2020/07/31

Comentário de Gálatas 5 em PDF

Comentário de Gálatas 5 em PDF

Comentário de Gálatas 5 em PDF


5:1 Paulo acreditava que, apesar de os gálatas terem recentemente adotado o falso evangelho (1:6-7) de serem justificados pelas “obras da lei” (2:16), eles ainda podiam permanecer firmes e rejeitar a vista. Paulo estava perguntando: “Se você foi libertado da escravidão uma vez, por que você voltaria a ela?”

 

5:2-3 A questão principal era se os gálatas haviam adotado tão completamente a perspectiva dos judaizantes que agora agiriam nessa visão sendo circuncidados (ver nota em 2:3). Provavelmente foi esse dilema que levou Paulo a mencionar anteriormente que Tito, um gentio como os Gálatas, não fora “obrigado a ser circuncidado” em Jerusalém (2:3), embora os judaizantes tivessem exercido pressão nessa direção. Paulo lembrou aos gálatas que aqueles que são circuncidados são obrigados a guardar toda a lei (ver nota em 5:11-12).

 

5:4 Tentar ser justificado pela lei era o oposto polar de ser justificado pela graça de Deus através da fé em Cristo. Alienado (gr.: katargeo) significa “ser cortado”. Sendo circuncidados e buscando justificação diante de Deus pela lei, os gálatas estavam se separando de Cristo. Nesse contexto, caído da graça refere-se a se afastar ou perder a perspectiva de salvação pela graça através da fé.

 

5:5-6 Paulo declarou que a esperança de justiça a longo prazo diante de Deus é através da vida pela fé no poder do Espírito Santo.

 

5:7-10 Os Gálatas começaram a correr bem a corrida da vida cristã, mas os professores judeus os impediram de continuar. A implicação da afirmação proverbial. Um pouco de fermento leveda toda a massa, é que, mesmo que o ensino dos judaizantes fosse inicialmente aceito por apenas alguns nas igrejas da Glória, ele se espalharia rapidamente.

 

5:11-12 Aparentemente, um boato dos professores judeus alegou que Paulo ainda pregava a circuncisão em certas circunstâncias, evidentemente um mal-entendido das ações de Paulo destinadas a “tornar-se todas as coisas para todas as pessoas, para que eu possa, por todos os meios possíveis, salvar alguns” (1Co 9:22). Nesse espírito, Paulo tinha Timóteo circuncidado (At 16:3). Mas Timóteo foi circuncidado para se tornar judeu etnicamente, para que ele pudesse ministrar aos judeus. Isso não tinha nada a ver com se tornar um cristão. Os que o estão perturbando foram os professores judeus que enfatizaram a circuncisão.

 

5:13-14 Paulo expressou preocupação com o oposto comportamental do cativeiro: licenciosidade (uma oportunidade para a carne; ver nota nos vv. 19-21). Ele também expandiu sua referência inicial ao amor (ver nota nos vv. 5-6). Embora seja tolice “submeter-se novamente a um jugo de escravidão” (v. 1) na tentativa de cumprir a lei, é correto ser servo de outros crentes “por amor”. Paulo disse que amar o seu próximo como a si mesmo cumpre toda a lei.

 

5:15 A frase morder e devorar um ao outro provavelmente se refere a “uma oportunidade para a carne” (v. 13) e aguarda com expectativa partes da lista de “obras da carne” (vv. 19-21). Aparentemente, Paulo ouvira dizer que havia sérias dissensões nas igrejas de Galácia. Ele os alertou que tais atitudes e comportamentos os destruiriam (gr.: analisko; “consumir, devorar”).

 

5:16-18 Os crentes galaciano eram inimigos espiritualmente. Essa luta contínua de fortes desejos (epítome do gr.: “desejo, desejo”) é o motivo pelo qual era necessário andar conscientemente pelo Espírito em fé (v. 5). Essa era a única maneira de não realizar o desejo da carne. A evidência da liderança do Espírito é “o fruto do Espírito” (vs. 22-23).

 

5:19-21 A “carne” é geralmente entendida como a natureza pecaminosa da humanidade que continua mesmo depois que uma pessoa se torna cristã. Alguns intérpretes entendem que a humanidade está em seu estado não salvo, com seus pensamentos pecaminosos e padrões de comportamento continuando após a conversão. Quando o desejo da carne tem vantagem, os trabalhos da carne são óbvios (gr.: phaneros; “evidente, visível”). Alguns são pecados graves, mas muitos são frequentemente vistos como um comportamento “aceitável”. O ponto de Paulo é que esse tipo de comportamento como padrão de vida (prática) é suficiente para fazer com que uma pessoa não herde o reino de Deus (veja a lista em 1Co 6: 9-10). Assim, um legalista não pode ser justificado pelas “obras da lei” (Gl 2:16) e uma pessoa licenciosa é excluída do reino de Deus pelas obras da carne.

 

5:22-23 A ilustração dos frutos lembra a videira e os ramos que produzem frutos (Jo 15:1-5). A menção de amor primeiro na lista remonta a Gl 5:6,13-14. Esse comportamento amoroso vem através do poder do Espírito Santo pela fé. O autocontrole (gr.: egkrateia; “manter paixões e apetites”) é colocado em último lugar na lista para enfatizar, porque todas as obras da carne refletem a falta de autocontrole. Não há necessidade de lei proibitiva quando a vida das pessoas exibe amor e autocontrole.

 

5:24-26 Os cristãos pertencem a Cristo Jesus e foram crucificados com Ele (2:20), juntamente com suas paixões e desejos. Essa crucificação é seguida pela ressurreição viva - pelo Espírito (2Co 5:17). A maneira lógica de viver é seguir o Espírito e não voltar para as paixões e desejos da carne (Gl 5:19-21).


Índice: Gálatas 1 Gálatas 2 Gálatas 3 Gálatas 4 Gálatas 5 Gálatas 6


Nenhum comentário:

Postar um comentário