terça-feira, 15 de dezembro de 2009

Postado por Eduardo G. Junior Em , | No comments

Introdução do Conteúdo de Livro Isaías
Introdução: O primeiro capítulo do livro contém importantes matérias de teologia, tanto sobre Javé e o homem. Javé é longânime e misericordioso, mas Ele também deve punir o pecado. Na verdade, a punição parece ser administrada por Javé para incentivar o povo a se arrepender (vv. 5-6). Sacrifícios e orações vazias não satisfazem ou impressionam a Javé (vv. 11-15); uma mudança de comportamento acompanhado por uma atitude adequada do coração é o que Ele exige (vv. 16-17). A nação precisava se converter dos Seus maus atos e demonstrar boas práticas, como a busca pela justiça, punindo malfeitores e ajudando os cidadãos que não têm ninguém para vir em seu auxílio, como órfãos e viúvas. Graciosamente, Javé diz que se o povo fosse voltar para Ele, Ele iria remover os Seus pecados e conferir uma bênção (ou seja, comer o melhor desta terra, vv. 18-19), mas eles serão punidos se rebelarem-se (v. 20), que é semelhante à bênção e a maldição encontradas em Deuteronômio 27-28. Neste ponto o homem é visto como mais rebelde do que os animais mudos (ou seja, burros e bois) uma vez que mesmo estes animais sabem o suficiente para não morder a mão de quem os alimenta. Em contrapartida, os rebeldes do povo de Javé estão contra Ele, sem considerar as consequências (v. 3). Eles têm a forma de religião de sacrifícios (ofertas e orações), mas Seus corações estão longe de Javé e, portanto, Ele se recusa a ouvir as suas orações. O versículo 15 diz que as mãos das pessoas estão cheias de sangue, quer a partir de seus sacrifícios, ou, mais provavelmente, no sentido literal, permitindo que os órfãos, viúvas e outras pessoas pobres sejam tratadas injustamente. Apesar de seu comportamento reprovável, alguns do povo de Javé serão livres se eles tornarem-se justos. Os nomes de Deus, Javé, o Deus dos Exércitos, o Poderoso de Israel, reforçam a certeza de que essas coisas vão ser realizadas.

Julgamento: Os capítulos 2-4 estão sob a forma inclusiva: O início (2:1-4) e final (4:2-6) lidam com as perspectivas futuras de Judá e Jerusalém, enquanto que a seção intermediária (2:5-4:1) refere-se à condição atual vergonhosa de Jerusalém. A terra está cheia de influências do Oriente (v. 6); há adivinhos (v. 6) e adoradores de ídolos (v. 8). Deus trará destruição e punição, mas o povo vão finalmente voltar para Ele. O versículo chave desta seção sobre a restauração é 4:4, que afirma que Javé vai limpar a sujeira de Jerusalém e o derramamento de sangue pelo Espírito de juízo e ardor.

Os capítulos 5-12 contêm uma mensagem muito semelhante a anterior, mas descrever com mais detalhes a série de expurgos e livramentos que resultará na recuperação definitiva da nação. Estes capítulos formam uma epístrofe (uma estrutura literária em que as características da primeira estrofe da história correspondem aos do segunda), dispostos da seguinte forma:

a) A canção do Vinhedo [essencialmente destruição] (5:1-7)
b) Os seis “ais”, oráculos pronunciados sobre os ímpios (5:8-24)
c) “A mão levantada de Deus”, os oráculos culminando na destruição pela Assíria (5:25-30)
d) As Memórias de Isaías (6:1-9:6)
c) Quatro, “a mão erguida de Deus”, os oráculos culminando na destruição pela Assíria (9:7-10:4)
b) “Ais”, oráculos pronunciados sobre a Assíria, que dão origem à restauração de Judá (10:5-11:16)

