quarta-feira, agosto 08, 2018

Estudo sobre Salmos 73

Estudo sobre Salmos 73

Estudo sobre Salmos 73

O Salmo 73 serve como uma excelente introdução ao Livro 3 dos Salmos, que pondera o problema do sofrimento do povo de Deus, Israel, nas mãos de seus inimigos. Como poderia ser justo que ímpios nações pagãs como Assíria e Babilônia desfrutassem de prosperidade e poder, enquanto o povo escolhido de Deus, Israel, sofreu derrota e cativeiro? Como poderia um Deus justo e poderoso permitir que tais coisas aconteçam? Este é o principal problema abordado no Livro 3 dos Salmos.

Embora o Salmo 73 seja uma excelente introdução à consideração do problema histórico enfrentado por Israel, ele tem uma aplicação muito mais ampla. Como o salmo fala em termos muito gerais, é aplicável a todo problema que incomoda os crentes de todos os tempos e lugares. Hoje, os crentes também ficam irritados quando veem traficantes e pornógrafos ficando ricos. Eles estão preocupados quando ouvem falar de ditadores opressivos escondendo fortunas em contas bancárias na Suíça. Como pode um Deus justo permitir tal injustiça? O Salmo 73 responde a essa pergunta perene.

Asafe sabia e acreditava que Deus é bom para o seu povo e que ele pune os ímpios. Mas as observações de Asafe do mundo real pareciam contradizer o que ele acreditava. Quando ele olhou ao redor, viu muitas pessoas piedosas sofrendo. Ele viu muitas pessoas más prosperando. Talvez sua crença estivesse errada. Ele pensou: “Talvez Deus realmente não se importe com certo e errado. Talvez Deus seja impotente para destruir o mal. Talvez não haja Deus.

A prosperidade dos ímpios era tão perturbadora para Asafe que ele corria o risco de perder sua fé. Por isso, ele decidiu pensar mais sobre esse problema.

No início, a meditação de Asafe não lhe fez bem. Isso simplesmente fortaleceu suas dúvidas. Os maus não eram apenas ricos e poderosos; parecia que a maldade deles era a principal causa de suas riquezas e poder. Pareceu que o crime compensava. Para piorar a situação, esses malfeitores estavam orgulhosos de sua maldade. Eles se gabavam de seus pecados como os pecadores atuais que participam de programas de entrevistas para se deleitarem em seus pecados ou que escrevem livros para obter riqueza de sua maldade. Como os escarnecedores dos dias de hoje, falavam palavras arrogantes contra Deus.

O versículo 10, “portanto, o seu povo se volta para eles e bebe águas em abundância”, é difícil de traduzir e explicar. Parece significar que algumas pessoas de vontade fraca estão tão impressionadas com a prosperidade dos ímpios que se juntam a elas para compartilhar seus ganhos ilícitos. Eles dizem: “É óbvio que Deus não sabe ou não se importa com os atos malignos dos poderosos, então podemos também seguir seu exemplo. Então, seremos tão ricos e poderosos quanto eles.” Esse tipo de pensamento parecia tão plausível que estava começando a soar bom até mesmo para Asafe.

Asafe estava à beira de uma queda terrível. Esse pensamento passou por sua mente: “Certamente em vão mantive meu coração puro; em vão lavo as mãos em inocência” (versículo 13). Parecia uma perda de tempo ser um crente. Mas esse mesmo pensamento chocou Asafe de volta à realidade. Por que ele estava servindo a Deus? Foi apenas para conseguir algo para si mesmo, ou foi porque ele amava a Deus? Por que ele estava indo bem? Foi para ganhar alguma coisa para si mesmo, ou foi porque era a coisa certa a fazer? À beira do desastre, Asafe acordou e começou a pensar com mais clareza. Ele percebeu que precisava olhar além das aparências atuais para realidades eternas e definitivas.

Asafe percebeu que o problema que o estava intrigando foi resolvido por dois fatos inabaláveis.

Aprofunde-se mais!

Um era o julgamento certo dos ímpios. Embora eles estejam em uma posição elevada agora, eles estão empoleirados em uma ladeira escorregadia. Eles podem e serão varridos daqui a pouco. Sua queda pode ocorrer nesta vida. As fortunas podem ser perdidas em um dia. Líderes respeitados caem em desgraça e desfavorecem. Os bandidos são "apagados" e os ditadores são derrubados ou assassinados. Sim, os ímpios realmente estão em terreno escorregadio.

Mas mesmo que consigam manter sua riqueza e poder até o fim de suas vidas, não podem levar nada com eles. Como o homem rico que ignorou o pobre Lázaro, eles se encontrarão no inferno, onde sua antiga riqueza e poder não lhes servirão de nada. Eles suportarão uma morte eterna, separada da graça de Deus e de todas as suas bênçãos. O que beneficiará um homem assim de ter ganho o mundo inteiro se perder sua própria alma?

Asafe perguntou-se como ele poderia ter sido tão estúpido a ponto de quase cair nas iscas enganosas dos ímpios. Não apenas os ganhos ilícitos dos ímpios certamente serão tirados deles, mas Asafe já tinha algo muito melhor do que suas riquezas e fama - o favor e a presença de Deus. Asafe lembrou que as maiores riquezas do crente não são as bênçãos terrenas ou eternas que Deus nos dá, maravilhosas como são. O maior tesouro dos crentes é o próprio Deus. A comunhão com Deus é deles, agora e para sempre. Eles sempre têm essa bênção, mesmo que a situação na Terra pareça sombria no momento.

Confortado por essa verdade, Asafe encontra força para olhar além dos problemas do presente para a comunhão que desfruta com Deus agora e para a forma ainda mais gloriosa que essa comunhão assumirá na eternidade. Com sua fé renovada, Asafe expressa seu prazer em seu relacionamento com Deus. O salmo fecha triunfalmente com a confissão da fé de Asafe e sua promessa de compartilhar as boas novas dos grandes feitos de Deus com os outros.

A história da vitória de Asafe sobre a dúvida é uma lição valiosa para nós, porque muitas vezes lutamos com as mesmas dúvidas. Quando estamos perturbados ou irritados com a aparente prosperidade dos ímpios, como Asafe devemos olhar além das aparências atuais para o resultado final. Então, como Asafe, podemos vencer nossas dúvidas e esperar pacientemente pelo julgamento justo de Deus, que punirá todo mal e recompensará todos aqueles que permaneceram fiéis a ele.

Fonte: Brug, J. F. (2001). The People's Bible (p. 9). Milwaukee, Wis.: Northwestern Pub. House.