quarta-feira, agosto 08, 2018

Estudo sobre Gálatas 1:18-20

Estudo sobre Gálatas 1:18-20

Estudo sobre Gálatas 1:18-20

Quando nos lembramos de que, ao longo de toda a história de Paulo, ele foi chamado para ser um apóstolo diretamente por Deus, sem qualquer intervenção humana, vemos facilmente o impulso de toda declaração que Paulo constrói nesta seção.

Paulo nos informou que sua reação imediata não era ir a Jerusalém, mas sim retirar-se para a solidão da Arábia e de lá retornar a Damasco para mais trabalhos do evangelho. Ele agora nos informa que ele ficou em Damasco por um considerável período de tempo. Na verdade, só três anos depois ele decidiu ir a Jerusalém. E quando ele foi, não foi para receber instrução ou aprovação para sua mensagem. Em vez disso, ele foi conhecer o grande apóstolo Pedro.

Mesmo se ele tivesse a intenção de receber informações de Pedro, o tempo que Paulo passou com ele foi realmente muito curto para iniciar qualquer coisa como um curso de estudo, pois Paulo diz aos gálatas que ele ficou com Pedro apenas 15 dias.

Tanto para Peter. Mas Paulo talvez sofresse a influência dos outros apóstolos? Paulo diz: “Eu não vi nenhum dos outros apóstolos - apenas Tiago, o irmão do Senhor”. O argumento de Paulo é cristalino. Ele não recebeu informações dos outros apóstolos porque nenhum deles estava na cidade. O único que ele viu foi Tiago, o irmão do Senhor.


Paulo parece estar usando o termo apóstolo no sentido mais amplo aqui. Este Tiago não foi um dos Doze, mas foi um dos irmãos de Jesus, mencionado em vários lugares nas Escrituras. A princípio, esses irmãos não tinham uma compreensão adequada da missão e ministério de Jesus, e não depositavam sua confiança nele como salvador espiritual (João 7:1–5).

Logo após a ressurreição de Cristo, no entanto, encontramos seus irmãos como um grupo reconhecível solidamente associado com os fiéis seguidores de Cristo. O capítulo de abertura de Atos, por exemplo, enumera os nomes dos Doze (menos Judas Iscariotes) e diz deles: “Eles se uniram constantemente em oração, junto com as mulheres e Maria, a mãe de Jesus, e com seus irmãos” (versículo 14). Obviamente, os irmãos de Jesus se tornaram crentes.

Embora as Escrituras não o relacionem especificamente, um sólido bloco de tradição diz que, após a partida dos Doze para cumprir sua missão mundial, Tiago, o irmão de nosso Senhor, tornou-se o líder reconhecido da igreja cristã em Jerusalém. Paulo, no capítulo 2, versículo 9, refere-se a Tiago como um pilar da igreja de Jerusalém.

Paulo reconhece que ele conheceu Tiago, mas que ele também não desempenhou nenhum papel em fazer ou aprovar o apostolado de Paulo. A sensibilidade da questão do apostolado de Paulo é evidente na próxima declaração de Paulo. Com um juramento, Paulo declara: “Garanto-lhes diante de Deus que o que estou escrevendo não é mentira.” A partir desse forte aviso, está claro que circulavam relatos entre os Gálatas alegando a dependência de Paulo dos apóstolos originais de Cristo e, portanto, inferioridade para eles. Uma vez que a confiabilidade e a confiabilidade da mensagem do evangelho de Paulo estão em jogo, ele não ousa deixar que os relatórios depreciativos fiquem desmarcados.

Fonte: Panning, A. J. (1997). Galatians, Ephesians. The People’s Bible (p. 29). Milwaukee, Wis.: Northwestern Pub. House.