2018/08/07

João 13 — Explicação Fácil

João 13 — Explicação Fácil
João 13 — Explicação Fácil

13:4, 5 Começou a lavar os pés dos discípulos: Lavar os pés dos convidados era feito sempre pelo mais humilde dos servos. Foi considerado uma tarefa subalterna. Talvez Jesus tivesse esperado por um dos discípulos para realizar essa tarefa, mas eles estavam evidentemente debatendo quem deveria ser o maior (cf. Lucas 22:24-27). O objetivo da ação era dar um exemplo (v. 15) e não estabelecer uma ordenança. Ele disse: “Faça o que eu fiz com vocês” e não “faça o que eu fiz para vocês”. Foi uma lição sobre humildade e serviço que eles precisavam muito.

Aprofunde-se mais! 



13:9, 10 Se um convidado tivesse se banhado adequadamente em casa, apenas seus pés precisariam ser limpos. Jesus diz que o banho inteiro não é necessário porque Pedro já foi lavado (salvo). Jesus usa o comentário de Pedro para sugerir que um traidor estava no meio deles. Um deles precisa do banho inteiro, mas não é o Peter. Lavados (leloumenos) devem ser traduzidos “banhados”. O corpo todo precisava disso. Lavar (nipsasthai) é traduzido corretamente. Apenas as mãos e os pés precisavam disso. Essa mesma palavra é usada nos versos 5, 6, 8, 12 e 14. No versículo 13, lavar os pés não significa que Ele não era o seu Senhor; em vez disso, mostrou que a obra do Senhor era de serviço (cf. Filipenses 2:6-8).

13:14, 15 Lave os pés uns dos outros: Jesus está apenas dando um exemplo, não estabelecendo uma ordenança. Há pouca evidência de que a igreja primitiva praticou a lavagem dos pés, exceto como um costume social. A prática não é mencionada em Atos. A única outra menção no Novo Testamento é 1 Timóteo 5:10, onde as viúvas podem ser providas pela igreja somente se tiverem praticado este costume especificamente sobre os santos.

13:23 Um de seus discípulos: O discípulo a quem Jesus amava era João. Pedro acenou para ele pedir a Jesus para identificar o traidor. Pedro estava carregando uma espada (cf. 18:10). Talvez ele pretendesse usá-lo sobre o culpado nessa ocasião.

Resumo: João 1 João 2 João 3 João 4 João 5 João 6 João 7 João 8 João 9 João 10 João 11 João 12 João 13 João 14 João 15 João 16 João 17 João 18 João 19 João 20 João 21

13:26 Um anfitrião frequentemente distinguia um convidado de honra dando-lhe um bocado de escolha mergulhado no molho e colocando-o na sua língua. Compare isso com o beijo de Judas no jardim. Evidentemente, só João ouviu a explicação desse ato. Veja o versículo 28.

13:30 E era noite: dada a imagem da luz contra a escuridão na escrita de João, essa observação não deveria passar despercebida. O Senhor Jesus está prestes a envolver as forças das trevas. Esta é a “hora” que ele espera há muito tempo.

13:31 Agora ... glorificado se refere à morte, sepultamento e ressurreição de Cristo (cf. 12.31).

13:37, 38 A profissão de Pedro revela seu orgulho. Jesus prevê exatamente a resposta oposta de Pedro que Pedro afirma que ocorreria. Esta é a segunda das três vezes em que João contrasta Pedro com Judas. Veja também os capítulos 6 e 18.

Nenhum comentário:

Postar um comentário