Estudo do Livro de Daniel



Estudo do Livro de Daniel

Estudo do Livro de Daniel
(Enciclopédia Bíblica Online)
Por Peter C. Craigie

Quarto livro dos Profetas Maiores no Antigo Testamento, caracterizado por cores vivas de simbolismo e refletindo eventos históricos heroicos durante o exílio babilônico do povo judeu. Porque Daniel não é um livro fácil de entender, a sua interpretação requer um estudo cuidadoso e reflexão. O próprio Daniel escreveu, ao refletir sobre o significado de uma de suas visões, “Mas eu estava chocado com a visão e não entendia” (Dn 8:27).
Na antiga divisão judaica da AT, Daniel faz parte da terceira seção, chamada Escritos, junto com livros tais como Salmos, Provérbios e Jó. Ele não foi incluído na segunda seção da OT, chamado Profetas. Embora partes de seu livro possa ser interpretado de uma perspectiva profética, Daniel nunca é explicitamente identificado como um profeta. Duas divisões principais do livro são narrativas sobre a vida de Daniel (1-6), e as visões de Daniel (7-12).

§1 Autor.
Em termos de ter um autor conhecido, o Livro de Daniel é anônimo, como muitos livros que vêm do mundo antigo. O texto atual apresenta apenas um título, “Daniel”, identificando o assunto-chave do livro: o próprio homem.
Os seis primeiros capítulos do livro contêm informações sobre Daniel escritos na terceira pessoa; começando em Daniel 7:2, no entanto, o livro pretende conter palavras escritas por Daniel na primeira pessoa. Embora a visão tradicional dentro do judaísmo, mais tarde adotada pelo cristianismo, fosse que Daniel escreveu o livro inteiro nomeado para ele, há poucas evidências confirmadas. As palavras de Jesus sobre as coisas “de que fala o profeta Daniel” (Mt 24:15) não esclarecem quem escreveu o livro inteiro, uma vez que as palavras em questão aparecem na segunda metade do Livro de Daniel, explicitamente identificadas como suas palavras. Assim, problema de quem o escreveu a primeira parte permanece.
Seja ou não Daniel quem escreveu o livro inteiro, ele é definitivamente o personagem-chave. A única fonte de informação sobre ele é o próprio livro. Daniel era um hebreu de Judá, provavelmente de linhagem real, nascido no final do século VII a.C., e como um jovem garoto, ele foi levado de sua terra natal para a Babilônia (no que é hoje o sul do Iraque) por volta de 605 a.C.. Lá, depois de três anos de educação formal em língua e literatura (Dn 1:4, 5), ele se tornou um oficial na casa real. Os seis primeiros capítulos falam dos incidentes particulares na vida de Daniel, mas não fornecem uma biografia abrangente de sua vida e tempos.
O nome de Daniel significa “Deus é meu juiz”. Como um residente estrangeiro na Babilônia, lhe foi dado outro nome, Beltessazar, o que pode ter significado “(deixe o deus) proteger sua vida” na língua babilônica.

