2016/10/14

Significado de Números 21

Significado de Números 21

Significado de Números 21



Números 21

21.1-3 — A primeira das vitórias dos guerreiros israelitas contra os cananeus veio durante um ataque feito pelo rei de Arade, cidade esta que estava localizada em Neguebe, a aproximadamente 32 km ao sul de Hebrom. Entretanto, é possível que a palavra Arade aqui mencionada faça referência a uma região um pouco mais ao sul, pois não há nenhum sinal de uma Arade deste período. Não é uma coisa incomum que os nomes dos lugares bíblicos “flutuem” de um lugar para outro com o passar dos séculos. O texto enfatiza que quem atacou foram os cananeus, e que tal atitude não fora provocada. Israel fez um voto de herem, consagração para a destruição, caso Yahweh lhe entregasse a vitória. Os israelitas lutaram corajosamente, e Deus lutou por eles. Os israelitas triunfaram sobre o exército de Arade e destruíram suas cidades. A vitória era o começo da gloriosa marcha até a Terra Prometida. Mas, como esperado, mesmo esta reviravolta não aconteceria sem problemas.
O nome Horma baseia-se na palavra herem, que é algo completamente destruído. É possível que o termo Horma, em Números 14.45, tenha sido fundamentado neste trecho. Isto é, a região da prévia derrota de Israel somente recebe este nome de forma adequada neste contexto. Para a conveniência do leitor, o nome foi inserido na história anterior.
21.4,5 — A longa jornada contornando a terra de Edom foi necessária, porque o rei desta cidade proibiu que Moisés e os israelitas atravessassem seu território (Nm 20.14-21). Após o resplendor da primeira vitória (Nm 21.1-3), esta rota foi particularmente desagradável para os israelitas, Mais uma vez, começaram a reclamar de Moisés e de Deus. Novamente protestaram (Nm 11.6) contra a provisão de maná, chamando-a de pão vil. Como o salmista mais tarde observou: quantas vezes o provocaram no deserto e o ofenderam na solidão (Sl 78.40). Demonstrando desprezo pelo trigo dos céus [pão dos céus, na nvi] (Sl 78.23,24), o povo israelita estava na verdade rejeitando Deus, que foi quem lhe deu o alimento miraculoso.
21.6 — A disciplina de Deus para as pessoas veio por meio de serpentes venenosas, que as morderam. O veneno dessas serpentes causou febres e mortes agonizantes às pessoas. E lembre-se de que naquela época não havia soro antiofídico.
21.7-9 — A dor causada pelas picadas venenosas fez com que as pessoas se arrependessem e rogassem a Moisés para que este intercedesse a favor delas. Deus instruiu Moisés para que fizesse uma imagem de uma serpente de bronze e colocasse-a em um poste. Quem tivesse sido mordido e olhasse para aquele símbolo viveria.
Jesus fez referência a esta atordoante imagem em Sua conversa com Nicodemos (Jo 3.14,15), fazendo uma analogia com a forma de execução que Ele sofreria, ao ser erguido numa cruz. Para os judeus, a crucificação era o sinal de uma maldição. Portanto, assim como os israelitas tiveram de olhar a repugnante imagem alçada de uma serpente para serem salvos, temos de olhar para a imagem de Jesus em uma cruz, a fim de que possamos ser remidos de nossos pecados. Desta forma, Jesus usou a passagem de uma vergonhosa rebeldia de Israel para explicar o significado de Sua morte vicária e salvífica.
Sendo assim, nessa passagem, temos a convergência de um símbolo duplo do Salvador: (1) o pão é a figura de Jesus como o pão dos céus. Ele é a Palavra, a adequada nutrição do povo; (2) a serpente é a ilustração de Cristo, que se tornou pecado por nós, quando foi pregado naquela terrível cruz. Sua maldição nos trouxe bênção; Sua morte nos trouxe vida.
21.10-13 — Os israelitas contornaram a região de Edom e entraram no território de Moabe, que estava a leste de Jericó. O lugar se tornou a nova parada, antes da conquista da terra.
21.14.15 — O livro das Guerras do Senhor faz referência a uma anterior coleção de cânticos e escritos conhecidos hoje somente por causa de sua citação. O fato de Números falar sobre um diferente manuscrito hebraico mostra que o povo hebreu possuía outra forma de literatura além das Escrituras. O nome desse cântico é difícil de traduzir para os dias de hoje. As palavras Vaebe em Sufá identificam coisas que são desconhecidas.
