segunda-feira, julho 23, 2018

Israel no Evangelho de Mateus

Israel no Evangelho de Mateus

Israel no Evangelho de Mateus

Ninguém pode negar que o evangelho de Mateus contém algumas acusações contundentes dos líderes religiosos judeus. Mateus 23 é quase totalmente tomado por uma ladainha dos problemas de Jesus contra os escribas e fariseus de Israel, levando um comentarista a aconselhar os leitores que “um expositor cristão não tem obrigação de defender tal massa de vitupérios”.

Esse não é o fim da questão. Já foi dada atenção à declaração de Jesus aos líderes judeus de que “o reino de Deus será tirado de vós e dado a um povo que produzirá seus frutos” (21:43). Mais cedo, Mateus registrou a afirmação de Jesus de que “os súditos do reino serão lançados para fora, nas trevas, onde haverá choro e ranger de dentes” (8:12). Em outra ocasião, quando Jesus discordou dos escrúpulos judaicos sobre a limpeza, Seus discípulos perguntaram: “Vocês sabem que os fariseus ficaram ofendidos quando souberam disso?”, Ao que Jesus respondeu: “Toda planta que meu Pai celestial não plantou será puxado pelas raízes. Deixe-os; eles são guias cegos” (15:12–14).

Estas parecem ser afirmações tenazmente cortantes sugerindo que qualquer lugar que Israel possa ter ocupado como o povo escolhido de Deus é agora uma coisa do passado. Quando essas declarações são combinadas com o relato do grito de responsabilidade de Israel em conexão com a morte de Cristo, a consequência parece terrivelmente clara: “Que o seu sangue esteja sobre nós e sobre nossos filhos!” (27:25). Pode haver alguma dúvida de que Mateus retratou Israel como um povo irremediavelmente reprovado?

Sim, pode. De fato, Mateus espera que Israel um dia dê as boas-vindas a Jesus como seu Messias. Várias referências no evangelho de Mateus apontam nessa direção. Uma é no capítulo 1, onde o anjo de Deus falou sobre a obra que Jesus realizaria. O anjo disse a José que Jesus “salvará o seu povo dos pecados deles” (1:21). Um intérprete concluiu que “isto dificilmente pode ser interpretado como significando o povo judeu no contexto do primeiro evangelho”, embora ele não forneça nenhuma evidência para essa alegação, possivelmente porque o termo particular usado aqui para se referir a “pessoas” é usado em todas as outras ocasiões em Mateus (treze vezes, na verdade) para se referir aos judeus.

Por si só, esse dado linguístico pode ser uma questão de relativa pouca importância. Mas a primeira ocorrência das citações do Antigo Testamento de Mateus em Mateus 2:6 também se refere a Jesus como alguém “que será o pastor do meu povo Israel” (2Sm 5:2; 1Cr 11:2). Israel é aqui uma referência secreta à igreja, ou o ministério de Jesus a Israel em sua primeira vinda cumpriu as expectativas do texto? A resposta parece não ser em ambos os casos. Quando Mateus usou o termo “Israel” (treze vezes), sempre significou Israel étnico. E Jesus dificilmente pode ser dito como alguém a pastorear um povo que se recusa a reconhecer Sua liderança.

São suas indicações de que Mateus abrigou esperança para a futura conversão de Israel? Dois versículos ajudam a responder a essa pergunta de maneira afirmativa. Um já foi mencionado em relação à discussão sobre o futuro papel do Filho do Homem e Seu reino, referido em 19:28. Jesus disse aos discípulos que “quando o Filho do Homem se assentar no seu trono glorioso, vós que me seguiram também se sentarão em doze tronos, julgando as doze tribos de Israel.” A repetição do número doze é significativa aqui, particularmente desde Mateus sabia que Judas não era mais membro do bando apostólico (cf. 28:16: “Então os onze discípulos foram à Galileia”).

A referência repetida a doze chama a atenção para as doze tribos, a companhia completa da agora dispersa nação de Israel. Jesus parece ter dito aos seus discípulos que Ele não deixará de cumprir a tarefa que lhe foi ordenada. Ele salvará o seu povo de Israel. E Ele se tornará seu pastor de acordo com as expectativas estabelecidas para ele.

Isto obviamente não aconteceu em Sua primeira vinda. Existe alguma outra indicação no evangelho de que isto será realizado em Sua segunda vinda? Aqui um segundo texto é relevante. A última palavra nesse capítulo 23 é uma palavra de esperança. Jesus falou à cidade de Jerusalém, dizendo a seu povo: “Vós não me verás novamente até que diga: ‘Bem-aventurado aquele que vem em nome do Senhor’” (23:39). Estas palavras, extraídas do Salmo 118:26, aguardam o reconhecimento por Israel de que Jesus é realmente o Cristo de Deus.

A declaração pode ser interpretada como uma condição (“se você disser, então você verá”), mas o primeiro e último versos são um lembrete de que um aspecto importante do salmo é expressão de louvor a Deus por Sua fidelidade: “Dê graças ao Senhor, porque ele é bom; o seu amor dura para sempre” (Salmos 118:1, 29). E a ênfase geral no evangelho com relação à fidelidade de Deus à Sua Palavra sugere que a leitura dessa citação como uma declaração de segurança quanto ao futuro de Israel corretamente apreende o significado dessas palavras.

Aprofunde-se mais!
Se, então, Mateus viu que uma missão a Israel deve continuar até a volta de Jesus e também ter esperança para o sucesso final dessa missão, seu evangelho tem algo a dizer sobre o relacionamento de judeus e cristãos em geral? Esta é outra questão que está sujeita a debate. No entanto, pode ser abordado a partir do ponto de vista de uma discussão sobre a lei em Mateus.