§2. Data
A incerteza sobre a autoria do Livro de Daniel contribui naturalmente para a incerteza sobre a data da sua escrita. Se Daniel foi o autor de todo o livro, uma data, na segunda metade do século VI a.C. é provável. Se ele não foi o autor, uma data posterior é possível. A interpretação mais conservadora tem sido geralmente que o livro foi escrito no século VI a.C. A alternativa mais difundida sustenta que o livro foi escrito cerca de 165 a.C.
Existe evidência para apoiar tanto as datas de início e final de Daniel. Aqueles que defendem uma data tardia e autoria não-Danílica usam normalmente duas linhas de argumentação, um histórico e outro linguística.
Argumento histórico: De acordo com o argumento histórico, o escritor estava completamente familiarizado com a história do poder imperial do Oriente Próximo do sexto para o segundo séculos, mas tinha uma visão errônea incompleta dos detalhes históricos na segunda metade do século VI, a era de Daniel. Tal desequilíbrio no conhecimento implica uma data tardia da escrita.
A primeira parte do argumento histórico deve ser concedido por aqueles que possuem uma visão mais conservadora. O Livro de Daniel faz apresentar um notável conhecimento da história do Oriente Próximo. A pergunta crítica é se o conhecimento era conhecimento humano normal, adquirido após os eventos, ou conhecimento especial revelado a Daniel de antemão. Essa pergunta é respondida de formas diferentes por pessoas diferentes, dependendo de seu ponto de vista de profecia e de outros fatores.
A segunda parte do argumento histórico é tecnicamente mais complexo. Era do conhecimento do escritor da história no final do século VI a.C. realmente errado? O problema mais significativo é o da identidade de Dario, o Medo (Dn 5:30, 31). O Livro de Daniel diz que Dario, o medo, conquistou a Babilônia e foi sucedido em uma data posterior por Ciro. Fontes históricas externos não contêm qualquer referência a um Dario naquela época, mas mostram claramente que era Ciro conquistou a Babilônia. Os defensores de uma data tardia consideram a evidência forte. Aqueles que defendem uma data de início não têm uma solução simples para o problema. Uma solução proposta é que Dario e Ciro são dois nomes para a mesma pessoa. A base para essa hipótese é que Daniel 6:28 pode ser traduzido: “Daniel prosperou no reinado de Dario, mesmo [que é] o reinado de Ciro, o persa”. Uma analogia aparece no uso dos nomes Pul e Tiglate-Pileser em 1 Crônicas 5:26. Em resumo, a data de Daniel com base no conhecimento histórico do escritor é difícil, se alguém sugere uma data de início ou no fim.
Argumento linguística: Os argumentos linguísticos da data de Daniel também são complexos, especialmente para uma pessoa não familiarizada com as línguas originais do livro (hebraico e aramaico). Os defensores de uma data tardia três argumentos relacionados: (1) o idioma aramaico do livro é típico de final de aramaico (segundo século e mais tarde a.C); (2) a presença de palavras de empréstimo persa é mais uma indicação da data final do aramaico do livro; e (3) a presença de palavras de empréstimo gregas no aramaico mostra que a linguagem deve ser datada após a época da conquista de Alexandre, o Grande, (c. 330 a.C.). Para muitos defensores de uma data final para a composição do livro, o último argumento é o mais convincente. Seria impossível, eles afirmam, encontrar palavras de empréstimo grego em aramaico dois séculos antes do tempo de Alexandre.
Embora os argumentos sejam convincentes à primeira, uma análise mais aprofundada eles são menos convincentes para aqueles que têm a visão conservadora. Cada uma das três partes do argumento foi respondida.
(1) O aramaico era de uso comum no Oriente Próximo por volta do século IX a.C., sendo reconhecida como língua oficial na Assíria a partir do século VIII a.C. Noventa por cento das palavras em aramaico em Daniel foram usadas nesse idioma mais antigo, em ambos os dialetos aramaicos antigos e imperiais. Os 10 por cento restantes, conhecidos apenas em textos posteriores, à luz da evidência atual, podem indicar uma data posterior, mas podem igualmente ser os primeiros usos das palavras em questão.
(2) A prova de palavras persas emprestadas no aramaico pode funcionar como um bumerangue. É verdade que mais tarde o aramaico tem muitas palavras de empréstimo persa (cerca de 19 aparecem em Daniel), mas pode-se dar uma explicação alternativa para as palavras de empréstimo persas em Daniel em uma data próxima. A história de Daniel é definida, em parte, no contexto da vida em um tribunal controlado pela Persa. Os persas usavam o aramaico em seu controle administrativo do império, e sua própria língua inevitavelmente penetrou o aramaico. Se assumirmos uma data próxima para o Livro de Daniel, então ele estava sendo escrito, precisamente, no período em que o persa estaria tendo sua maior influência no aramaico.
(3) A prova das palavras gregas em aramaico de Daniel (um total de três) não é totalmente convincente. Comerciantes gregos (ou “Ionians”) viajavam em várias partes do Oriente Médio a partir do século VIII a.C. em diante. Mercenários gregos lutavam para os estados do Oriente Próximo após o século VII a.C. Durante a vida de Daniel, o rei Nabucodonosor é conhecido por ter empregado artesãos gregos na cidade de Babilônia. Assim, não há que limitar as possibilidades de penetração grega no aramaico para o período após Alexandre. O conquistador era, de modo algum, o primeiro grego a pôr o pé no Oriente.
Conclusão: Os argumentos históricos e linguísticos da data de Daniel não são conclusivos, quer para uma data mais tardia ou mais recente. Em grande medida, a datação do livro depende de outras questões, como a autoria, a intenção, e principalmente a medida em que se toma uma interpretação “profética” de partes do livro. Postular que Daniel foi o autor é consistente com as evidências atualmente disponíveis. Além disso, as provas apresentadas por alguns dos materiais de Daniel do Manuscritos do Mar Morto em Qumran não suportam uma data tardia para o livro. Todos os manuscritos e fragmentos de Daniel são século II a.C. cópias, exigindo, portanto, uma data anterior para o original. Um manuscrito, relacionada paleograficamente ao grande Rolo de Isaías, deve ter vindo originalmente do mesmo vários séculos antes da cópia de Isaías em Qumran. Outros manuscritos de Qumran mostram que nenhum material canônico do AT foi composto mais tarde do que o período persa. Assim, não existe nenhuma evidência para um segundo século a.C. para a data de Daniel.

