2009/07/06

Carta aos Romanos

Carta aos Romanos
A Carta aos Romanos é 45° livro na ordem das Bíblias modernas. Também conhecida por Epístola aos Romanos, é a mais formal e sistemática das epístolas de Paulo. O tema principal de Romanos é que a justiça vem como um dom gratuito de Deus e é aceito pela fé somente. Romanos está à frente das epístolas paulinas, porque é a mais longa das suas cartas, mas é também a epístola mais importante de Paulo. Repetidamente em sua história, a igreja encontrou nesta epístola um catalisador para a reforma e a nova vida. No quarto século, um jovem problemático, sentindo uma ordem divina para abrir a Bíblia e ler a primeira passagem ele veio para, leia estas palavras: “Não em orgias e bebedices, não em libertinagem e lascívia, não em contendas e inveja. Mas ponha no Senhor Jesus Cristo, e não faça provisão para a carne, para cumprir as suas concupiscências” (13:13-14).

“Em um instante”, diz Santo Agostinho, “a luz de confiança inundou meu coração e toda a escuridão da dúvida foi dissipada.” No século 16, um jovem monge encontrou liberação de suas lutas com Deus reivindicando salvação pela graça através fé (Rm 1:17; 3:24). Essa verdade fez com que Martinho Lutero lançasse a maior reforma que a igreja já conheceu. Romanos, talvez mais do que qualquer outro livro da Bíblia, exerceu poderosa influência na história do cristianismo


Destinatários

Roma era a maior e mais importante cidade do Império Romano nos dias de Paulo. Sua população era provavelmente superior a um milhão. Desse número, estima-se que quarenta a cinquenta mil eram judeus, com até quinze sinagogas identificáveis ​​(Dunn, I: xlvi; Edwards, 9).

Como a igreja em Roma se originou não é conhecida. Não há evidência real de que Pedro o tenha fundado, ao contrário de uma tradição comum. Alguns dizem que Rom 15:20 mostra que este não poderia ter sido o caso. Aqui Paulo diz que ele não pretende “edificar sobre a fundação de outra pessoa”. O fato de que ele planejava visitar Roma e trabalhar lá implica que nenhum apóstolo esteve lá ainda (MacArthur, I: xviii; Moo, I: 4 ).

Uma especulação muito comum é que a igreja romana foi provavelmente iniciada por judeus e prosélitos de Roma que estavam na platéia que ouviram o sermão de Pedro no dia de Pentecostes (Atos 2:10), e que estavam entre os convertidos batizados naquele dia. Ao retornar a Roma, eles teriam estabelecido a igreja lá.10 Se assim for, e isso parece muito provável, então os primeiros cristãos em Roma foram convertidos do judaísmo.

Outra especulação provável é que cristãos de outras igrejas, talvez alguns dos próprios convertidos de Paulo de seu trabalho anterior em Tarso e Antioquia e Ásia Menor, estavam entre aqueles que começaram a igreja romana e a ajudaram a crescer. Talvez alguns dos conhecidos de Paulo mencionados em Romanos 16 estivessem entre esse grupo. Tal cenário é altamente provável, dada a importância de Roma e as viagens constantes de e para aquela cidade.

Assim, a igreja em Roma teria começado não como resultado de algum esforço missionário formal, mas por residentes convertidos enquanto viajavam (por exemplo, Atos 2:10) e por cristãos que se mudavam para lá de outros lugares. Seus próprios esforços evangelísticos certamente teriam se concentrado nas sinagogas de Roma, seguindo o padrão de evangelização refletido no livro de Atos. Isso teria resultado em conversos não só do judaísmo, mas também de entre os gentios “Deus-temerosos” que eram comumente ligados às sinagogas (Dunn, I: xlvii-xlviii).

A epístola aos Romanos é dirigida “a todos em Roma que são amados por Deus e chamados a serem santos” (1:7). A principal questão sobre esses santos é o número relativo de judeus e gentios entre eles. Ao responder a essa questão, os estudiosos geralmente começam com um fato histórico sólido e depois tiram conclusões baseadas em inferências e um pouco de especulação. Isso levou ao seguinte cenário, para o qual existe consenso considerável entre os comentaristas hoje.

