2009/07/01

Introdução Bíblica: Livro de João

Escritor: Apóstolo João
Lugar da Escrita: Éfeso, ou perto
Escrita Completada: c. 98 EC
Tempo Abrangido: Depois do prólogo, 29-33 EC

HÁ MUITO TEMPO SE RECONHECE que o Evangelho segundo João difere significativamente dos outros Evangelhos. Possui personagens e eventos que os outros três não mencionam, e carece de histórias que se destaquem neles. Ele usa uma linguagem rica em simbolismo e nuances sutis de significado. Ironia e paradoxo são comuns em João; as pessoas muitas vezes entendem mal o que Jesus diz, mas de uma forma que abre novos níveis de significado. Em vez de falar em parábolas e dizeres curtos sobre o reino de Deus, Jesus fala em monólogos longos e difíceis sobre si mesmo, sua relação com Deus e a necessidade de acreditar nele. Desde o segundo século EC, é comum pensar em João como o “Evangelho espiritual”, mais teológico do que histórico. Um estudo recente, no entanto, mostrou que João tem uma certa base na história.

Cenário Histórico
DE TODOS OS EVANGELHOS DO NT, João apresenta de longe a imagem mais hostil das relações entre Jesus e os judeus. Ao longo do livro, Jesus repreende “os judeus” por não reconhecerem ou entendê-lo. Por sua vez, eles tentam apedrejá-lo, e as pessoas que o confessam como o Messias são expulsas da sinagoga para que seus discípulos tenham “medo dos judeus” (9:22; 16:2; 20:19). Mesmo assim, Jesus e seus discípulos eram eles próprios judeus! Não é provável que judeus cristãos tenham sido expulsos das sinagogas antes dos anos 80, e mesmo assim isso não aconteceu em todos os lugares.

É agora amplamente reconhecido que este estado de coisas reflete as circunstâncias não do próprio Jesus, mas de um grupo cristão alguns anos após sua morte. O Evangelho segundo João parece ter sido escrito no final do primeiro século em uma comunidade cristã específica que estava passando por uma dolorosa separação da sociedade judaica à qual seus membros pertenciam. Sua afirmação de que Jesus era o Messias, e de fato o Filho de Deus, trouxe ação disciplinar das autoridades da sinagoga (que aparentemente pertenciam aos fariseus; ver 7.45–48; 12.42). Para alguns, a punição apenas encorajou sua confissão de fé. Outros aparentemente procuraram permanecer na sinagoga como cristãos secretos (12.42-43; 19.38).

É importante lembrar, então, que quando João fala dos “judeus”, não se refere ao povo judeu como um todo. Em algumas passagens (por exemplo, caps. 7, 11) a tradução “judeus” é possível, talvez refletindo tensões entre galileus e judeus na época de Jesus. Geralmente, no entanto, o referente final parece ser as autoridades da sinagoga de um determinado tempo e lugar que eram hostis ao movimento cristão, embora outra opção possa ser aqueles crentes judeus cuja fé, ou sua coragem em expressá-la, ficou aquém do escritor visualizar. Muito provavelmente, os debates hostis entre “os judeus” e Jesus em João indicam a intensidade do conflito entre as autoridades da sinagoga e a comunidade cristã judaica na qual este Evangelho foi escrito.

Propósito
O OBJETIVO DO EVANGELHO é afirmado claramente em 20.31: encorajar seus leitores a acreditar que Jesus é o Messias e o Filho de Deus. Dadas as circunstâncias históricas esboçadas acima, isso provavelmente significa que o objetivo do livro era inspirar os membros da comunidade a manter sua crença durante uma época conturbada, em vez de converter estranhos. Muitas coisas em João têm significado apenas para aqueles que já são cristãos. No entanto, mesmo os descrentes que estão abertos à mensagem cristã podem achar a poderosa apresentação simbólica de João de Jesus como a Luz do Mundo e o Pão da Vida comovente e atraente.

Autor e Fontes
UMA TRADIÇÃO que remonta ao segundo século identifica o autor deste Evangelho como João, o filho de Zebedeu, um dos discípulos de Jesus. Visto que o livro também fala de um “discípulo a quem Jesus amava” e parece conectá-lo com sua escrita (19:26, 35; 21:20-24), esse “discípulo amado” muitas vezes foi identificado com João. No entanto, o próprio Evangelho não faz essa identificação e nem menciona João nem nomeia seu autor. Pode ser que o autor tenha desenvolvido o livro a partir de tradições sobre Jesus transmitidas por um de seus discípulos. A figura do discípulo amado pode fazer alusão a esse indivíduo, embora o personagem cumpra claramente alguns papéis literários importantes, exemplificando a dedicação que deve caracterizar um discípulo ideal. Também foi sugerido que um documento anterior com foco nos “sinais” milagrosos de Jesus (2.11) foi incorporado ao Evangelho. Depois de sua primeira escrita, João foi evidentemente expandido ainda mais: caps. 15–17 e 21 parecem ter sido adicionados posteriormente, pelo autor original ou por alguém dos mesmos círculos.

João é, portanto, um livro com uma história complexa cujas origens não são inteiramente claras para nós. No entanto, mesmo que seu autor não possa mais ser identificado com certeza, sua concepção de Jesus permanece importante.

Data e local da escrita
JOÃO SEMPRE FOI RECONHECIDO como o mais recente dos quatro Evangelhos. Suas referências à expulsão de cristãos da sinagoga e sua teologia altamente desenvolvida sugerem uma data na última década do primeiro século ou nas primeiras décadas do segundo século. A tradição do segundo século colocou a escrita de João em Éfeso, e isso continua sendo possível, embora outros lugares também tenham sido sugeridos.

Teologia e Formação Religiosa
JOÃO IMPERA MAIS FORÇA sobre a divindade de Jesus do que qualquer um dos outros Evangelhos, tanto que Jesus é apresentado como um estranho a este mundo (8:23). Tais crenças foram o foco do conflito entre a comunidade cristã e as autoridades da sinagoga, o que deixou a própria comunidade se sentindo alienada do mundo. Vários paralelos com a linguagem e o pensamento de João são encontrados em outros escritos religiosos antigos, incluindo os Manuscritos do Mar Morto e outros escritos judaicos, textos greco-romanos como o Corpus hermeticum e textos especulativos e esotéricos do segundo século associados ao “gnóstico “Círculos. Junto com o conflito na sinagoga, as influências de tais tradições podem ter tido uma parte no desenvolvimento dos traços distintivos deste Evangelho. João afirma claramente que as ideias da comunidade sobre Jesus mudaram após a vida de Jesus e descreve esse desenvolvimento como a obra do Espírito Santo (12:16; 14:25-26; 16:12-13). Ao afirmar que o divino Filho de Deus verdadeiramente “se tornou carne”, ou seja, era totalmente humano, João apresenta a crença cristã de que em Jesus Deus entrou na história humana para salvar os seres humanos. Quaisquer que sejam as outras tradições que possam ser apropriadas, esta crença é central para o simbolismo e os paradoxos deste Evangelho.




Escrito por DAVID K. RENSBERGER, revisado por HAROLD W. ATTRIDGE.




Fonte: The HarperCollins Study Bible. Ed. geral: Harold W. Attridge. Ed. Orig.: Wayne A. Meeks. Digital Edition May 2017, ISBN: 978-0-06-257004-8.

Nenhum comentário:

Postar um comentário