§3. Idioma
Uma das características mais curiosas do Livro de Daniel não é imediatamente evidente para um leitor da Bíblia em Português. O livro é bilíngue. Daniel 1:1-2: 4a e Daniel 8-12 são escritos em hebraico, a língua dos outros livros do AT. A seção do meio (Dn 2:4b-7:28), no entanto, é escrito em aramaico, um idioma diferente, mas relacionado. Várias explicações têm sido oferecidas. Alguns sugeriram que um livro aramaico original foi expandido por um escritor hebraico, com adições ao livro original no início e no final. Outros sugerem que uma parte do livro original hebraico foi perdido, assim que a secção em falta foi substituída a partir de uma tradução sobrevivente aramaica. Mais sugestões complexos e engenhosas também foram feitas, mas nenhum foi comumente aceita.
Outra sugestão é possível. O Livro de Daniel (independente da data) pode simplesmente refletir o caráter bilíngue do seu cenário cultural. (Como um exemplo moderno, considere os muitos materiais escritos no Canadá que aparecem em Inglês e Francês). Finalmente, pode-se considerar o caráter bilíngue como mais um dos aspectos misteriosos do livro que fazem sua interpretação difícil.

§4 Contexto
O fundo histórico do Livro de Daniel pode ser examinado a partir de duas perspectivas. Pode ser visto a partir da perspectiva do exílio babilônico, dos quais Daniel era uma parte (início de século VI a.C.), ou à luz de futuros eventos históricos (século II a.C.), para o qual as visões na segunda metade do livro parecem apontar.
O Exílio babilônico. Embora o próprio Daniel fosse exilado c. 605 a.C., a principal fase do exílio babilônico começou em 586 a.C., após a derrota do reino de Judá e da destruição de Jerusalém. A conta se estende através dos reinados de Nabucodonosor (devidamente Nabucodonosor) e Belsazar, culminando nos primeiros anos do rei persa Ciro, que assumiu a cidade de Babilônia em 539 a.C. Para os judeus do exílio foi um momento de dificuldade, mas também um tempo de renovada compreensão teológica. Ambos os aspectos são refletidos no Livro de Daniel.
O período selêucida na Palestina. As visões de Daniel na segunda metade do livro parecem referir-se ao período de seleucida na Palestina, especificamente o momento em que os judeus foram governados por Antíoco Epifânio, um membro da dinastia selêucida (175-163 a.C.). Se as visões eram antecipações proféticas de eventos ou reflexos da cultura contemporânea futuras, o período de seleucida é importante para uma plena compreensão do livro.
Sob Antíoco, os judeus palestinos experimentaram um momento de dificuldade considerável. A antiga fé foi severamente prejudicada, o sumo sacerdócio em Jerusalém foi vendido para o maior lance, e o templo foi profanado em diversas maneiras. A pressão foi exercida sobre os judeus para adaptar suas vidas e fé para a cultura helenística (completa influência grega). Embora alguns cedessem, outros se recusaram firmemente e mantiveram-se firmes para com a antiga fé. A rebelião contra as medidas opressivas de Antíoco começaram em 168 a.C. Por 164 a.C. os rebeldes tinham em grande parte conseguido se livrar das práticas censuráveis. Mas o período de seleucida era geralmente um momento ruim para os judeus fiéis, quando todas as forças da história pareciam estar a trabalhar contra a verdadeira fé. Parte da grandeza do Livro de Daniel reside na sua compreensão teológica da história, o que permitiu que homens e mulheres continuassem a viver na fé por um momento de crise terrível.