O único fato é que o imperador romano Cláudio emitiu um decreto que expulsou todos os judeus de Roma. Isso está registrado em Atos 18:2 e também é mencionado pelo historiador romano Suetônio. A data exata do decreto é pouco clara, mas o melhor cálculo é AD 49. A razão para o decreto é declarada assim por Suetônio: “Como os judeus em Roma causaram contínuos distúrbios por instigação de Chrestus, (o imperador Cláudio) os expulsou. da cidade ”(citado em Fiensy, Introduction, 224). Embora não possamos ter certeza disso, a maioria dos estudiosos concorda que “Chrestus” é apenas uma grafia errada de “Christus” e que o decreto tinha a ver com Jesus Cristo.

De que maneira Cristo estaria instigando distúrbios entre os judeus em Roma? Infere-se que isso se refere aos conflitos entre os judeus decorrentes do evangelismo cristão nas várias sinagogas. Porque havia uma grande diversidade entre os judeus e sinagogas em Roma, conclui-se que alguns eram mais receptivos ao cristianismo do que outros, e que isso deve ter levado a disputas entre eles. A agitação resultante foi aparentemente desagradável o suficiente para que Cláudio ordenasse que todos os judeus deixassem a cidade. Supõe-se também que seu decreto não fez distinção entre judeus incrédulos e crentes; assim, mesmo os cristãos judeus tiveram que sair, por exemplo, Áquila e Priscila (Atos 18: 2). Após o decreto, a igreja romana seria composta quase inteiramente de gentios. (Veja Donfried, “Pressupostos”, 104-105.)

Quando Cláudio morreu por volta de 54 d.C., o decreto deixou de vigorar e os judeus e os cristãos judeus estavam livres para voltar a Roma. Alguns pensam, no entanto, que ainda estavam proibidos de se reunirem publicamente (Wiefel, “Community,” 92–94). Os resultados para a igreja teriam sido duplos. Primeiro, o problema com a assembléia pública pode ter forçado os cristãos a estabelecer um número de “igrejas domésticas”, uma possibilidade que parece ser confirmada em Romanos 16:5, 14, 15. Segundo, os cristãos judeus que retornavam encontrariam a igreja romana. igreja dominada pelos cristãos gentios, se não em número, então certamente em poder e influência (Wiefel, “Community,” 94–96).

Assim, os santos em Roma, a quem a carta é dirigida, eram quase certamente uma mistura de cristãos judeus e gentios, embora não haja maneira de dizer qual grupo tinha o maior número. Se as circunstâncias descritas no cenário acima estiverem corretas, entretanto, é seguro assumir que houve tensão, se não conflito entre os dois grupos.

Wiefel refere-se a “discussões sobre o status” (“Comunidade”, p. 96). Bruce diz: “Está implícito em Romanos 11: 13–24 que os cristãos gentios tendiam a menosprezar seus irmãos judeus como parentes pobres” (“Debate”, p. 180). Dunn fala de “pelo menos algum atrito entre gentios e judeus” dentro das igrejas domésticas, com os judeus sendo uma minoria e se sentindo vulneráveis ​​(I: liii).

O que é óbvio é que na epístola, Paulo se dirige a ambos os grupos, com algumas passagens especificamente dirigidas aos cristãos judeus e outras aos cristãos gentios (ver Moo, I:10-11; Murray, I: xviii-xix). Alguns dizem que a carta como um todo é direcionada principalmente aos santos judeus; outros dizem que foi principalmente destinado aos gentios.

Hendriksen certamente está certo, porém, quando diz que, com relação ao ponto principal de Romanos, toda essa questão é realmente irrelevante, uma vez que se aplica igualmente a ambos os grupos (I: 23). Todos são pecadores (3: 9, 23), ninguém será salvo por lei (3: 19-20), e todos são recipientes iguais da graça que há em Cristo Jesus (3:24; 4: 11–12). Hendriksen enfatiza Rm 10: 12–13: “Pois não há diferença entre judeus e gentios — o mesmo Senhor é Senhor de todos e abençoa ricamente todos os que o invocam, pois: “Todo aquele que invocar o nome do Senhor será salvou”.