21.16-20 — A palavra beer significa poço. Finalmente, as pessoas chegaram a um lugar onde puderam cavar um poço e achar água boa. Deus graciosamente o proveu e deu-lhes uma amostra da Terra Prometida, local que logo habitariam. A poesia dos versículos 17 e 18 poderia ser chamada de O cântico do poço. Manatá, Naaliel, Bamote e o topo de Pisga não são lugares conhecidos por nós hoje. Estes locais foram apenas áreas de parada do povo ao longo da rota que levava à Terra Prometida.
A transferência de autoridade é sempre uma tarefa delicada. A troca de líderes pode representar uma grande tensão para uma organização à medida que as antigas alianças e as forças políticas deparam-se com novas idéias e coligações que, consequentemente, determinarão e moldarão o futuro.
A morte de Arão (Nm 20.22-29) foi um acontecimento importante em Israel. Ele não foi apenas o sumo sacerdote da nação, mas também o primeiro eleito por Deus. Ademais, Arão foi o principal porta-voz de Moisés (Êx 4.16; 7.1), além de ser seu irmão. 0 sucessor de Arão foi seu terceiro filho, Eleazar. Nadabe e Abiú, os filhos mais velhos do sumo sacerdote, foram consumidos pela ira de Deus após oferecerem o fogo estranho perante o Senhor (Lv 10.1-3). Assim, Eleazar era, de certo modo, a terceira opção para ocupar a posição de sumo sacerdote.
Apesar de todos os fatores já citados, dentre outros, a transição de Arão para Eleazar foi bastante suave. Talvez porque tenha sido o próprio Deus que supervisionara a transferência de autoridade. A Bíblia descreve várias outras transições, mas nem todas tão tranquilas quanto esta.
21.21-26 — A derrota de Seom, o rei dos amor-reus, começou com a negativa do pedido para atravessar sua terra, fato pareciío com a rejeição do rei de Edom (Nm 20.14-21). Mas, no caso de Edom, Deus não permitiu que Israel se engajasse em uma guerra para atingir seus objetivos. O território de Edom era protegido pelo Senhor por causa de uma antiga aliança (Gn 36; Dt 2.4,5). Todavia, nenhuma proteção similar foi concedida aos amorreus. Estes estavam entre os povos que Israel tinha autorização para destruir (Ex 33.2; 34.11). Seom não só rejeitou o pedido de Israel, como também se armou para a guerra contra os israelitas em Jaza. O povo de Deus derrotou Seom. Esta foi a primeira de suas vitórias a leste do rio Jordão. Israel conquistou todas as cidades que pertenciam aos amorreus. Tudo isso fazia parte dos planos de Deus: Seu povo viveria nas cidades de seus inimigos derrotados (Dt 2.26-37).
21.27-32 — O cântico de vitória nestes versículos provavelmente também veio do livro das Guerras (v. 14). De qualquer forma, esta passagem é notável por causa do uso das letras de antigos cânticos de vitória. Aqui, encontramos novamente uma canção de menosprezo, que celebra o triunfo de Israel sobre um exército.
A expressão pelo que dizem os que falam em provérbios não se refere a ditos sábios, como no livro dos Provérbios, mas sim aos dizeres de afrontas
começa com uma récita das prévias vitórias dos amorreus sobre o povo de Moabe e seu deus Camos. Após derrotar Seom e os amorreus, Israel se tornou uma grande ameaça a Moabe (Nm 22.3). Os versículos 31 e 32 fazem referência a outras invasões de Israel na terra dos amorreus.
21.33-35 — A derrota de Ogue, rei de Basã, aconteceu imediatamente após a vitória sobre os amorreus. Os israelitas conseguiram o controle de toda a terra a leste do rio Jordão e a norte do rio Arnom. Estas prévias vitórias faziam parte da santa guerra de Deus e foram celebradas por Israel como parte de sua tradição de adoração (Dt 3.1-11; Sl 135.8-12; 136.17-22). Deus, justa e fielmente, cumpriu Sua promessa a Abraão (Gn 15.7-21) de que um dia o pecado dos amorreus seria julgado e os descendentes de Seu servo habitariam em Canaã.

Índice: Números 1 Números 2 Números 3 Números 4 Números 5 Números 6 Números 7 Números 8 Números 9 Números 10 Números 11 Números 12 Números 13 Números 14 Números 15 Números 16 Números 17 Números 18 Números 19 Números 20 Números 21 Números 22 Números 23 Números 24 Números 25 Números 26 Números 27 Números 28 Números 29 Números 30 Números 31 Números 32 Números 33 Números 34 Números 35 Números 36

Um comentário:

Postar um comentário