolhidos por Deus para ser seu povo (2:9–10).

 

1:22 — O chamado de Pedro para que seus leitores se amem se baseia em sua conversão, que ocorreu quando eles eram obedientes à verdade (ou seja, o evangelho) e, portanto, foram purificados e purificados (ver nota no v. 2 para “obediência” e “aspersão”).

 

1:23 — Os crentes nasceram de novo através da palavra viva e permanente de Deus, significando toda a Escritura escrita (cf. v. 25), mas especialmente a mensagem salvadora do evangelho. A exortação ao amor (v. 22) flui de sua nova vida como membros da família de Deus.

 

1:24–25 — Pedro cita Isa. 40:6, 8 para contrastar a fraqueza da carne humana com o poder da palavra do Senhor que concedeu nova vida aos crentes.


Índice: 1 Pedro 1 1 Pedro 2 1 Pedro 3 1 Pedro 4 1 Pedro 5


Nenhum comentário:

Postar um comentário