segunda-feira, dezembro 17, 2018

O Milênio e as Interpretações Teológicas

Apocalipse 20

O milênio refere-se a um período de mil anos esperado por alguns textos escatológicos cristãos e judeus como a fase intermediária que se aproxima, antes do pleno restabelecimento do reino de Deus. No NT, é explicitamente mencionado apenas em Apocalipse 20, mas pode ser referido no texto anterior de 1 Coríntios 15:23-28 e no texto posterior de 2 Pedro 3:8. O milênio funciona como uma recompensa para os servos de Deus que permanecem fiéis em meio à perseguição, “aqueles que são firmes até o fim”, nas palavras de um trecho de Apocalipse. Além disso, o milênio em Apocalipse estabelece um duplo contraste: entre a impotência do mal e a autoridade de Cristo e entre o destino do mal e a recompensa que aguarda os santos. Interpretação do milênio é crucial para a escatologia; a indefinição do consenso sobre o significado do milênio reflete-se nas diversas concepções escatológicas que abundam.

1. O Milênio no Novo Testamento
1.1. Apocalipse 20. Apocalipse 20 contém as únicas referências explícitas no NT a um reinado temporário de mil anos (chilia etē) de Cristo. Apocalipse 20:4–6 é uma das passagens mais difíceis do livro, mas é claro que a função do milênio é recompensar os servos de Deus que permanecem fiéis através das provações de sua fé.

Há várias coisas a se notar sobre o período milenar, como é descrito em Apocalipse 20. Primeiro, o diabo é “amarrado” e “jogado no poço”, que é então selado para evitar que ele “engane as nações” durante esse intervalo (Ap 20:2–3). Segundo, Cristo reina ao longo desta época, atestado pelo silêncio e ausência da atividade do maligno. Embora Paulo não mencione o período de mil anos, alguns estudiosos inferem de 1 Coríntios 15:23-28 que ele também acredita em um período intermediário em que Cristo “deve reinar até que tenha posto todos os seus inimigos debaixo de seus pés” (1 Coríntios 15:25).

Uma terceira coisa a notar sobre os mil anos do Apocalipse é que aqueles que foram martirizados por sua confissão de Jesus reinarão com ele durante este tempo (Ap 20:4, 6; ver Martírio). O texto identifica aqueles que reinam com Cristo como mártires, mas alguns intérpretes tomam isso como sinônimo de “todos os cristãos” (por exemplo, Sweet). Isso, por sua vez, afeta nossa compreensão de quem são “os outros mortos” (Ap 20:5). Eles são não cristãos? Ou deveríamos considerar a leitura mais direta de que “o restante dos mortos” são não-martirizados, tanto cristãos quanto não-cristãos?

Uma quarta observação é que não há menção da relação deste milênio com a época da Segunda Vinda de Cristo (ver Parousia). Cristo retorna antes ou depois do milênio? Esta questão não é explicitamente respondida por Apocalipse 20.

Uma quinta coisa a notar é que os mil anos não significam o estabelecimento permanente do reino de Cristo, mas são retratados como um governo temporário, um interregno antes do fim. Após este hiato de mil anos, o diabo será “solto por um pouco” (Ap 20:3, 7; cf. Ap 12:12), os cristãos que não foram martirizados por sua fé serão ressuscitados (Ap 20:5) e, finalmente, os mortos serão julgados (Ap 20:12) e a morte destruída (Apocalipse 20:14). Depois disso vem o eterno reino de Deus: “Então vi um novo céu e uma nova terra” (Ap 21:1; veja o Céu; Julgamento; Reino de Deus; Satanás).

1.2. 2 Pedro 3:8. Em 2 Pedro 3:8 pode haver uma referência implícita a um reino milenar: “Mas não ignore este único fato, amado, que com o Senhor um dia é como mil anos, e mil anos são como um dia”. O contexto sugere que 2 Pedro reflete uma escatologia como a do Apocalipse, pois aqui encontramos os leitores que enfrentam dúvidas sobre a segunda vinda de Cristo porque eles não percebem nenhuma mudança no tecido da história (2 Pe 3:4). O autor lembra-lhes a imprevisibilidade do Dia do Senhor, que vem como um bandido (2 Pe 3:10). Como em Apocalipse, o que se segue é um “novo céu e uma nova terra, onde habita a justiça” (2 Pe 3:13).

Mesmo assim parece que 2 Pedro 3:8 é mais provavelmente um eco do Salmo 90:4 do que da escatologia de Apocalipse. A ênfase em 2 Pedro 3 não está na percepção humana ou no símbolo do comprimento do reinado intermediário de Cristo (como em Apocalipse 20), mas em como a vasta linha do tempo humano parece tão breve para Deus. Nas palavras do salmista: “Por mil anos à tua vista são como ontem, quando é passado, ou como um relógio de noite” (Salmo 90:4 NRSV).