Tempo e Local da Escrita

Esta carta foi escrita por volta de 56 EC, de Corinto. Tércio evidentemente foi o secretário de Paulo, e escreveu o que Paulo ditou. (Romanos 16:22) É possível que a portadora da carta tenha sido Febe, que morava em Cencreia, a cidade portuária de Corinto, cerca de 11 km dali. (Rom 16:1) Paulo ainda não havia estado em Roma, como fica evidente em suas observações no capítulo 1, versículos de 9 a 15. A evidência também indica que Pedro jamais esteve ali.


Texto

O endereço em 1:7 é “Para todos os santos de Deus em Roma”, mas não há referência a uma igreja lá até cap. 16, e depois apenas para a igreja da casa de Prisca e Aquila (16:5). Que “em Roma” faltam alguns manuscritos em 1:7, 15 é provavelmente devido a escribas que desejavam dar ao documento uma referência menos específica e mais universal. Mais importante, a doxologia encontrada em alguns dos melhores manuscritos gregos em 16:25-27, com seu padrão de “segredo mantido por muito tempo, agora divulgado”, aparece em muitos manuscritos às 14:23, na P46 às 15:33, em alguns manuscritos depois de ambos 14:23 e 16:23, e é omitido em algumas fontes (cf. NRSV mg). Algumas versões latinas não têm cap. 15. Tudo isso levou a conjecturas sobre uma versão de 14 capítulos, conhecida por Orígines e usada por Marcião; uma versão de 15 capítulos; e um capítulo de 16 encontrado na maioria das Bíblias em inglês. Na década de 1950 a visão veio a dominar que Paulo enviou uma versão de 15 capítulos para Roma, e o que é agora cap. 16 (pelo menos 16:1-20, talvez com uma cópia de 1-15 também) para Éfeso. Isso significa que as 28 pessoas recebidas em 16:3-16, incluindo Prisca e Áquila, estavam em Éfeso, não em Roma. Mas desde 1970 a maré mudou, especialmente à luz do argumento de que cap. 16 fornece uma conclusão necessária para a típica carta paulina. Isso significa que as cinco a sete igrejas domésticas mencionadas estão em Roma e, além disso, devem estar conectadas com disputas entre “os fortes” (em fé) e “os fracos” em 14:1–15:3, provavelmente gentios e Cristãos Judeus. Enquanto a pertinência do cap. 16 permanece disputada, a tendência é de reconhecimento, à luz da decisão que cap. 1–16 foi a Roma, que Paulo sabia muito sobre a situação entre os crentes fragmentados na capital.

Gênero Literário

Romanos reflete a forma da letra em sua abertura (1:1-17) e fechamento (15:14-16:23). O padrão da seção “doutrinal” (1:18–8:39 ou 11:36), seguido de parênteses ou da seção de ética (12:1–15:13), é tipicamente paulino. Mas o corpo da carta (1:18-15:13) é, portanto, tão longo que algum termo como “ensaio de carta” é justificado. Mais recentemente, categorias da retórica antiga foram aplicadas, designando Romanos como predominantemente “epidêmicos” (Lat. Demonstrativus, “louvando” ou “culpando”, fortalecendo o ethos de uma audiência), ou “deliberativos” (persuasivos, como em uma assembléia), ou às vezes “judicial” (como em um tribunal), mesmo como uma “carta de embaixada” ou um “discurso de exortação” (gr. lógos protréptikos). Muito mais amplamente reconhecido é a presença da forma de “diatribe” (por exemplo, 2:1-5, 17-29; 3:27-4:2), onde a tentativa é feita, em trocas com um interlocador (imaginário), Judaica ou cristã, para criticar visões arrogantes e persuadir a posição do falante. Literariamente, o uso extensivo de Paulo do material do Antigo Testamento (por exemplo, 1:17; 3:10-20; caps. 9-11; 15:3-12), às vezes com princípios rabínicos de interpretação (que também refletem a lógica grega), como 4:3–12 (a história de Abraão) é aparente. Há citações do que muitos concordam que são formulações anteriores, freqüentemente cristãs judaicas, usadas para estabelecer um terreno comum com os crentes em Roma que não haviam sido ensinados por Paulo (por exemplo, 1:3–4; 3:24–26a; 4:25 10:9; 11:33-36). Pode haver acréscimos posteriores como 16:25-27 (pós-Paulo, para completar e universalizar os romanos), mas tenta designar 2:16 ou 6:17b, por exemplo, quando glosses frequentemente se deparam com a resposta de que eles são muito chave para o argumento de Paulo.