A estrutura desta seção enfatiza a porção central da epístrofe, que contém a chamada e comissionamento de Isaías (cap. 6). Deus usou Isaías como seu porta-voz para a nação. Sua mensagem continha o julgamento e a posterior restauração se o povo fosse confiar em Javé. Na realidade, porém, apenas um remanescente iria voltar para a Javé. Os versos-chave da Memória de Isaías são 6:12-13, que mencionam dois expurgos diferentes (ou seja, a Guerra Ciro-Efraemita em 734-732 a.C e a destruição por Senaqueribe em 701 a.C), a partir da qual emergirá um remanescente chamado, no versículo 13, a semente do “santo”. Este remanescente será liderado por um libertador futuro que, no curso da história, veio a ser o Messias, o Cristo, uma das quais afirma ser o cumprimento. Parece, de acordo com as Memórias de Isaías, que a restauração será imediatamente após a derrota da Assíria, mas, na realidade, todo o programa, a realizado por um libertador da linhagem de Davi, ainda é futurista, mesmo a partir de nossa perspectiva. O tema do julgamento é continuado nos capítulos 13-27, que contém oráculos contra as nações estrangeiras. Isaías 11:10 menciona que as nações se reunirão para a raiz de Jessé, mas antes que isso aconteça, eles precisam passar por um processo de limpeza semelhante a de Judá. Os capítulos 13-27 especificam que uma limpeza vai ocorrer entre as nações estrangeiras, de modo que elas vão voltar para Javé. Esta seção conclui com o que é geralmente conhecido como o “Pequeno Apocalipse” (caps. 24-27), em que Javé é retratado como derramando juízo sobre toda a terra, após o que se prepara um banquete para aqueles que são deixados (25: 6) e se estabelece um reino de paz e segurança para os justos.

Os capítulos 28-35 contêm uma mistura de oráculos de julgamento e salvação, que alerta aos ouvintes de que, embora o povo de Javé (ambos de Israel e Judá) desfrute de uma atenção especial, como resultado da sua Aliança com Ele, no entanto, eles serão eliminados através da punição, assim como as outras nações. A mensagem de punição e recuperação é repetida vezes sem conta, enfatizando que apenas um remanescente será livre (28:5, 16, 23-29; 35:10). A ideia de um remanescente deve ter sido um novo conceito teológico para a nação de Israel. No passado, Javé já havia trabalhado com o povo como uma unidade nacional, mas agora cada pessoa era obrigada a manter uma atitude interior adequada, para ser agradável a Javé. A mera nacionalidade não podia garantir a graça diante de Deus, um coração novo era necessário, um cuja confiança e crença em Javé iriam resultar em um comportamento mudado. É por isso que Javé repetidamente direciona-os a cuidar dos pobres órfãos e viúvas, por isso demonstrará uma vida realmente transformada.

Embora tenha havido muitas sugestões a respeito do porque os capítulos 36-39 foram adicionados aqui, parece mais razoável, em conformidade com a teologia do livro, que se fornece uma ilustração adequada de dependência de Javé, que seria exigido do remanescente mencionado muitas vezes por Isaías. Ezequias, tanto positiva quanto negativamente, exemplifica esta dependência de Javé. Como exemplo positivo, Ezequias, confia em Javé para livrar Jerusalém dos exércitos de Senaqueribe (caps. 36-37). Isto é quase certamente a razão de que o autor omite cuidadosamente as tentativas de Ezequias pagar Senaqueribe (2 Reis 18:13-16) e, em vez disso, enfatiza a oração de Ezequias e a resposta de Javé na libertação de Jerusalém. A segunda ilustração de dependência de Javé é vista no capítulo 38, quando Ezequias reza pela libertação de sua doença e graciosamente Deus assim o faz. Como exemplo negativo, no entanto, Ezequias, demonstra uma falta de dependência em Javé quando ele se tornou orgulhoso e tentou impressionar os emissários da Babilônia. A punição de Ezequias parece particularmente dura, exceto quando percebemos que é representante das graves consequências para todos aqueles que não depositavam a sua confiança em Javé. Se a nação de Israel, no princípio, pensou que Ezequias era o libertador futuro, em retrospecto, eles devem ter percebido que ele não iria trazer esse reino de paz, prosperidade e justiça, e que eles deviam procurar outro.

Conforto: Não houve discordância quanto ao fato de que o livro de Isaías foi escrito por dois ou mais autores, principalmente por causa da menção de Ciro, cerca de 150 anos antes de seu nascimento. Para apoiar ainda mais a autoria dupla, tem sido argumentado que a natureza básica do material profético é o chamado para o arrependimento ou o alertar para o julgamento no futuro imediato, visto que o chamado para a ação no presente julgamento contra alguns distantes seria de pouco valor. É um erro, no entanto, definir a profecia de forma tão estreita, pois a menos que o profeta seja capaz de pronunciar as últimas consequências das ações do povo, sua mensagem é de pouco valor. Em qualquer caso, não há dúvida de que a forma final do livro foi destinada a ser entendida como uma unidade. Na verdade, o ponto mais forte de apoio a unidade teológica pode ser encontrada em 41:21-29, onde Javé afirma que o verdadeiro teste da divindade é se Ele é capaz de controlar e prever o futuro. Javé afirma que Ele é o único Deus verdadeiro, porque Ele é o único que planeja a história desde o começo e é assim capaz de dizer aos israelitas o que lhes aguarda no futuro. Javé força a questão ainda mais longe: “Se Ele não for capaz de anunciar eventos futuros, Ele não é diferente do que os outros deuses falsos.”