§5. Finalidade e Ensino Teológico
A seção bíblica chamada Escritos serviu a uma variedade de propósitos. Os salmos, por exemplo, foram utilizados principalmente no culto de Israel. Os provérbios podem ter sido parte do currículo escolar de Israel. O Livro de Jó abordava um problema humano e teológico específico.
A finalidade do Livro de Daniel não é tão fácil de determinar, já que é essencialmente uma história, uma biografia parcial de Daniel. Não é estritamente um livro profético, nem é história no sentido moderno. Muito do que se resume a sonhos e suas interpretações.
No entanto, a palavra “história” fornece uma pista para a sua finalidade. Daniel visa proporcionar compreensão teológica da história. Os seis primeiros capítulos contam sobre Daniel e seus companheiros, não apenas para satisfazer a curiosidade histórica, mas para ensinar o leitor. A Teologia do AT insistiu que o Deus de Israel participasse na vida humana e da história. Ler a história bíblica, portanto, é descobrir a participação de Deus nos assuntos humanos, saber como Deus e os seres humanos se relacionam entre si. Nos capítulos de Daniel, obtemos uma abertura eventos na vida de um homem de notável fé, o tipo de história a partir do qual pode-se aprender a viver.
Os últimos seis capítulos se concentram nos sonhos de Daniel. Embora nem os sonhos nem as interpretações sejam fáceis de entender, é possível ver o tema da história emergente novamente. A ênfase nos capítulos 7-12 não está na história como um registro de eventos passados, mas sobre o significado da história e o futuro do mundo. Na perspectiva bíblica os movimentos das sociedades humanas são importantes no presente e futuro, tanto quanto a história passada. Embora as visões de Daniel sejam dominados por nações e superpoderes, elas têm um tema mais básico: o poder de Deus sobre os seres humanos e as nações. A História muitas vezes parece ser um conglomerado de caos e conflito humano. No entanto, em última instância, Deus controla a história e a move em direção a um objetivo. Apesar de detalhes ambíguos no final do livro, Daniel oferece esperança para as pessoas que vivem em um momento de crise. Mesmo se o que é dito sobre o “tempo do fim” não possa ser compreendido agora (Dn 12: 9), o fim da história está cheia de esperança para aqueles com fé em Deus (12:13). A finalidade do Livro de Daniel, portanto, tem a ver com o sentido da história, tanto o que pode ser aprendido com o passado e o que se pode esperar no presente e futuro.
O livro também contém afirmações teológicas específicas sobre questões como fé humana, a salvação divina, e a natureza da revelação. Uma questão teológica em Daniel merece especial atenção: a doutrina da ressurreição.
Clara doutrina da ressurreição seguido pelo acórdão do NT não é um tema central no AT. Para a maior parte, a fé dos hebreus foi fixada sobre as realidades da vida terrena. Uma esperança para a vida além-túmulo é insinuada em muitos textos, mas permanece implícita. Somente nos últimos escritos do Antigo Testamento, especialmente os de Ezequiel e Daniel, se faz uma doutrina mais explícita da ressurreição.
O ponto focal dessa doutrina no Livro de Daniel é de 12:2: “E muitos dos que dormem no pó da terra ressuscitarão, uns para a vida eterna, e outros para vergonha e desprezo eterno.” A doutrina da ressurreição pessoal fornece uma base para esperança do indivíduo dentro de uma compreensão da história presente e futura. Deus é acreditado como estando no controle final, mas o que acontece com todas as pessoas que morrem enquanto a história ainda está em movimento? Os mortos devem subir novamente, diz Daniel, e em corpos ressuscitados serão julgados segundo as suas obras. Alguns serão recompensados ​​com a vida eterna, mas outros serão condenados à pena.
O tipo de vida além da morte descrita nas palavras de Daniel não é meramente imortalidade da alma, um conceito comum entre os gregos. Os judeus entendiam uma pessoa completa compondo-se de corpo e a alma, tanto na vida exterior e interior. A continuidade de uma alma desencarnada, aceitável para os gregos, seria para os judeus o que significa a vida física além do túmulo, um conceito cheio de mistério.
Para os leitores do Livro de Daniel, a doutrina da ressurreição fornecia esperança em um mundo de outra forma sombrio e sem esperança. Foi um lembrete de que as ações da vida terrena são importantes: elas formam a base do julgamento futuro. O mundo tem um horizonte maior de vida além da morte do corpo. Em última análise, haverá justiça, mesmo que a justiça seja raramente visto na presente existência. Malfeitores podem viver sem nunca serem punidos. No entanto, para além da morte do corpo encontra-se uma decisão final caracterizada pela justiça de Deus.
Assim, o Livro de Daniel é sobre a história e esperança. A vida deve ser vivida agora; para isso, o livro oferece nos primeiros seis capítulos a percepção da experiência de Daniel. A vida é vivida no contexto da guerra e do caos internacional; para isso, capítulos 7-12 descrevem a soberania de Deus e seus propósitos na história. Vida individual se move em direção à morte; para isso, o escritor fala de ressurreição e julgamento.

Bibliography J.G. Baldwin, Daniel; D. Ford, Daniel; C.F. Keil, Biblical Commentary on the Book of Daniel; J.A. Montgomery, A Critical and Exegetical Commentary on the Book of Daniel; R.S. Wallace, The Lord Is King; D.J. Wiseman, et al, Notes on Some Problems in the Book of Daniel; E.J. Young, The Book of Daniel and Daniel’s Vision of the Son of Man.

Estudo do Livro de Daniel Estudo do Livro de Daniel Reviewed by Eduardo Galvão on sexta-feira, agosto 07, 2009 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.