Circunstância

As origens do cristianismo em Roma são desconhecidas. A crença em Jesus provavelmente surgiu na grande comunidade judaica através dos contatos (mercantes) com a Palestina. De acordo com o historiador romano Seutonius (Claud. 25.4), o imperador Claudius expulsou muitos judeus por causa de perturbações “instigadas por Chrestus” (Cristo), entre seguidores judeus e outros judeus, ou entre cristãos judeus que começaram a compartilhar suas boas novas com Gentios e cristãos judeus que se opunham a uma missão gentia. Isso ocorreu no ano 49 (menos provável, anteriormente, em 42). Alguns desses cristãos judeus se mudaram para o leste; Paulo entrou em contato com eles em Corinto (por exemplo, Áquila e Priscila, Atos 18:1–3; 1 Coríntios 16:19), Éfeso e em outros lugares. Mais tarde, quando as tensões arrefeceram (Cláudio morreu em 54), alguns desses cristãos judeus retornaram a Roma. Mas nos gentios interinos, os seguidores de Jesus haviam se tornado a forma dominante de cristianismo em Roma. Através desses exilados que retornavam, Paulo tinha algum conhecimento de igrejas domésticas em Roma para a carta que seria levada lá por Febe, uma ministra do porto de Cencreia, a quem Paulo elogia (16: 1–2). Outro detalhe histórico pode estar por trás de Rom. 13, no fato de que Nero, então em seus cinco anos de bom governo, considerou em 58 a abolição de impostos indiretos, sobre a injusta cobrança de que por publicani houve sábio protesto (Tacitus Ann. 13.50-51). Em 13:6–7 Paulo aconselha especificamente os cristãos em Roma a pagarem seus impostos como bons cidadãos e não serem apanhados em movimentos de inquietação.

Diversos propósitos surgem para escrever romanos a um grupo de igrejas domiciliares agora basicamente gentios, com alguns judeus cristãos retornados.

1. O apóstolo claramente quer apresentar a si mesmo e seu evangelho a todas as comunidades cristãs de Roma. Ele não encontrou as igrejas e não conhecemos nenhum “fundador” significativo, mas a noção de que Paulo queria fornecer uma base “apostólica” não é convincente. Paulo escreve diplomaticamente, com certa reciprocidade (1:11-15), ciente dos rumores sobre si mesmo em alguns lugares (3:7-8; 6:1-2; 9:1-2). Mas não é de modo algum claro que ele enfrente os contra-missionários cristãos judeus que disputavam suas posições, como na Galácia. Paulo apresenta seu evangelho, portanto, de forma apologética e vitoriosa, mas sem ser uma “teologia sistemática”.

2. Paulo busca ter apoio em Roma para sua proposta de trabalho missionário na Espanha (15.23-29; cf. vv. 14-22). Romanos é missionário em interesse.

3. Paulo pede orações de cristãos romanos por sua jornada a Jerusalém com a coleta dos santos (15: 25-27, 30). Que ele está procurando contribuições de Roma não está claramente implícito. O fato de ele temer como esse presente seria recebido em Jerusalém é provável (15: 30-32). Mas ver a comunidade cristã judaica de Jerusalém como o “destinatário secreto” de Romanos (talvez através de uma “cópia de carbono” enviada para lá) é uma visão não tão fortemente apoiada quanto há algumas décadas na erudição.