2. Milênio no Pensamento Judaico Apocalíptico e Patrístico Precoce.
2.1. Milênio apocalíptico judaico. Apocalipse 20 baseia-se em temas escatológicos tradicionais, mas os constrói de uma maneira única. Os apocalipses judaicos deste período são diversos tanto em temas como em formas literárias (cf. 1 Enoque 91:12-17; 4 Esdras 7:26-30; 12:31-34; 2 Apoc. Bar. 29-30; ver Apocalíptico). A revelação é distintiva, ainda que deva à sua base judaica para formas literárias, idéias teológicas, imagens simbólicas e a maneira como interpreta textos do AT. A relação do Apocalipse com esses outros apocalipses não é de dependência literária, mas sim de uma tradição comum que assume diferentes formas nas diferentes fontes que utilizam. A revelação é tão semelhante e diferente dos apocalipses judaicos como são uns dos outros, e as diferenças são pronunciadas quando levamos em conta a orientação cristã do Apocalipse. Ou seja, o reinado dos mártires com Cristo durante os mil anos não se parece mais com o apocalíptico judaico (Gourgues). A Revelação de João é distinta devido à sua particularidade como palavra pastoral às igrejas cristãs da Ásia Menor, perto do final do primeiro século cristão (Bauckham, 1993).

Elementos semelhantes da expectativa milenar do Apocalipse são evidentes em um trabalho cristão contemporâneo judaico. A Ascensão de Isaías é um acréscimo cristão palestino ao martírio judaico de Isaías. Lá, a expectativa de um ressurgimento como o do anticristo antes do fim é descrita. Beliar, “um rei da iniquidade, um assassino de sua mãe”, dominará e enganará pouco antes do fim da era maligna (Asc. Isa. 4.1-13). Então Deus lança Beliar e seus servos na Gehenna, “e ele dará descanso ao piedoso que ele encontra no corpo neste mundo” (Asc. Isa. 4.15). A oferta de descanso acaba por ser uma característica significativa do período milenar. Como em Apocalipse 20, a promessa do milênio é a oferta de alívio da perseguição.

2.2. Resistência e aceitação do milênio no início do pensamento patrístico. Papias é o primeiro pensador patrístico a adotar a crença no milênio (Irineu Haer. 5.33.4; Eusébio Hist. Eccl. 3.39). Ele ensinou explicitamente que os mil anos não devem ser tomados num sentido alegórico. Seu testemunho é crucial, já que ele afirmou ser um “ouvinte” de João.

O ensino milenar não foi universalmente aceito na igreja primitiva. Justino Mártir teve que dirigir-se à audiência greco-romana que sustentava que não há ressurreição, mas sim uma ascensão imediata da alma ao céu. Justino fez questão da crença ortodoxa de que haverá um milênio e um corpo de ressurreição, e detalhou a cena do milênio como a Jerusalém restaurada profetizou sobre o velho (Justino Dial. Trif. 80–81). Ele admite que nem todos os cristãos são desta mente, mas ele exorta que “cristãos de mente direita” concordam com ele. Orígenes (c. 185–254) foi o primeiro escritor patrístico ortodoxo a tentar desacreditar uma interpretação milenar de Apocalipse 20:4–6.

Desde a Epístola de Barnabé, incluindo quase todos os pais da igreja primitiva, a expectativa do milênio era de um período de mil anos de descanso dentro da estrutura de uma semana universal de sete mil anos. A história foi dividida em períodos de sete mil anos, paralelos aos sete dias da história da criação. O período final do tempo, o milênio, era para ser um período de descanso como o sétimo dia da criação, quando “Deus terminou o trabalho que ele havia feito e descansou no sétimo dia” (Gn 2:2). Naturalmente, 2 Pedro 3:8 e Apocalipse 20 foram lidos como parte dessa compreensão dispensacionalista da história (por exemplo, Barn. 15.3-9). De acordo com Barnabé, o sábado milenar é seguido pelo “oitavo dia” da nova criação (Barn. 15.8; cf. Irenaeus Haer. 5.32-39).

