2017/11/08

Ester 1 — Comentário Devocional

Ester 1 — Comentário Devocional

Ester 1 — Comentário Devocional


Ester 1

1.1 - A história de Ester tem início em 483 a.C., 103 anos após Nabucodonosor ter levado cativos os judeus (2 Rs 25), 54 anos após Zorobabel ter guiado o primeiro grupo de exilados de volta a Jerusalém (Ed 1; 2), e 25 anos antes de Esdras guiar o segundo grupo para Jerusalém (Ed 7). Ester viveu no reino da Pérsia, o reino dominante no Oriente Médio após a queda da Babilônia em 539 a.C. Os parentes de Ester deveriam estar entre os exilados que preferiram não voltar para Jerusalém, embora Ciro, o rei da Pérsia, tenha expedido um decreto permitindo que eles voltassem. Os exilados judeus desfrutavam de grande liberdade na Pérsia, e muitos permaneceram porque haviam se estabelecido ali ou temiam a perigosa jornada de volta à sua terra natal.

1.1 - Assuero foi o quinto rei da Pérsia (486-465 a.C.). Ele era orgulhoso e impulsivo, como podemos observar nos acontecimentos do primeiro capítulo. Seu palácio de inverno ficava em Susã, onde realizou o banquete descrito em 1.3 7. Os reis persas costumavam oferecer grandes banquetes antes de irem para a guerra. Em 481. Assuero lançou um ataque contra a Grécia. Após sua rápida vitória em Termópilas, ele foi derrotado em Salamina em 480 e teve que voltar para a Pérsia. Ester se tornou rainha em 479.

1.2 Neste contexto, 'fortaleza” significa “palácio”.

1.4 A celebração durou 130 dias (aproximadamente seis meses) porque seu verdadeiro propósito era planejar a estratégia de batalha para invadir a Grécia e demonstrar que o rei possuía riqueza suficiente para executá-la. Uma guerra não servia apenas como um fator de sobrevivência: era também um meio de adquirir mais riquezas, territórios e poder.

1.5-7 - A Pérsia era o poder mundial, e o rei, como centro deste poder, era uma das pessoas mais ricas do mundo. Os reis persas adoravam ostentar suas riquezas, usando pedras preciosas ate mesmo em suas barbas. As joias eram um indicativo de posição social para o homem persa. Até mesmo os soldados usavam muitas jóias de ouro nas batalhas. 

1.9 - Antigos documentos gregos chamam a esposa de Assuero de Amestris, provavelmente uma forma grega para Vasti. Ela foi destituída em 483/482 a.C., mas é mencionada novamente nos registros antigos como a rainha-mãe durante o reinado de seu filho, Artaxerxes, que sucedeu Assuero. Ao final do reinado de Assuero. Ester poderia já ter morrido ou Vasti conseguiu recuperar sua influência perdida através do seu filho.

1.10 Alguns conselheiros e oficiais do governo eram castrados para que não pudessem ter filhos e então se rebelarem tentando estabelecer uma dinastia própria. Um oficial castrado era chamado de eunuco.

1.10,11 - Assuero, influenciado pelo vinho, tomou uma decisão precipitada, baseada em seus sentimentos. Seu autocontrole da sabedoria prática foram enfraquecidos pelo excesso de vinho. Quando alguém não pensa com clareza toma decisões erradas. Baseie suas decisões em cuidadosas análises, e não na emoção do momento. Decisões impulsivas sempre causam grandes problemas.

1.12 - A rainha Vasti se recusou a desfilar diante dos amigos do rei, possivelmente por ser contra o costume persa uma mulher apresentar-se diante de uma reunião pública de homens. Este conflito entre o costume persa e a ordem do rei colocou-a em uma difícil situação, e ela escolheu não obedecer à ordem de seu marido embriagado, na esperança de que ele, mais tarde, recobrasse o juízo. Alguns sugerem que Vasti estava grávida de Artaxerxes, que nasceu em 483 a.C. e não queria ser vista em público naquele estado. Qualquer que tenha sido o motivo, sua atitude foi uma quebra de protocolo que também colocou Assuero em situação difícil. Se uma ordem era expedida por um rei persa, ele nunca pode ria revertê-la (leia nota sobre 1.19). Enquanto se preparava para invadir a Grécia. Assuero havia convidado muitos importantes oficiais de todo o império para ver o seu poder, riqueza e autoridade. Caso sua autoridade sobre a própria esposa fosso colo cada em dúvida, sua credibilidade militar — o maior critério de sucesso para um rei da antiguidade — seria prejudicada. Além disso, o rei Assuero estava acostumado a ter o que queria.

1.15 - Os reis do Oriente Médio não costumavam ter um relacionamento pessoal com suas esposas. Assuero demonstra isso porque 1) possuía um harém (2.3); 2) não demonstrou respeito pela pessoa de Vasti (1.10-12); 3) Ester, quando se tornou rainha, não o via por longos períodos de tempo (4.11).

1.16-21 - Talvez o pensamento desse conselheiro tenha sido obscurecido pela bebida. Com certeza esta lei não fez com que as mulheres daquele país respeitassem a seus maridos. O respeito entre homem e mulher vem da mútua apreciação como seres criados a imagem de Deus, não de ordens e pronunciamentos legais. A obediência forçada é um substituto pobre para o amor e o respeito que esposas e maridos devem ter uns pelos outros.

1.19 - O rei persa era tido como um deus por muitos de seus súditos; assim sendo, quando expedia uma lei ou ordem, ela permanecia para sempre (leia notas 8.8 e Dn 6.8,9). Outra lei poderia ser expedida para neutralizai os efeitos de uma antiga lei.



Nenhum comentário:

Postar um comentário