quarta-feira, agosto 08, 2018

Estudo sobre Gálatas 1:11-14

Estudo sobre Gálatas 1:11-14

Estudo sobre Gálatas 1:11-14

Depois de suas duras palavras aos falsos mestres que estavam tentando estragar o evangelho misturando a performance humana com os méritos de Cristo, Paulo muda para um tom caloroso e encantador dirigido aos membros da congregação que ele está tentando encorajar e encorajar na verdade.

Falando para eles como “irmãos”, ele retoma a questão de seu relacionamento com a mensagem que ele carrega. Ele aponta para eles imediatamente que não é sua própria mensagem. Na verdade, não é uma mensagem humana - é uma mensagem divina. É a Palavra de Deus.

Neste ponto, Paulo antecipa uma objeção. Concedido, é a mensagem de Deus, mas não foi possível que Paulo tivesse conseguido isso de outras pessoas? Por exemplo, ele talvez tenha recebido dos Doze, que viveu e viajou com Jesus, de modo que ele (Paulo) estava em débito com eles pelo que ele sabia do evangelho? E se ele tivesse aprendido dos Doze, Paulo não era, de certo modo, um apóstolo de segunda geração e, portanto, inferior aos apóstolos originais?

Esse não é o caso, Paulo insiste. Pois “não recebi [o evangelho] de homem algum, nem fui ensinado; em vez disso, recebi por revelação de Jesus Cristo.”

O evangelho da salvação gratuita pela graça não era o tipo de mensagem que os homens inventariam, de modo que não poderia ser recebido de nenhuma fonte humana. Tampouco Paulo era um tipo de pessoa particularmente dócil ou ensinável, facilmente trazido a um novo ponto de vista. Não, como ele mesmo indicará em breve, ele resistiu violentamente a qualquer mudança em suas visões religiosas. A única coisa que poderia explicar adequadamente a aceitação de Paulo ao evangelho era que ele havia recebido essa mensagem diretamente de Cristo, por revelação.

Tão importante é este ponto para a apresentação de Paulo que ele reforça sua afirmação de revelação direta de Cristo com quatro argumentos de apoio:

1. Sua vida antes da conversão (versículos 13, 14)
2. As circunstâncias que cercam sua conversão em Damasco (versículos 15-17)
3. Sua visita a Jerusalém três anos após a conversão (versículos 18 a 20)
4. Sua permanência na Síria e Cilícia (versículos 21–24)

Note que o versículo 13 começa com “pois”. Está dando uma razão; este verso está dando apoio a uma declaração anterior. Paulo havia enfatizado que ele não recebeu seu evangelho dos homens. Para isso, ele acrescenta outro argumento: “se você conhece as circunstâncias do meu caso, é muito improvável que eu fosse influenciado por homens. Eu era o tipo de sujeito a quem ninguém podia contar nada. Basta olhar para o meu historial.”


“Você já ouviu falar do meu modo de vida anterior no judaísmo, quão intensamente eu persegui a igreja.” Como os gálatas ouviram? Sem dúvida, Paulo lhes dissera. Sabemos que, em outros casos, Paulo não se esquivou de revelar os detalhes de seu passado sórdido. Ele disse aos coríntios que ele não merecia ser chamado de apóstolo “porque eu persegui a igreja de Deus” (1 Coríntios 15:9), e a Timóteo ele admitiu: “Eu já fui um blasfemo e um perseguidor e um violento homem” (1 Timóteo 1:13). Com toda probabilidade, Paulo estava tão aberto com os gálatas. De qualquer forma, eles tinham ouvido falar de seu modo de vida no judaísmo.

Nem somos deixados no escuro em relação ao recorde de Paul como perseguidor. O livro de Atos nos dá uma imagem clara e gráfica. Nós nos encontramos pela primeira vez com Paulo como um jovem guardando as roupas daqueles que atiraram as pedras na execução de Estêvão, o primeiro mártir cristão.

A partir desse papel de alinhamento passivo com a oposição judaica ao cristianismo, logo encontramos Paulo como um perseguidor muito ativo dos cristãos. Seria difícil melhorar a descrição do próprio Paulo sobre essa atividade anticristã. Em seu julgamento diante de Agripa, Paulo disse:
Eu ... estava convencido de que deveria fazer tudo o que fosse possível para se opor ao nome de Jesus de Nazaré. E isso é exatamente o que eu fiz em Jerusalém. Sob a autoridade dos principais sacerdotes, coloquei muitos dos santos na prisão e, quando foram postos à morte, lancei o meu voto contra eles. Muitas vezes eu fui de uma sinagoga para outra para puni-los, e tentei forçá-los a blasfemar. Na minha obsessão contra eles, eu fui até cidades estrangeiras para persegui-los. (Atos 26:9–11)
Não havia sinal de que Paulo estivesse desistindo de seu zelo pela tradição de seus pais. Ele foi bem-sucedido no programa; ele estava avançando no judaísmo além de muitos de seus contemporâneos. Nessas circunstâncias, não havia chance de que alguém pudesse tirá-lo do judaísmo ou persuadi-lo a aceitar por si mesmo a fé cristã a qual ele era tão zelosamente e com sucesso perseguidor. Nenhum ser humano poderia mover Paulo, mas quando Deus falou, ele prestou atenção.

Fonte: Panning, A. J. (1997). Galatians, Ephesians. The People's Bible (p. 24). Milwaukee, Wis.:Northwestern Pub. House.