Provérbios 25:1-28 — Significado e Explicação

Provérbios 25

25.1-5 A prata só tem valor depois que as impurezas são removidas. Da mesma forma, a perversidade precisa ser removida de um rei para que seu trono seja de fato legítimo.

25.6, 7 O sábio não deve procurar autopromover-se ou exaltar-se diante dos demais. Esta questão é um tema recorrente na Bíblia. Inclusive, Jesus exortou sobre isso em Lucas 14.11. A quem já os teus olhos viram. Esta expressão reflete o costume da Antiguidade de nunca olhar nos olhos de um superior até receber autorização para tal (Is 6.5).

25.8-15 Não te apresses a litigar. Em nossa época litigiosa, esta recomendação tem relevância peculiar. Procure lidar com desavenças fora do tribunal, em particular ou com presença de um mediador.

25.16 Até mesmo as coisas boas, quando em excesso, prejudicam.

25.17 A questão aqui é moderação. A longa e constante permanência na casa do próximo se torna um incomodo.

25.18-26 As palavras de Jesus em Mateus 5.43-48 tem ligação direta com estes versículos. O termo “brasas” (v. 21) refere-se ao juízo de Deus (SI 120.4; 140.10). A ideia é de que um ato de gentileza para com seu inimigo pode fazê-lo sentir vergonha. E apenas uma das diversas maneiras de derrotar o mal com o bem (Rm 12.20).

25.27 A moderação nas boas coisas (v. 16) casa com a humildade.

25.28 O autocontrole é uma parte crucial da obediência a Deus (Gl. 5.22,23).

Índice: Provérbios 1 Provérbios 2 Provérbios 3 Provérbios 4 Provérbios 5 Provérbios 6 Provérbios 7 Provérbios 8 Provérbios 9 Provérbios 10 Provérbios 11 Provérbios 12 Provérbios 13 Provérbios 14 Provérbios 15 Provérbios 16 Provérbios 17 Provérbios 18 Provérbios 19 Provérbios 20 Provérbios 21 Provérbios 22 Provérbios 23 Provérbios 24 Provérbios 25 Provérbios 26 Provérbios 27 Provérbios 28 Provérbios 29 Provérbios 30 Provérbios 31