2009/06/25

Comentário de João 18:4-5

18:4 - Jesus, portanto, sabendo todas as coisas,... Como sendo o Deus ocomentario biblico, evangelho de joão, novo testamentonisciente, assim o seu conhecimento chega a todas as pessoas e coisas, sem qualquer limitação e restrição, embora aqui, se refira a todas as coisas...

Que deve vir sobre ele;... Mesmo todos os sofrimentos que ele deveria suportar, que foram todos determinados por Deus; acordados por ele, no pacto da graça; previsto no Antigo Testamento, e anunciada por ele mesmo: ele sabia de todas as circunstâncias que assistiria os seus sofrimentos, uma vez que ele deveria ser traído por Judas, ser abandonado pelo resto de seus discípulos, que os judeus lhe dariam fel e vinagre em sua sede, e os soldados lançariam sortes sobre seu vestuário: ele sabia o tempo dos seus sofrimentos; e que havia agora chegado, e que Judas e sua turba não estavam muito longe, e por isso, saiu do jardim, ou, pelo menos, dessa parte onde ele estava, e com ele os seus discípulos: isso foi feito para mostrar a sua disposição voluntário de sofrer; ele...

Saiu de sua própria vontade, ele não se escondeu no jardim, como o primeiro Adão fez:
[1] ele não ficou até que aqueles procuravam a sua vida vieram até ele: ele saiu, para não fazer sua fuga dele, mas para encontrá-los, e fazer-se conhecido para eles...

E disse-lhes: A quem procuram? Esta questão foi colocada, não por ignorância, pois ele sabia muito bem a quem eles estavam buscando: nem com um desenho para enganá-los, e fazer sua fuga, mas para mostrar que ele não estava com medo deles, e que eles não poderiam tê-lo conhecido, nem o tomado, se não tivesse ele lhes dado a conhecer, e oferecido-se a eles, e que ele estava disposto a ser apanhado por eles, que ele foi detido por sua vontade, e voluntariamente sofrido.
[2]

18:5 - Responderam-lhe: Jesus de Nazaré,... A sua resposta é não, “a ti”, porque eles não o conheciam, seus olhos estavam trancados, ou atingidos com imprecisão, ou cegueira, como os homens de Sodoma foram,
[3] ou aqueles que responderam talvez nunca o tivesse conhecido pessoalmente: nem dizem “Cristo”, pois eles o rejeitaram, e negaram ser ele o Messias, nem o chamaram de enganador, ou pessoa sediciosa, como eles às vezes disseram, tentando eles encobrir seus objetivos e intenções maliciosas, mas, Jesus de Nazaré, um nome pelo qual era vulgarmente conhecido, a ser tomado a partir de sua educação e conduta naquele lugar,[4] embora, às vezes, isso tenha-lhe sido dado em uma forma desdenhosa:

Jesus disse-lhes: eu sou [ele];... Ou “eu sou”, com respeito ao seu nome, Jeová, afirmando ser o Cristo, e se referindo debaixo do nome que lhe agradou ser chamado; que mostra como ele estava disposto a ser levado por eles, e nos ensinar a não ter vergonha dele, ou de qualquer termo que podemos suportar pela sua causa:

