2018/05/18

Significado da “Árvore do Conhecimento” na Bíblia

ÁRVORE DO CONHECIMENTO DO BEM E DO MAL. O nome desta árvore apresenta certas dificuldades sintáticas. O nome completo é: ‘ēṣ hadda‘at ṭôb wārā‘. Os problemas centram-se em torno da palavra da‘at. Esta palavra é substantiva ou infinitiva, e como ela se relaciona com a seguinte frase? Aqueles que tomam da‘at como o substantivo “conhecimento” propõem ou que está no estado absoluto governado pela palavra precedente, “árvore”, ou que está no estado de construção ligado à seguinte frase, “bem e mal. No primeiro caso, há o problema de como wôb wārā‘, “bem e mal”, se relaciona com isso. Von Rad propôs que a frase ṭôb wārā‘ deveria ser considerada uma “adição subsequente”. No último caso, há a dificuldade de o artigo ser afixado a um substantivo no estado de construção. Uma solução mais satisfatória é obtida tomando da‘at como um constructo infinitivo de yāda‘, “conhecer”, precedido pelo artigo e com um objeto direto a seguir. Esta construção é reconhecidamente bastante rara, mas não sem paralelo (cf. Jer 22:16).

Estudiosos deram muita atenção à interpretação da árvore do conhecimento. Três grandes áreas de interpretação podem ser discernidas entre as muitas propostas.

(1) A árvore possibilita a aquisição de certas faculdades humanas. As propostas nesta área incluíram a aquisição de valores morais (K. Budde), atingindo a maturidade humana (H. Gunkel, U. Cassuto), reivindicando o direito de autodeterminação (E. Speiser, R. de Vaux), ou alegando responsabilidade legal pelas decisões (WM Clark). Um problema básico de tudo isso é que não há explicação adequada dada por que Yahweh deveria negar qualquer uma dessas responsabilidades à humanidade. Além disso, essa abordagem não esclarece de que modo essas qualidades devem ser consideradas como “sendo como deuses” (3:22).

Significado da “Árvore do Conhecimento” na Bíblia
Ilustração 1728 por Gerard Hoet (1648–1733) e publicado por P. de Hondt in The Hague;. Cortesia de Bizzell Bible Collection, Universidade de Oklahoma.

No que diz respeito à questão dos valores morais, como poderia Yahweh considerar os humanos que comem os frutos da árvore como culpados quando eram moralmente ignorantes? O argumento para a autodeterminação, sendo o poder concedido pela árvore, tem algum mérito. O contexto da história aponta nessa direção, mas é preciso dar mais atenção ao modo como a frase “conhecer o bem e o mal” afeta o contexto. O argumento legal de W. M. Clark concentra-se apenas naquelas passagens em que “conhecer/discernir o bem e o mal” tem um contexto real ou legal (por exemplo, 1 Rs 3:9; 2 Sm 13:22; 14:17). Há outras ocorrências desta ou de outra expressão similar que não possuem esses contextos.

(2) A árvore introduz aos primeiros humanos o conhecimento das relações sexuais. Esta tem sido uma interpretação popular. Várias propostas nesta linha foram feitas por J. Coppens, L. Hartman, I. Engnell e R. Gordis. Elementos da história do Éden motivaram essas propostas: a nudez do casal, sua vergonha, a punição em termos de dor na gravidez e desejo sexual por seu marido, as associações de fertilidade de cobras na ANE e a designação da família, mulher como “mãe de todos os seres vivos.”

Passagens como Deuteronômio 1:39 e Isa 7:15, que falam de crianças que ainda não conhecem “bem e mal”, e 2 Sam 19:36, em que Barzillai em idade avançada não mais conhece “bem e mal”, são todas citado como prova. No último caso, Barzillai recusa o convite de David para se juntar ao seu tribunal. David oferece hospitalidade em troca do que lhe foi mostrado anteriormente por Barzillai (2 Sm 17:27). Barzillai prefere passar a velhice em casa e diz a David que não pode mais apreciar comida ou bebida ou os sons dos cantores da corte. Nesse contexto, sua pergunta retórica sobre se ele pode “conhecer o bem ou o mal” sugere a alguns uma referência à tríade “vinho, mulheres e canto”. Portanto, “conhecer o bem e o mal” é um idioma para ter relações sexuais. Se houver uma alusão aqui a essa tríade, seria a primeira ocorrência. Este é um argumento esbelto para uma compreensão puramente sexual de “conhecer o bem e o mal”. Pode-se entender melhor a pergunta retórica de Barzillai se entender que ele não pode mais saber “qualquer coisa” como ele podia e, portanto, não pode apreciar oferecer totalmente. Todo o alcance semântico de yāda‘, “conhecer”, usado no AT precisa ser levado em conta.

O mesmo poderia ser dito para a passagem de Qumran, 1QSa 1:9-11, citada por R. Gordis (1957). Como parte da regra geral para a vida na comunidade de Qumran, esta passagem afirma:

(Um homem) não vai se aproximar de uma mulher para ter relações sexuais com ela até que ele tenha atingido a idade de vinte anos, quando ele conhece o bem e o mal.

Gordis vê isso como uma indicação de que “conhecer o bem e o mal” tem a ver com o início das relações sexuais. No entanto, o contexto mais amplo da passagem define a idade de vinte anos na comunidade não apenas como a idade do casamento, mas também como a idade da conclusão do estudo da Lei e da aceitação na santa congregação (1QSa 1:8–9). Assim, embora “conhecer o bem e o mal” possa ter algumas conotações sexuais, também tem conotações legais e sociais.

