2016/07/01

Estudo sobre Lucas 2

Estudo sobre Lucas 2

Estudo sobre Lucas 2



v. 1-5. César Augusto publicou um decreto ordenando o recenseamento de todo o império romano-. Esse recenseamento suscitou dificuldades históricas. Alguns consideram impossível um recenseamento romano ter acontecido no território de Herodes, um rei aliado, embora aceitem que haja evidência de um recenseamento alguns anos mais tarde no Egito, um caso semelhante. Quirino era governador da Síria em 6 d.G. quando realizou o censo de At 5.37; se ele já havia servido nessa posição vários anos antes, é discutível. Mas Lucas, provavelmente, queira dizer: “Esse registro foi feito antes de Quirino ser governador da Síria”. Além disso, a visita à terra natal de José para o registro é incomum, embora seja atestado no Egito; os censos romanos eram baseados na residência. Finalmente, o silêncio total dos registros romanos acerca desse censo é alegado por alguns como motivo para grande ceticismo. Mas diversas autoridades de peso (como Plummer, p. 48; Balmforth, p. 125; Finegan, LAP, p. 258) estão dispostas a considerar o relato como histórico, enquanto comentaristas conservadores como Geldenhuys (p. 104-6) estão fortemente a favor dele. (v. tb. o artigo “Pano de fundo histórico e político”)
v. 6,7. Os detalhes que Lucas fornece acerca do nascimento de Jesus causam a impressão de pobreza. José e Maria parecem não estar na posição de conseguir uma acomodação adequada; eles não possuem algo tão básico como um berço. Mais tarde, José vai apresentar a oferta dos pobres na apresentação no templo (v. comentário de 2.24).
O dia do nascimento. Não sabemos a época do ano; 25 de dezembro foi escolhido para marcar uma festa cristã como alternativa a uma festa pagã do sol no solstício de inverno. Balmforth (p. 128) diz que nada pode ser concluído da narrativa acerca da época do ano; Browning, no entanto (p. 45), diz que as ovelhas eram mantidas fora nos pastos da Judéia entre março e novembro. Com relação ao ano, também não temos certeza; um terminus ad quem' é fornecido pela morte de Herodes em 4 d.G.

6) Os anjos (2.8-20)
Entrementes, pastores que cuidavam dos seus rebanhos nos pastos não longe dali ouvem de um visitante angelical a notícia de que nasceu o Messias. Eles se apressam em prestar sua homenagem, tendo ouvido a confirmação da mensagem por um grande grupo das hostes angelicais. Depois de verem o bebê, anunciam as grandes boas novas.
v. 14. “ ... e paz na terra aos homens aos quais ele concede o seu favor”: O significado exato desse versículo tem sido muito debatido. A formulação da ARC, “boa vontade para com os homens”, depende de uma variante eudokia (nominativo) que textualmente não é tão bem fundamentada quanto eudokias (genitivo), “de boa vontade”. Assim, “a homens de boa vontade” é preferível a “boa vontade entre os homens”. Mas quem são esses “homens de boa vontade” ? O aspecto importante é que o uso no NT indica que a boa vontade se origina em Deus, e não nos homens. Os recipientes e objetos de sua boa vontade são homens aos quais ele concede o seu favor.
v. 15,17. Observe o interesse missionário de Lucas na difusão do evangelho, isso que aconteceu, e que o Senhor nos deu a conhecer (v. 15).
v. 17. contaram a todos: A presença de Deus foi manifestada a um grupo de homens 109 simples. Eles viram a glória dele brilhando em torno deles, como Moisés tinha visto a sua glória queimando na sarça ardente, e eles receberam — como Moisés tinha recebido — uma mensagem a proclamar.