E Judas, que o traiu, também estava com eles,... Esta circunstância é registrada para mostrar que Judas, à princípio, não o reconheceu, tanto quanto o resto que estava com ele, de modo que ele poderia facilmente ter passado deles se fosse essa a sua vontade, e que Judas não veio com eles como um espectador ocioso, ele veio com eles para traí-lo, e estava procurando ele, embora quando ele falou, ele não o conheceu: ela também exprime a diferente companhia que Judas estava, um pouco tempo atrás, ele estava na ceia com Cristo, e os outros discípulos, e agora está ele à frente de uma turba de soldados, e outros, para traí-lo, e, também, a sua continuidade em sua iniquidade e resoluções ímpias e acordo, como ainda não tinha remorsos de consciência, ou sentido de seu pecado, e ele parece ser mencionado também com esta perspectiva, para nos informar que ele caiu no chão, com o resto, como mostra em João 18:6. O Judeu (x) afirma que há um desacordo entre o Evangelista João e o restante dos Evangelistas neste relato: ele observa que, quando Judas chegou com seus homens armados para apoderar-se de Jesus, Jesus saiu para enfrentá-los, e perguntou-lhes, dizendo: a quem buscais vós? Dizem, Jesus de Nazaré, a quem ele responde, eu sou ele, e, em seguida, Judas, que o traiu, estava com eles: no entanto, Mateus, no seu Evangelho, Mat. 26:47, e Marcos, Mar. 14: 43, e Lucas, Luc. 22: 47; dizem que Judas deu um sinal para os soldados, quando eles vieram para prender Jesus, dizendo-lhes: quem eu beijar, deite mãos nele, e assim eles fizeram isso. Mas aqui não é uma contradição, João não nega que Judas deu um sinal para os soldados; embora ele omita isso, sendo assim particularmente observado pelos outros evangelistas, e apenas relata o que não é não tomado conhecimento por eles, e, de forma que, não contradiz o que eles têm afirmado: a força da oposição parece residir aqui; que, de acordo com os outros evangelistas, Judas, logo que ele entrou no jardim, reconheceu Cristo, e deu o sinal pela qual ele poderia ser conhecido, ao passo que ele é aqui mencionado como estando com os soldados e oficiais, e vendo que tal sinal foi dado, ele devia ser, e foi reconhecido por ele, enquanto ele está aqui representado como se ele não fosse conhecido por ele, até que ele se manifestou a eles, e que, assim como Judas tinha dado o sinal, eles imediatamente o prenderam, que, de acordo com este relato, não, até que algumas palavras haviam se passado entre Cristo e eles, e eles primeiro caíram ao chão. Em resposta à pergunta, o que pode ser dito é que, pode se admitir que Judas foi até Cristo assim que ele entrou no jardim, e deu o sinal para os soldados, o que imediatamente após ele, pôde ser retirar e colocar-se entre a multidão, quer para dar novas direções e instruções para eles, ou para que eles pudessem defendê-lo de Jesus, se houve algum necessidade para isso: e, embora possa ser permitido que o sinal foi dado por Judas antes disso, não pôde ele ser discernido pelos soldados, ou não, até que eles estivessem perto o suficiente para observá-lo, ou, como alguns pensam, até que eles fossem atingidos com cegueira, por um tempo, como os Sodomitas foram, ou mesmo admitindo que ele foi visto, e eles sabiam que era Jesus, ainda é uma completa prova da coragem e intrepidez de Cristo sair, e apresentar-se a eles, e colocar as perguntas que ele lhes fez, e confirmar-lhes a verdade sobre ele, que ele era Jesus, a quem procuravam: a que pode ser acrescentado, que não parece que Cristo foi imediatamente preso pelos soldados, após o sinal dado a eles por Judas, sem algumas palavras e ações, pois, embora o sinal e a apreensão dele estivesse muito perto nos relatos de Mateus e Marcos; ainda assim Lucas relata muitas coisas entre eles, como a questão dos discípulos, se devem eles bater com a espada; Pedro cortando a orelha do servo do sumo sacerdote; Cristo o repreendendo, e curando a orelha do agente, e alguns discursos, que se passou entre ele e os principais sacerdotes, capitães, e os anciãos. Tudo que concorda com o relato do evangelista João dado aqui.


______________
Notas

(x) R. Isaac Chizzuk Emuna, par. 2. c. 56. p. 445, 446.
[1] Cf. Gênesis 3:8. N do T.
[2] Cf. João 10:18. N do T.
[3] Cf. Gênesis 19:11. N do T.
[4] Cf. João 1:46. N do T.

Nenhum comentário:

Postar um comentário