3. Interpretações Contemporâneas do Milênio.
3.1. História da Interpretação. Desde o literalismo do período da igreja primitiva, houve três fases principais na interpretação do milênio. (1) A interpretação alegórica ou espiritual do reinado de mil anos foi adotada pelos exegetas mais influentes do quarto ao décimo oitavo séculos. (2) No último século, a visão da maioria sugere que o autor não está excessivamente preocupado em criar um esquema escatológico totalmente consistente. Quando há inconsistências aparentes, elas são atribuídas aos materiais escatológicos tradicionais díspares que o autor reuniu em seu mosaico apocalíptico (por exemplo, Court). (3) Uma tendência recente na interpretação é desconsiderar as preocupações cronológicas em favor do discernimento do frete teológico do texto. Essa abordagem sugere que o Apocalipse usa uma imagem tradicional da futura era messiânica para comunicar uma mensagem essencialmente teológica e, portanto, não sobre o tempo (por exemplo, Mealy).

3.2 Interpretações pré-milenares, pós-milenares e amilenistas. As interpretações atuais tendem a cair em um dos três grupos, pré-milenista, pós-milenista e amilenista. Aqueles que tomam a menção do Apocalipse de mil anos como um período real que se estende por mais de mil rotações da Terra ao redor do Sol são geralmente pré-milenistas. O rótulo refere-se à sua crença sobre quando o retorno de Cristo (1 Tessalonicenses 4:17) acontecerá em relação ao governo milenar de Cristo. Os pré-milenistas acreditam que o retorno de Cristo mencionado em 1 Tessalonicenses 4 acontece antes do reino milenar.

Alguns pós-milenistas também acreditam em um reinado literal de mil anos de Cristo, que é então seguido pela Segunda Vinda de Cristo. Outros pós-milenistas acreditam que os mil anos representam a eficácia atual do evangelho na era atual, após a qual Cristo retorna. Nem o pré-milenismo nem o pós-milenismo são explicitamente apoiados por Apocalipse 20, uma vez que não menciona o retorno de Cristo.

Amilenistas não acreditam que “mil anos” se refere a um período de tempo literal. É um símbolo para todo o período entre a primeira e segunda vinda de Jesus. Esta interpretação foi defendida inicialmente por Agostinho de Hipona. Agostinho leu Apocalipse através de uma lente paulina. Colossenses 3:1 e Efésios 2:6 declaram que já somos “ressuscitados com Cristo” e “entronizados com Cristo em lugares celestiais”, e isso deve significar que o reinado dos santos com Cristo (Apocalipse 20:4–6) deve descrever o atual reinado dos cristãos (Agostinho Civ. D. 20.6-20). A dificuldade desta linha de interpretação é que ela deve negligenciar a atual experiência do mal no mundo, que o autor do Apocalipse transmite é devido à consciência do mal da falta de tempo que resta para cobrir e corromper (Apocalipse 12:12). Uma variação dessa visão é tomar o milênio para representar não toda a era da igreja, mas somente os períodos de suspensão da perseguição.

3.3. Comentários conclusivos. A busca por um calendário cósmico que trama os dias e semanas futuros, de acordo com o livro do Apocalipse, é equivocada. A mensagem do livro não está nos detalhes, mas no impacto em uma igreja sitiada. Aqueles cristãos precisavam ouvir o que o Apocalipse tinha a oferecer, que o sofrimento é temporário, mas uma experiência necessária daqueles que professam a Cristo em uma era corrupta; que Cristo e a igreja finalmente prevalecem sobre este mal presente; que os crentes devem manter a fé mesmo através do sofrimento; e que a justiça e a paz de Deus acabarão prevalecendo, mesmo que ainda não seja evidente para nós. Esta é a mensagem do Apocalipse para a igreja militante em todas as épocas: a igreja, como Cristo, em breve triunfará. Paciência e fidelidade são necessárias, mas logo nos uniremos a “todos os santos que descansam de seus trabalhos”.

BIBLIOGRAFIA. R. J. Bauckham, The Climax of Prophecy:Studies on the Book of Revelation (Edinburgh: T&T Clark, 1993); idem, Jude, 2 Peter (WBC; Waco, TX:Word, 1983); H. Bietenhard, “The Millennial Hope in the Early Church,” SJT 6 (1953) 12–30; R. G. Clouse, ed., The Meaning of the Millennium: Four Views (Downers Grove, IL:InterVarsity Press, 1977); J. M. Court, Myth and History in the Book of Revelation (London:SPCK, 1979); M. Gourgues, “The Thousand-Year Reign (Rev 20:1–6):Terrestrial or Celestial?” CBQ 47 (1985) 676–81; J. M. Ford, “Millennium,” ABD 4:832–34; J. W. Mealy, After the Thousand Years: Resurrection and Judgment in Revelation 20 (JSNTSup 70; Sheffield:JSOT, 1992); R. H. Mounce, The Book of Revelation (NICNT; Grand Rapids:Eerdmans, 1977); J. P. M. Sweet, Revelation (WPC; Philadelphia:Westminster, 1979).
B. J. Dodd

Nenhum comentário:

Postar um comentário