2009/06/25

Comentário de João 18:35-36

18:35 - Pilatos respondeu, sou eu um Judeu?... Isto disse ele, com uma espécicomentario biblico, evangelho de joão, novo testamentoe de escárnio e desprezo, de que não era um judeu, nem pelo nascimento, nem pela religião, e assim nunca tinha tido qualquer das suas noções sobre um Rei Messias, nem lido nada sobre ele, e não sabia nada de seus distintivos traços e propriedades, pela qual ele foi descrito, e poderia ser conhecido, e, portanto, mantinha-se, que aquilo que ele tinha dito, embora não expresso, não era de si, do seu próprio conhecimento ou observação, mas surgiu a partir de algumas indicações e sugestões que os Judeus tinham dado a ele:

A tua própria nação e os principais sacerdotes te entregaram a mim; Isto é, os homens de sua nação, os seus compatriotas Judeus, que melhor compreendia as suas próprias leis e livros de profecia, e de que as expectativas tinham sido criadas a partir daí, relativas à seu rei, e o seu reino; e os principais dos sacerdotes, que foram considerados os homens de maior instrução, piedade e integridade, eles mesmos tinham trazido ele amarrado diante dele, que tinha entrado com uma acusação contra ele, e ele o tinha entregue em suas mãos , como um inimigo de César, e um traidor do seu governo:

O que tu tens feito? Como uma ocasião de tal tratamento, e como o fundamento de tal acusação; certamente deve haver algo nisso, ou homens dessa natureza nunca iria acusar um alguém completamente inocente, e ainda mais, um de seu próprio país!

18:36 - Jesus respondeu, o meu reino não faz parte deste mundo,... Ao dizer isso, ele tacitamente afirma que era um rei: tal como ele foi estabelecido, e ungido por seu Pai desde toda a eterna; foi profetizado no Antigo Testamento; declarado pelo anjo, tanto quando ele trouxe a notícia de sua concepção, e do seu nascimento,
[1] que foi detida por muitos,[2] que o conhecia como assim sendo nos dias de sua carne, e desde a sua ressurreição, ascensão, e colocação à mão direita de Deus, ainda mais manifestamente parece ser um: ele também declara que ele tinha um reino, pelo que ele quer dizer, não o seu reino natural e universal, como Deus, o Criador e Governador de todas as coisas, mas o seu reino mediatório, administrado tanto nos dias de sua carne, e depois de sua ressurreição, que inclui toda a Dispensação do Evangelho, o estado visível da Igreja de Cristo na terra, e toda a eleição da graça; que engloba aquilo que será no final do tempo, no último dia, o que vai ser mais espiritual, e em que Cristo vai reinar com toda a sua gloria, e, também, o reino de Deus, nos céus, com a última glória: a totalidade do que não é deste mundo, os assuntos do reino de Cristo não são do mundo, eles são escolhidos e chamados para fora do mesmo; o reino em si não aparece em pompa e esplendor mundanos,[3] nem é apoiado pelo vigor mundano, nem administrado por leis mundanas; nem diz muito respeito ao externo dos homens, como o estado interno deles; nem promete recompensas temporais e mundanas. Cristo não quer dizer que não está “neste” mundo, mas não é dele, e, portanto, não irá falhar, quando este mundo faz, e os seus reinos.[4] Qualquer coisa que é carnal, sensual, e mundana, devem ser removidas de nossas concepções acerca do reino de Cristo, aqui ou daqui por diante: a isso concorda com alguns escritores judaicos, que dizem do reino do Messias, e os seus assuntos:

“O Messias (eles dizem (o)) é separado do mundo, porque ele é absolutamente intelectual, mas o mundo é corpóreo; como o Messias, então, deveria ser neste mundo, quando o mundo é corpóreo, e ענין המשיח הוא אלהי לא גשמי, “o negócio do Messias ser divino, e não corpóreo?””

E uma vez que este foi o caso, nem César, ou qualquer governo civil, tinha qualquer razão para ser desconfortável pelo motivo dele ser um rei, e com um reino, uma vez que o seu reino nem nenhum exemplo sequer, feriu qualquer outro: e que esta era a natureza de seu reino, ele comprova pelo seguinte motivo;

Se o meu reino fosse deste mundo, então meus servos lutariam para que eu não fosse entregue aos Judeus: Se reino de Cristo tivesse sido um governo mundano, criado por mundanas opiniões, e governado com política mundana, e fosse para corresponder a algumas finalidades mundanas, Cristo teria agentes suficientes entre os Judeus para tomarem o seu lado, tomarem armas em seu favor contra os romanos; os próprios discípulos não teriam permitido que ele tivesse sido traído às mãos dos Judeus por Judas, nem ele iria impedi-los de sua tentativa de salvamento, como fez Pedro; nem os Judeus teriam permitido que ele fosse entregue à Pilatos para colocá-lo à morte, uma vez que teriam um Príncipe como cabeça entre eles, que, faria uso do seu poder, e que seria capaz de conduzir todas as forças romanas para fora do país, e obrigar uma submissão geral entre os Judeus, ao cetro do Seu reino:

Mas, de fato, meus reino não é desta fonte;… Não vem, não procedeu, nem é apoiado por princípios mundanos; portanto, nenhum desses métodos acima forma usados.


______________
Notas
(o) R. Juda Bezaleel Nizeach Israel, fol. 48.
[1] Cf. Lucas 1:32, 33. N do T.
[2] Cf. Lucas 2:19. N do T.
[3] Cf. Lucas 17:20, 21. N do T.
[4] Cf. Daniel 2:44. N do T.

Nenhum comentário:

Postar um comentário