Significado de Números 4

Significado de Números 4

Significado de Números 4



Números 4

4.1,2 — O livro de Números transcorre de uma maneira ordenada e planejada, seguindo o padrão do pensamento hebreu, que vai do geral ao específico, do inteiro até as partes. A numeração das tribos no capítulo 1 segue a ordem dos acampamentos no capítulo 2. A explicação geral dos deveres sacerdotais e das famílias levíticas e a questão do resgate dos primogênitos são os temas gerais do capítulo 3. Agora, no capítulo 4, são especificadas as funções das tribos levíticas. O fato de Coate ter precedido Gérson, que era provavelmente o irmão mais velho (veja a ordem em Nm 3.17), mostrava uma das marcas recorrentes da soberania de Deus: elevar os irmãos mais novos sobre os mais velhos (veja Abel e Caim, Isaque e Ismael, Jacó e Esaú, José e seus irmãos, Davi e seus irmãos, entre outros). O censo retratado neste capítulo foi diferente daquele no capítulo 3. Aqui, o recenseamento enumera aqueles com idades entre 30 e 50 anos, as pessoas que tinham capacidade de servir a Deus cuidando das coisas santas do tabernáculo.
4.3 — De acordo com Números 8.4, os levitas deveriam ter 35 anos de idade, o que contradiz os 30 anos mencionados aqui. O trabalho dos levitas e dos sacerdotes, a quem os primeiros serviam, era complexo e exigente. È possível que nos cinco anos de idade a mais mencionados em Números 8.24 esteja incluído um período de aprendizagem que preparava os servos do Senhor para lidar com as tarefas que teriam de executar.
4.4    — O cuidado e a preservação das coisas santíssimas foram dados aos coatitas (Nm 3.29-31). Os detalhes são citados nos versículos 4 a 20. Os coatitas não podiam tocar nos itens sagrados nem olhar casualmente para eles, senão morriam. A palavra Sagrado significa separado, afastado, distinto. Logo, a expressão coisas santíssimas faz referência aos itens e utensílios que foram separados do uso comum e destinados ao culto a Deus. Ao mesmo tempo, descrever Deus como sagrado, ou santo, faz alusão à Sua transcendência, ao fato de que Ele é inteiramente separado de Sua criação. Ele não está atrelado às coisas criadas, e tampouco pode ser confundido com estas.
4.5-20 — Este trecho bíblico apresenta uma complexa amostra do serviço, no qual ordem e estrutura são elementos importantes. As cores, texturas e camadas são aspectos estéticos. O cuidado com os detalhes é planejado. A hierarquia e a responsabilidade de uma pessoa são bem posicionadas, e a seriedade dos propósitos é inevitável. Acima de tudo, é impressionante a quantidade e o volume das coisas materiais que faziam parte dos cultos de adoração no antigo Israel. Todo este sistema não era obsoleto, mas altamente sofisticado; não era simples, mas de grande complexidade. Tais deveres devem ter ocupado os servos, mas não de forma comum.
4.6 — Os vários materiais usados no tabernáculo e seus móveis podem ter tido significados simbólicos para os antigos que não chegaram até nossos dias. Diante de nossos conceitos atuais, percebemos que os materiais eram valiosos e preciosos.
4.7-13 — As cores — incluindo o azul, o vermelho e o roxo — tiveram importantes papéis na adoração israelita.
4.14,15 — A forma de transportar as coisas sagradas do tabernáculo consistia em carregá-las a pé, segurando-as pelas barras de apoio. A triste história de Uzá, que tentou tocar na arca de Deus quando esta estava sendo carregada em um carro (2 Sm 6.6,7), é uma clara lembrança da importância da obediência total aos mandamentos e às leis de Deus.
4.16-20 — Os sacerdotes, a exemplo de Ele-azar, exerciam funções que só podiam ser executadas por eles. Qualquer outra pessoa que tentasse fazê-las seria morta. Isto era um presente maravilhoso, e também um aviso. Por um lado, Deus misericordiosamente permitia que os sacerdotes se aproximassem dele e o servissem. Por outro, se os sacerdotes fossem infiéis, ninguém poderia servir de substituto para eles. Os israelitas deveriam chegar perto de Deus da maneira como o Senhor orientou.
4.21-28 — Usando uma maneira de expressar parecida com a utilizada nas descrições das responsabilidades coatitas (v. 4-15), os gersonitas receberam seus deveres de forma mais detalhada do que a encontrada em Números 3.21-26. Eles eram os responsáveis pelas cortinas e por várias partes do sistema de adoração no tabernáculo. Permitia-se que estes homens tocassem nas coisas sagradas com as quais lidavam, mas não poderiam ser descuidados em seu trabalho. Itamar, o outro filho de Arão, foi nomeado o líder.
4.29-33 — As tarefas de Merari, mencionadas em Números 3.33-37, são reiteradas aqui. Os meraritas cuidavam das armações, dos travessões, das colunas e das bases do tabernáculo. Não havia trabalho relativo ao cuidado e à manutenção do santuário que não fosse importante. Cada mera-rita recebia a designação dos itens que deveria carregar. Itamar também ficou com a responsabilidade de supervisionar o trabalho de Merari, assim como o de Gérson.
4.34-39Conforme o mandado do Senhor. Esta expressão confirma a aceitação de Moisés às ordens divinas. Os números de cada família levítica podem ser observados de duas formas. Visto que estes números são menores do que os apresentados no capítulo 1, é possível que eles sejam arredondados para mais próximo de dez. Uma quantidade de levitas de cerca de 8.500 [2.750 dos coatitas (v. 36) + 2.630 dos gersonitas (v. 40) + 3.200 dos meraritas (v. 44) somam 8.580 (v. 44)] parece bastante adequada para uma população de 250 mil pessoas. Também é possível que estes números (como no caso dos números do censo tribal do capítulo 1) tenham sido multiplicados por 10, sendo o número total 858. Assim, a maior parte dos levitas seria consideravelmente ocupada.

Índice: Números 1 Números 2 Números 3 Números 4 Números 5 Números 6 Números 7 Números 8 Números 9 Números 10 Números 11 Números 12 Números 13 Números 14 Números 15 Números 16 Números 17 Números 18 Números 19 Números 20 Números 21 Números 22 Números 23 Números 24 Números 25 Números 26 Números 27 Números 28 Números 29 Números 30 Números 31 Números 32 Números 33 Números 34 Números 35 Números 36