Mais estudos bíblicos:
Não se pode ignorar as conotações sexuais da história em Gênesis 2:4b-3:24, mas elas não dominam a narrativa. A árvore do conhecimento possivelmente tem alguma conexão com esses tons, mas essa não é toda a história. É preciso considerar o alcance total do significado do verbo yāda‘, “conhecer”, para obter uma imagem mais clara. Além disso, na história do Éden, é preciso considerar que Yahweh não proíbe a procriação humana. De fato, o reconhecimento de que a relação do homem e da mulher na história antes de comerem da árvore se torna uma etiologia do casamento humano (2:24) não pode ser negligenciada.

(3) A árvore dá acesso a algum conhecimento universal. Esta interpretação também foi proposta de várias formas por muitos estudiosos, incluindo J. Wellhausen, P. Humbert e J. A. Soggin. Wellhausen viu o conhecimento associado à árvore como um conhecimento amplo que transcendia as limitações humanas. Era o conhecimento dos segredos do mundo e sua aquisição permitiu à humanidade imitar a obra de Deus.

Tal interpretação da árvore do conhecimento depende da expressão “bem e mal” sendo entendida como um merismo. Um merismo é uma figura de discurso onde a totalidade de algo é expressa por duas partes constituintes. Existem outras passagens no AT onde esta frase ou uma similar é usada como um merismo (por exemplo, Gen 24:50; 2 Sam 14:17, 20; Jer 42: 6; Lam 3:38; Ec 12:14) . Em 2 Samuel 14, uma mulher de Tekoa vem ao rei David buscando sua sabedoria. Em v 17, ela diz de Davi: “. . . porque meu senhor, o rei, é como um mensageiro de Deus (os deuses), discernindo o bem e o mal.” Em v 20, ela acrescenta: “Meu senhor tem sabedoria como a sabedoria do mensageiro de Deus (os deuses) sabendo tudo o que é. A passagem usa claramente “o bem e o mal” como um merismo para “tudo o que está na terra”. O conhecimento de Davi sobre “tudo o que está na terra” é comparado ao conhecimento do “mensageiro Deus (os deuses).” Isso é útil para entender Gn 2:4b-3: 24.

Também importante para a interpretação da história do Éden são Deuteronômio 1:39; 2 Sm 19:36; e Isa 7:15, 16. Na primeira e terceira passagens, é feita referência a crianças que ainda não “conhecem o bem e o mal” ou que ainda não sabem como “recusar o mal e escolher o bem”. Argumentos foram feitos para a interpretação do "bem e do mal" nestas passagens para indicar faculdades humanas ou relações sexuais. Mas estes não esgotam as possibilidades, e quando 2 Sm 19:36 e 1QSa 1:9–11 também são considerados, parece que “bem e mal” pode ser melhor entendido como um merismo indicando uma extensão abrangente de conhecimento que inclui vários conceitos de maturidade, com implicações sexuais, intelectuais e sociais.

A interpretação do conhecimento universal como o presente da árvore no Éden parece se encaixar melhor na história. Está ligado ao tema dos humanos se tornando como deuses. Os vários aspectos do conhecimento divino - sexual, intelectual, social etc. - teriam permitido aos antigos contadores de histórias destacar vários aspectos da narrativa como desejavam. Gn 2: 4b-3:24 é uma história sobre as relações divino-humanas, a fronteira que divide os dois reinos e as consequências de tentar romper a intimidade, a confiança e a responsabilidade que fazem parte da ordem criada.


Bibliografia
Clark, W. W. 1969. Legal Background to the Yahwist’s use of “good and evil” in Genesis 2–3. JBL 88: 266–78.
Coppens, J. 1948. La Connaissance du bien et du mal et le péché du paradis. Contribution à l’interprétation de Gen. II–III. ALBO 11/3. Gembloux.
Engnell, J. 1955. “Knowledge” and “Life” in the Creation Story. Pp. 103–19 in Wisdom in Israel. VTSup 3. Leiden.
Gordis, R. 1957. The Knowledge of Good and Evil in the Old Testament and the Qumran Scrolls. JBL 76: 123–38.
James, E. O. 1966. The Tree of Life. Numen Sup. 11. Leiden.
Krasovec, J. 1977. Der Merismus im Biblisch-Hebräischen und Nordwestsemitischen. Rome.
Langdon, S. 1928. The Legend of the Kiškanû. JRAS 843–48.
Lurker, M. 1871. Der Baum im Alten Orient. Ein Beitrag zur Symbolgeschichte. Pp. 147–75 in Beiträge zur Geschichte, Kultur und Religion des alten Orients, ed. M. Lurker. Baden-Baden.
Marcus, R. 1943. “Tree of Life” in Proverbs. JBL 62: 117–20.
Soggin, J. A. 1975. The Fall of Man in the Third Chapter of Genesis. Pp. 169–78 em Old Testament and Oriental Studies. BibOr 29. Rome.
Tsevat, M. 1975. The Two Trees in the Garden of Eden. EI 12: 40–43 (Hebrew). Resumo em inglês, 119.
Wallace, H. 1985. The Eden Narrative. HSM 32. Atlanta.
Westermann, C. 1984. Genesis 1–11: A Commentary. Trans. J. Scullion. London.


Fonte: Freedman, D. N. (1996, c1992). The Anchor Bible Dictionary (vol. 6, pág. 659). New York: Doubleday.

Nenhum comentário:

Postar um comentário