7) A circuncisão e a apresentação (2.21-39)
José e Maria se esforçam para cumprir as exigências da lei: a circuncisão aparentemente em Belém e a purificação para a qual têm de viajar ao templo em Jerusalém. Aqui são saudados por duas pessoas extraordinárias, os idosos e devotos Simeão e Ana, que fazem declarações proféticas acerca da criança.
v. 21. Completando-se os oito dias para a circuncisão do menino: A Lei mosaica estabelecia (Lv 12.3) que os meninos deveriam ser circuncidados no oitavo dia após o nascimento. Lucas não diz nada acerca do significado doutrinário do ritual, mas, como tinha ocorrido no caso de João, isso tornou-se a ocasião de obedecer publicamente a Deus na designação do nome que ele havia indicado, v. 22-24. o tempo da purificação: Além da circuncisão, Lv 12.4-8 prescrevia o ritual de purificação 33 dias depois. A característica central era o sacrifício de um cordeiro (v. tb. Ex 13.2, citado aqui no v. 23), ou, se isso estava além das condições dos pais, podia-se oferecer um par de pombas como substituto. Que isso foi o que José ofereceu (v. 24), é mais uma evidência das condições precárias da família, v. 25. Havia em Jerusalém um homem chamado Simeão: Tudo o que sabemos de Simeão é o que Lucas nos conta aqui. Ele era justo no que tocava à Lei e devoto na forma de viver a religião; seu coração estava voltado para as esperanças messiânicas, e o Espírito Santo estava sobre ele. Ele já havia recebido a promessa de que viveria até a vinda do Messias; aqui ele está consciente de que a hora do cumprimento havia chegado. Simeão e Ana dão evidência de que na última década a.C. ainda havia na nação judaica homens e mulheres da mais elevada tradição do AT.
v. 29-32. Nunc dimittis. O velho homem se compara a um escravo cuja tarefa tem sido sondar o horizonte na expectativa do tão esperado visitante. Agora, ele relata ao seu senhor (o termo gr. é a nossa palavra “déspota”) que a sua esperança se cumpriu e reivindica o privilégio, tendo cumprido o seu turno, de se retirar do seu posto.
O cântico, como o de Maria e Zacarias, está repleto de associações com o AT. a tua salvação (v. 30): E aqui personalizada para Simeão na pequena criança que ele segura nos braços: “A simples presença no mundo desse bebê de Belém, muito antes que o seu ministério público pudesse ser cumprido por meio de palavras e atos, foi reconhecida como a manifestação da ação divina de salvação” (Stonehouse, p. 54). Essa salvação, colocada no contexto da expectativa da profecia do AT, seria universal, luz para revelação aos gentios (v. 32a; cf. Is 49.6), como também para a glória de Israel, teu povo (v. 32b).
v. 34,35. As palavras de Simeão a Maria. O profeta se dirige, então, à mãe do bebê, contando-lhe que a honra que possuía traria consigo também sofrimento, uma advertência de cuja veracidade ela já tinha consciência e uma indicação da forma em que a salvação seria cumprida.
v. 36. Estava ali a profetisa Ana, filha de Fanuel: Ana ocupa uma posição na narrativa correspondente à de Simeão, mas, enquanto as exatas palavras dele são registradas, no caso dela só é registrado o fato de que ela era profetisa, da tribo de Aser Alguns membros ao menos das dez tribos não tinham se perdido. Era muito idosa: A questão da idade de Ana é um tanto obscura. Há versões que sugerem que nessa época ela já era viúva havia 84 anos, e outras, que ela estava com 84 anos de idade. O RhBS Diglot diz: “O grego pode significar ou que estava com 84 anos de idade ou que já era viúva havia 84 anos” (p. 9 e nota).
v. 39. voltaram para a sua própria cidade, Nazaré, na Galiléia-, Inicialmente, não é fácil harmonizar o relato de Lucas dos eventos que seguiram imediatamente a infância de Jesus com os de Mateus, mas não é impossível. Uma discussão do problema pode ser encontrada na seção paralela de Mateus.

8) A infância e a visita a Jerusalém (2.40-50)
Depois dos eventos extraordinários que acompanharam a primeira infância de Jesus, a infância propriamente e a juventude dele nos são desconhecidas. Somente duas coisas são registradas: sua visita ao templo aos 12 anos e seu crescimento físico e espiritual (v. 40,52).
v. 41. Todos os anos seus pais iam a Jerusalém para a festa da Páscoa-, O judeu tinha a obrigação (Êx 23.17; Dt 16.16) de ir a Jerusalém para cada uma das grandes festas (Páscoa, Pentecoste, Cabanas), mas parece claro que na época do século I, até para os judeus que moravam na Palestina, o costume tinha sido reduzido a uma viagem anual. v. 42. doze anos de idade-, O menino judeu se tornava um “filho da aliança” aos 13 anos. De acordo com Edersheim (The Life and Times of Jesus the Messiah, 1883, i.235 e nota), a idade legal era antecipada em um ou até dois anos com respeito à visita ao templo. Jesus simplesmente acompanhou Maria e José. v. 46, 47. Depois de terem perdido Jesus de vista temporariamente, ele foi encontrado no templo, empenhado em fazer perguntas acerca da Lei aos escribas ali reunidos. Em dias de festas, os rabinos encontravam um público disposto a ouvir a sua instrução no pátio do templo, como o próprio Jesus fez numa ocasião posterior (19.47). Nessa ocasião, ele foi encontrado sentado aos pés de tais rabinos, v. 48-50. Quando o menino foi encontrado, sua mãe lhe perguntou com uma leve censura por que lhes tinha causado tanta aflição. A sua resposta indica que ele já estava consciente da missão divina que estava diante dele: Não sabiam que eu devia estar na casa de meu Pai?. “Ele era o Filho do Pai”, comenta J. N. Darby, “embora se submetendo ao tempo de Deus para mostrá-lo”.

9) Os anos de silêncio (2.51,52)
Depois dessa extraordinária revelação de vigilância intelectual e percepção espiritual em uma idade tão precoce, um véu é colocado novamente sobre a vida do nosso Senhor na sua família em Nazaré até o início do seu ministério público, dezoito anos mais tarde.
v. 52. O resumo geral do v. 40 é repetido, com a informação adicional de que outras pessoas reconheceram o seu caráter; no v. 40, a graça de Deus estava sobre ele no v. 52, ele ia crescendo em [...] graça diante de Deus e dos homens.

Índice: Lucas 1 Lucas 2 Lucas 3 Lucas 4 Lucas 5 Lucas 6 Lucas 7 Lucas 8 Lucas 9 Lucas 10 Lucas 11 Lucas 12 Lucas 13 Lucas 14 Lucas 15 Lucas 16 Lucas 17 Lucas 18 Lucas 19 Lucas 20 Lucas 21 Lucas 22 Lucas 23 Lucas 24


Nenhum comentário:

Postar um comentário