4. Que Paulo está preocupado em ter os “fortes” e “fracos” em Roma, aceitando-se mutuamente, pode ser visto em caps. 14-15, esp. 15: 7 Nesta medida, a carta tem um propósito eclesiológico de unidade da igreja, enquanto permite considerável liberdade a cada posição (o próprio Paulo se une ao gentio “forte” contra as leis concernentes a comida, bebida e dias especiais; 14:2, 5, 17, 21). Isso tem sido chamado de um objetivo “pastoral”, mas não é sem seus aspectos teológicos (15:7b-13), e outros objetivos de Paulo têm aspectos pastorais para eles.

Romanos tem sido chamado de “última vontade e testamento” de Paulo. Acontece, em certas suposições, ser a última carta que possuímos dele. Mas Paulo escreveu de forma vibrante, enquanto ele estava completando metas no Oriente, com novos empreendimentos em mente no Mediterrâneo ocidental (15:28).

Propósito

A questão do propósito de Paulo para escrever a epístola aos romanos é muito controversa; há muita discordância a respeito 13. 13 Todos concordam com os fatos descritos acima, relativos à ocasião da redação. O problema é que esses fatos devem ser avaliados em vista do conteúdo do corpo principal da carta, 1: 18-15: 13. A questão não é apenas porque ele escreveu uma carta para a igreja romana, mas por que ele escreveu esta carta específica com este conteúdo particular. Por que ele escreve “uma discussão tão longa e envolvida a uma congregação desconhecida”? (Dunn, I: lv).

Existem duas abordagens básicas para essa questão. A abordagem mais antiga e tradicional é a de que as circunstâncias históricas descritas na seção anterior não eram particularmente relevantes em relação à decisão de Paulo de escrever a carta. Nem os planos de Paulo nem o estado da igreja romana lhe apresentavam uma necessidade premente ou ocasião que exigia que ele escrevesse. Assim, ao contrário de suas outras cartas, os romanos são mais ou menos não ocasionais. É considerado mais como um tipo de ensaio teológico atemporal sobre a essência do cristianismo. Como Sanday e Headlam descrevem essa visão, “o principal objeto da epístola é doutrinário; é antes um tratado teológico do que uma carta; seu propósito é instruir a Igreja Romana em princípios centrais da fé, e tem pouca referência às circunstâncias do momento ”(xl).

As abordagens mais recentes ao propósito de Romanos adotam a visão oposta, de que é "uma carta situacional, em vez de um tratado doutrinário" (Jewett, “Argument”, 265). Paulo não estava simplesmente escrevendo um ensaio separado de suas circunstâncias, mas tratando especificamente de uma situação particular que precisava de sua atenção naquele momento. Assim Romanos é tanto uma carta ocasional como 1 Coríntios ou Gálatas.

Aqueles que tomam a última abordagem geralmente vão em uma das duas direções. Alguns enfatizam que Paulo escreveu a carta para satisfazer certas necessidades próprias, relacionadas à sua viagem a Jerusalém ou à Espanha. Outros dizem que Paulo escreveu principalmente para atender às necessidades da igreja romana naquele momento específico.

É possível, é claro, que Paulo tivesse mais do que um propósito para escrever Romanos, como Cranfield diz: “Certamente está bem claro que Paulo não tinha apenas um propósito em mente, mas sim um complexo de propósitos e esperanças” (II: 815). Dunn (I:lx) e Moo (I:20) concordam.


O Estabelecimento da Igreja de Roma

A congregação talvez tenha sido estabelecida por alguns dos judeus e prosélitos de Roma que estiveram em Jerusalém no dia de Pentecostes de 33 d.C., testemunharam o derramamento miraculoso do espírito santo e ouviram o discurso de Pedro e de outros cristãos ali reunidos. (At 2) Ou outros que se converteram ao cristianismo mais tarde talvez tenham levado a Roma as boas novas sobre o Cristo, pois, visto que esta grande cidade era o centro do Império Romano, muitos se mudaram para lá com o tempo, e eram muitos os viajantes e comerciantes que a visitavam. Paulo envia respeitosos cumprimentos a Andrônico e Júnias, seus ‘parentes e companheiros de cativeiro’, “homens notáveis entre os apóstolos”, que estavam no serviço de Cristo há mais tempo do que Paulo. É bem possível que esses homens tenham tido parte no estabelecimento da igreja cristã em Roma. (Romanos 16:7) Na época em que Paulo escreveu, a igreja evidentemente já existia por algum tempo, e era bastante ativa, a ponto de sua fé ser comentada em todo o mundo. — Romanos 1:8.


