2009/06/25

Comentário de João 18:8

Jesus respondeu-lhes: Já vos disse que eu sou ele,... Isto disse ele, reprovancomentario biblico, evangelho de joão, novo testamentodo-os, por causa da estupidez deles, significando que ele estava pronto a entregar-se em suas mãos, e que ele o fez com coragem e serenidade, só nessa condição pelos seus discípulos;

Se vós, pois, procurais a mim, deixar que estes sigam seu caminho: Cristo estava prestes a sofrer por eles, e, portanto, não era justo que eles devem sofrer muito, nem era bom que eles deveriam sofrer com ele, para que o sofrimento deles não fosse pensados como fazendo parte do preço do resgate. Além disso, o tempo para o sofrimento deles ainda não havia chegado, e eles tinham outro trabalho para fazer: isto mostra o amor de Cristo aos seus discípulos, o seu cuidado por eles, e também o seu poder, e que ele mesmo poderia ter se salvado, assim como eles. Além disso, estas palavras podem ser consideradas como um emblema e o penhor da quitação pelos eleitos de Deus, por meio da segurança da realização; Cristo que chamou para perto de Deus estes sobre a sua conta, substituir-se, ficando no lugar deles, e comprometendo-se no Conselho e no Pacto da paz, e estabeleceu-se na obrigação de pagar as suas dívidas, a satisfação por seus pecados, para nos trazer uma eterna justiça, para guardar-lhes e preservar-lhes neste mundo, e torná-los felizes para a vida eterna. Assim, na plenitude do tempo, foi feita ao abrigo da lei, e ficou em seu lugar, e foi levado, sofreu, morreu e levantou novamente. Agora, como houve uma realização e quitação dos mesmos a partir da eternidade, uma não-imputação dos pecados deles, e uma liberdade e garantia de os deixaremeles ir em liberdade devido a sua garantia e pagamento, e em virtude desse fato, passando por alto, e desconsiderando os pecados dos santos do Antigo Testamento,
[1] por isso, foi feito um quitação e pagamento de todas elas, após a apreensão, sofrimento, morte e ressurreição de Cristo; completa libertação da ira e condenação foi obtida, e um título completo para a eterna glória. Além disso, estas palavras podem ser consideradas não apenas e simplesmente como faladas dos judeus, mas como endereçadas a lei e da justiça de Deus,[2] ou, no entanto, que tenha alguma relação com elas, no entanto, dirigida aos outros, pois a justiça encontrando os pecados de todos os escolhidos, mediante Cristo, a quem o Pai tinha estabelecido, levou-os sobre si mesmo, a quem estava sendo então procurado, e procurando-o para a satisfação das mesmas; e ele estar sob a lei, e que vem ao mundo para cumpri-la, no lugar do seu povo, estava prestes a assumir a maldição; por isso vendo que este foi o caso, ele insiste sobre isso, que os que foram condenados como transgressores pela lei, e detidos ao abrigo da mesma, como criminosos condenados e malfeitores, e que foram responsáveis, tal como considerado em si mesmo, para serem apreendido pela justiça de Deus, e para terem a sentença de condenação e morte executadas sobre eles, ele em, diz: deixe-os ir, e nesse sentido, mediante a satisfação feita por Cristo, é este o caso: o povo de Cristo já não estão ao abrigo da lei, como um ministério de condenação e morte, nem passível de sofrer a ira vingativa de Deus, são livres de se tornarem as maldições de um direito justo, e que são deixados irem pela justiça divina, e, pela qual, nunca irão sofrer estas dores, nem neste mundo, nem no por vir; não existe mais procura nem exigência para ser feita sobre eles, quer pela lei ou a justiça de Deus; não há castigo ou punição que deverá ser infligida sobre eles, seja aqui ou no futuro, e que podem, e devem seguir o caminho para a vida eterna, quando o tempo não haverá mais tempo, nem a lei, nem justiça para dizer o contrário.


___________
Notas
[1] Cf. Romanos 3:25. N do T.
[2] Cf. Gálatas 4:3-5. N do T.

Nenhum comentário:

Postar um comentário