Escatologia do Novo Testamento



ESCATOLOGIA, NOVO TESTAMENTO, ESTUDOS ESCATOLÓGICOS
Escatologia do Novo Testamento
(Enciclopédia Bíblica Online)

O tema da escatologia desempenha um papel de destaque no ensino do Novo Testamento e da religião. O cristianismo em sua origem tem um caráter muito escatológico. Isso significa que o aparecimento do Messias e a inauguração de Sua obra, do ponto de vista do Antigo Testamento, fazem parte da escatologia. É verdade que, na teologia judaica, os dias do Messias nem sempre foram incluídos na Era escatológica, mas muitas vezes considerados como introdutório para ela (compare Weber, Jüdische Theol. 2, 371ff). E, no Novo Testamento, também, este ponto de vista é, em certa medida representada, na medida em que, devido ao aparecimento do Messias e o cumprimento apenas parcial das profecias para o presente, o Antigo Testamento descreve como um movimento síncrono que é agora vista em uma divisão de duas fases, a saber, a Era messiânica presente e o consumo do estado futuro. Mesmo assim, no entanto, o Novo Testamento chama o período Messiânico em ligação muito estreita com o processo estritamente escatológico do judaísmo. A distinção no judaísmo repousava sobre uma consciência da diferença de qualidade entre as duas fases, o conteúdo da Era messiânica sendo muito menos espiritual, transcendental e concebida, do que o estado final. O Novo Testamento, pela espiritualização do círculo messiânico inteiro de ideias, torna-se profundamente ligado à sua afinidade com o conteúdo da mais alta esperança eterna e, consequentemente, tende a identificar os dois, para encontrar a Era por vir antecipada no presente. Em alguns casos, este assume a forma explícita na crença de que as grandes operações escatológicas já começaram a ocorrer, e que os crentes já alcançaram pelo menos a fruição parcial de privilégios escatológicos. Assim, o reino presente no ensino de nosso Senhor é um em essência com o reino final, de acordo com os discursos em João sobre a vida eterna que é, em princípio, realizado aqui, como Paulo havido feito um prelúdio para o juízo final e a ressurreição na morte e ressurreição de Cristo; e a vida no Espírito é as primícias do estado celestial por vir. O forte sentido pode ainda se manifestar sob a forma paradoxal de que o estado escatológico chegou a incisão e uma grande história que já foi realizada (Heb 2:3, 2:1; 9:11; 10:1; 12:22-24). Ainda assim, mesmo quando essa consciência crítica é atingida, em parte alguma substitui a outra representação mais comum, segundo a qual o estado atual continua a estar neste lado da crise escatológica, ao mesmo tempo que conduz diretamente a este último, que ainda continua a ser para todos uma parte da Era e do mundo de ordem. Os crentes vivem nos “últimos dias”, que a eles “os fins dos séculos têm chegado”, mas “o último dia”, “a consumação da Era,” ainda está no futuro (Mat 13:39, 13:40, 49; 24:3; Mat 28:20; Jo 6:39, 6:44, 6:54; 12:48; 1Cor 10:11; 2Tim 3:1; Heb 1:2; 9:26; Tg 5:3; 1Ped 1:5, 1:20; 2Ped 3:3; 1Jo 2:18; Jud 1:18).

O interesse escatológico dos primeiros crentes não era mera crença de sua experiência religiosa, mas o coração de sua inspiração. Ela expressou e incorporou o profundo supernaturalismo soteriológico da fé do Novo Testamento. O mundo que vem não era para ser o produto de um desenvolvimento natural, mas de uma interposição Divina, que iria ocorrer no processo da história. E o motivo mais profundo do anseio por este mundo era uma convicção do caráter anormal do mundo atual, um forte sentimento de pecado e do mal. Isso explica por que no Novo Testamento a doutrina da salvação tem crescido em grande medida, com uma interação com a sua doutrina escatológica. A experiência da presente obra foi interpretada à luz do futuro. É preciso manter isso em mente para uma apreciação adequada da esperança geral prevalecente de que o retorno do Senhor pode vir no futuro próximo. O cálculo Apocalíptico tinha menos a ver com isso do que a experiência prática, de que o penhor das realidades sobrenaturais da vida por vir estava presentes na igreja, e que, portanto, parecia natural para a fruição plena de que estes estejam muito atrasadas. O posterior recuo do estado agudo escatológico tem algo a ver com o desaparecimento gradual dos fenômenos milagrosos da era apostólica.


Fonte: International Standard Bible Encyclopedia de James Orr, M.A., D.D., Editor General

Escatologia do Novo Testamento Escatologia do Novo Testamento Reviewed by Biblioteca Bíblica on sexta-feira, dezembro 18, 2009 Rating: 5
Tecnologia do Blogger.