Objetivo da Carta

Fica claro, pela leitura da carta, que ela foi escrita a uma Igreja cristã composta tanto de judeus como de gentios. Havia muitos judeus em Roma naquela época; eles retornaram depois da morte do Imperador Cláudio, que os banira de lá algum tempo antes. Embora Paulo não tivesse estado em Roma, para sentir pessoalmente os problemas que a igreja enfrentava, é possível que tenha sido informado da condição e dos assuntos da Igreja por seus bons amigos e colaboradores, Priscila e Áquila, e possivelmente também por outros a quem Paulo encontrara. Seus cumprimentos no capítulo 16 indicam que conhecia pessoalmente um bom número de membros daquela igreja.

Em suas cartas, Paulo atacava problemas específicos e lidava com questões que considerava muito vitais para aqueles a quem escrevia. Quanto à oposição judaica, Paulo já havia escrito às congregações da Galácia, refutando-a, mas essa carta tratava mais especificamente dos esforços feitos pelos judeus que professavam o cristianismo, mas que eram “judaizantes” e insistiam que os conversos gentios fossem circuncidados e que em outros sentidos se exigisse deles observarem certos regulamentos da Lei mosaica. Na igreja romana não parecia haver um esforço sério neste sentido, mas, pelo que parece, havia inveja e sentimentos de superioridade da parte tanto dos judeus como dos gentios.

A carta, portanto, não era uma simples carta geral, escrita à igreja romana, sem nenhum objetivo específico, como alguns supõem, mas tratava, evidentemente, das coisas de que eles precisavam, nas circunstâncias existentes. A igreja romana conseguiria captar o pleno significado e a plena força do conselho do apóstolo, pois sem dúvida enfrentava exatamente os problemas de que ele, Paulo, estava tratando. É óbvio que o objetivo dele era solucionar as diferenças de ponto de vista existentes entre os cristãos judeus e os cristãos gentios e conduzi-los em direção à completa união, como um só homem, em Cristo Jesus. No entanto, ao escrever da maneira como o fez, Paulo ilumina e enriquece nossa mente no conhecimento de Deus e exalta a justiça e a benignidade imerecida de Deus, bem como a posição de Cristo com respeito à igreja cristã e a toda a humanidade.


Fervor e Calor Humano

Comentando a autenticidade da carta aos romanos, o Dr. William Paley, perito bíblico, inglês, disse: “Num genuíno escrito de S. Paulo a genuínos conversos, isto é o que a ansiedade de convencê-los da sua crença naturalmente produziria; mas há um fervor e uma personalidade, se posso chamar isto assim, no estilo, que uma fria falsificação, creio eu, nunca teria ideado nem suportado.” — Horæ Paulinæ, 1790, p. 50.

Paulo delineou a posição dos judeus de forma muito clara e direta e mostrou que judeus e gentios acham-se no mesmo nível perante Deus. Isto exigiu que ele dissesse algumas coisas que os judeus talvez considerassem ofensivas. Mas o amor de Paulo por seus concidadãos e seu calor humano para com eles foram demonstrados na delicadeza com que tratou destes assuntos. Quando dizia coisas que poderiam parecer depreciativas da Lei, ou dos judeus, ele jeitosamente fazia em seguida uma declaração amainadora.

