2009/06/25

Comentário de João 18:2-3

18:2 - E também Judas que traiu ele, conhecia o lugar,... Esta característicomentario biblico, evangelho de joão, novo testamentoca é dada de Judas, para distingui-lo de outro discípulo do mesmo nome, e que embora ainda não tivesse traído ele, mas foi determinado que ele assim o faria, e Cristo sabia que ele já estava prestes a fazê-lo: e observa-se que Judas estava tão bem familiarizado com o local de descanso de Cristo, e que ele sabia que o jardim era usado frequentemente para esse propósito, assim como o resto dos discípulos, para mostrar que Cristo não foi para lá para se esconder e se proteger, mas para encontrá-lo, e para que ele pudesse ter uma oportunidade de encontrá-lo com o maior caso:

Pois Jesus muitas vezes se retirava para lá com os seus discípulos... Quando, em Jerusalém, em qualquer das festas, a nesta festividade; em parte para revigoramento e descanso depois que ele havia pregado no templo, e em parte para a oração, e também para a conversa privada com os seus discípulos.

18:3 - Judas, em seguida, após ter recebido um grupo de homens,... Do capitão deste bando, que em João 18:12; é chamado de "Quiliarca", isto é, um comandante de um milhar de homens, onde poderíamos concluir que havia tantos neste bando, mas ao que parece, que tal funcionário pode tem dois bandos sob o seu comando, e se este foi o caso, havia pelo menos quinhentos homens nesta sociedade, um grande número de fato, para ter uma pessoa desarmada, e ainda, como se isso não fosse suficiente, é adicionado...

E os oficiais dos principais sacerdotes e fariseus;... Agentes que pertenciam a cada um destes, e que parece ser também um número considerável, pois estes são ditos como sendo “uma grande multidão”; Mat. 26: 47; ou melhor, não só isso, mas os principais sacerdotes, capitães do templo, e os anciãos do povo, eles estavam entre eles, Luc. 22: 52; para ver que os homens fizeram o seu trabalho, e não voltar sem ele, uma vez que estes agentes, quando enviados por eles, uma vez antes, fizeram:
[1]

Vieram de lá com lanternas, e tochas e armas: פנס, o que não é diferente da palavra grega usada aqui para lanterna, os judeus nos dizem (u) que foi um vaso de barro, na qual foi colocada uma vela e uma cobertura, para que o vento não pudesse apagá-la, e tinha buracos nos lados da mesma, através do qual a luz continuava a iluminar, os seus לפיד, ou “lâmpadas”, aqui traduzida por “tocha”, dizem eles (w), também era um vaso de argila sob a forma de um junco, no topo da qual era um recipiente adequado, no qual eles queimavam trapos velhos mergulhados em óleo: agora, embora fosse lua cheia, sendo o tempo da Páscoa, eles trouxeram essas coisas consigo para descobri-lo pela luz, e para encontrá-lo através delas, se ele se esconde-se entre as árvores, ou em qualquer um dos locais mais sombreados no jardim, e eles levaram instrumentos bélicos, como espadas, lanças, e coisas dessa natureza, como se eles tivessem um ladrão ou assassino para prender, ou um pequeno exército de homens para a qual se encontrariam; onde havia somente Cristo, e os seus onze discípulos, e estes, em nenhuma condição, nem tinham qualquer intenção, de defender-se de uma forma hostil.


____________
Notas

(u) Maimon. & Bartenora em Misn. Celim, c. 2. sect. 4.
(w) Ib. em sect. 8.
[1] Cf. João 7:45-48. N do T.

Nenhum comentário:

Postar um comentário