Por exemplo, quando disse: “Não é judeu aquele que o é por fora, nem é circuncisão aquela que a é por fora, na carne”, ele acrescentou: “Qual é então a superioridade do judeu, ou qual é o proveito da circuncisão? Grande, de todo modo. Primeiramente, porque foram incumbidos das proclamações sagradas de Deus.” (Ro 2:28; 3:1, 2) Depois de dizer: “O homem é declarado justo pela fé, à parte das obras da lei”, ele continuou prontamente: “Abolimos então a lei por meio de nossa fé? Que isso nunca aconteça! Ao contrário, estabelecemos lei.” (3:28, 31) Após a declaração: “Mas agora fomos exonerados da Lei”, ele perguntou: “É a Lei pecado? Que nunca se torne tal! Realmente, eu não teria chegado a conhecer o pecado, se não fosse a Lei.” (7:6, 7) E no capítulo 9, versículos 1 a 3, fez a mais forte expressão possível de afeto por seus irmãos carnais, os judeus: “Digo a verdade em Cristo; não estou mentindo, visto que a minha consciência dá testemunho comigo, em espírito santo, de que tenho grande pesar e incessante dor no meu coração. Pois, poderia desejar que eu mesmo fosse separado do Cristo como amaldiçoado, em favor dos meus irmãos, meus parentes segundo a carne.” — Compare também Romanos 9:30-32 com 10:1, 2; e 10:20, 21 com 11:1-4.

Por conseguinte, pelo estudo deste livro, comprovamos que não se trata duma consideração desconexa, ou sem objetivo, mas dum discurso com um objetivo e um tema, e que nenhuma parte pode ser plenamente entendida sem o estudo do livro como um todo e o conhecimento de seu objetivo. Paulo destaca a benignidade imerecida de Deus mediante Cristo e ressalta que é somente por tal benignidade imerecida de Deus, conjugada com a fé do crente, que os homens são declarados justos; ele comenta que nem o judeu nem o gentio tem base para jactância ou para elevar-se sobre o outro.

Avisa estritamente os cristãos gentios que não devem ficar orgulhosos por se terem beneficiado de os judeus não terem aceitado a Cristo, visto que a queda dos judeus permitiu que os gentios tivessem a oportunidade de ser membros do “corpo” de Cristo. Ele diz: “Eis, portanto, a benignidade e a severidade de Deus. Para com aqueles que caíram, há severidade, mas para contigo há a benignidade de Deus, desde que permaneças na sua benignidade; senão, tu também serás cortado fora.” — Romanos 11:22.


Lendo Romanos

Romanos tem sido tratado com ênfase em caps. 1-8 e temas como pecado e graça; justiça/justificação; fé como crença, confiança, obediência e fidelidade de Deus às promessas divinas; paz com Deus e outras bênçãos da nova vida em Cristo, incluindo o Espírito. Caps. 9–11, sobre Israel ou teodiceia (justificando que a palavra de Deus não falhou), às vezes foram vistas como intrusivas ou um tema subsidiário. Freqüentemente, as declarações sobre a predestinação (a partir de 8:29; cap. 9) têm sido a principal preocupação dos intérpretes. Mais recentemente, o foco tem sido a “história da salvação” (Adão, Abraão, Moisés, Cristo) e a aplicação aos judeus (na conversação inter-religiosa), de modo a fazer caps. 9–11 o centro da letra inteira. Os ensinamentos éticos no caps. 12–15 às vezes tem sido o foco de atenção - Paulo quer mostrar como o seu evangelho funciona no serviço sacrificial dos cristãos, não para Deus, mas para os outros no mundo do trabalho (12:1–2). Mesmo que as exortações em 12:3-21 pareçam gerais, não surgindo diretamente do tema da justificação, elas repousam em tudo o que foi dito em 3:21–8: 39 (12:1: “portanto”, “por as misericórdias de Deus” enumeradas nos capítulos anteriores). CH. 13, sobre o estado, reflete o contexto em que Paulo escreve e caps. 14-15 abordam problemas reais em Roma de integrar igrejas domésticas divididas. “Acolher-se mutuamente” (15:7) pode então ser chamado de clímax para o qual Paulo constrói sua apresentação. Ou o objetivo é unir-se pela missão à Espanha?

Diferentes épocas e intérpretes viram diferentes aspectos de Romanos como especialmente pertinentes. Uma leitura equilibrada considera o todo como coerente, à luz - e como um desenvolvimento - do tema de Paulo (1:16-17) sobre a justiça, o Cristo de Deus e a fé.

Nenhum comentário:

Postar um comentário