Parece melhor dividir os capítulos 40-66 em três unidades de oito capítulos (40-48, 49-57, 58-66), segundo o retorno no final de cada um, “não há paz, diz Javé, para os ímpios” (48:22, e cf. 57:21; esse refrão é bastante ampliado, no final do livro, 66:24). Os capítulos 40-48 promete uma oferta de libertação. Além da declaração em 39:6 de que Israel seria levado cativo para Babilônia, há pouca informação dada. Em vez disso, o autor enfatiza que Javé vai trazer de volta a sua terra através de Seu servo Ciro (44:28-45:7). Durante o cativeiro da Babilônia, os israelitas, sem dúvida, se sentiram abandonado por Javé e temerosos de que a Aliança com Ele tinha sido anulada por causa de sua maldade. Isaías 40-48, portanto, começa com a garantia de Javé de que Israel havia sido suficientemente punido por seus pecados (40:2) e que Ele está disposto (41:8-16) e pode (40:12-31) trazer Seu povo de volta para a terra prometida. Javé traça um contraste muito forte entre as “coisas antigas” (punição e exílio) e as “últimas coisas” (libertação do exílio). Ele afirma que só Ele dirigiu a história a preparar o caminho para o surgimento do cativeiro de Israel, de um modo que ninguém teria imaginado (48:7) - guiando um rei persa, chamado Ciro, para fazer a vontade de Javé (41:2-4, 25; 44:28-45:7; 45:13, 46:11, 48:14-15). É plausível que o servo de Javé descrito na canção primariamente (42:1-9) seja Ciro, e mais uma vez, ele é apenas um instrumento de Javé, e não o libertador futuro quem o povo deve continuar a esperar. Segundo Isaías 48:4-11, Javé anunciou eventos com muita antecedência e dirigiu a história de tal forma que os israelitas de coração duro não poderiam alegar terem sido libertados por seus ídolos; o povo, em vez disso, serviria como Suas testemunhas (43:10, 12; 44:8). Um dos principais conceitos teológicos que Javé desejava transmitir aos filhos de Israel é que Ele não irá compartilhar Sua glória com outro, porque Javé, e mais ninguém, tinha livrado o Seu povo (43:11, 13; 44:8; 45:5 ; 47:10).

Os capítulos 49-57 deixam claro que Sião será restaurado através do servo de Javé. Três das quatro canções como “servo” são registradas aqui (49:1-7; 50:4-9; 52:13-53:12). A chave para compreender o fluxo do pensamento, neste trecho, 51:18, afirma que Javé olhou para todos os filhos de Israel e não conseguia achar alguém para liderar a nação, para levá-la pela mão e levá-la à vitória. Para conseguir isso, Javé teve que levantar o Seu próprio servo, diante do qual aparecerá um precursor para anunciar a libertação que vem. Este servo, um servo sofredor, aparentemente têm um papel na sua purificação. Ele será o tão esperado libertador futuro descrito nos capítulos 9, 11 e 32 e, finalmente, cumprido em Cristo, o Messias. Israel devia ser uma luz para as nações, mas falhou miseravelmente. Javé usará Este servo para trazer luz para as nações (49:6, 26; 52:10), através da libertação de Israel em que Javé será glorificado e as nações vão finalmente aprender verdadeiramente quão poderoso Ele é. Após a “canção do servo” final, há uma mudança significativa no fluxo da passagem, a ênfase a seguir está na restauração e glorificação da nação de Israel. O autor continua a enfatizar que a salvação prometida é apenas para aqueles que têm uma convicção pessoal e confiança em Javé (49:23, 50:10, 51:7-11, 55:1-11, 56:1-8). Isaías 54:7-8 salienta o fato de que Javé se afastou de Israel apenas por um breve momento, e depois, com grande compaixão, livrou os Seus e trouxe de volta para Si mesmo. A seção termina com um apelo para se aceitar a salvação por Javé e para se chegarem a Ele, enquanto Ele pode ser encontrado. Este convite é aberto a qualquer pessoa que esteja disposta a confiar em Javé e a viver em retidão, mas para aqueles que não estão dispostos a viver em retidão, não haverá paz.

Os capítulos 58-66 começam com uma descrição da maneira correta para vir a Javé. Para Ele ouvir as orações e aceitar os jejuns, o coração do povo deve ser aberto e obediente a Ele, e sua vida tem de demonstrar a verdadeira justiça, sem o qual, o jejum ritual não vai conseguir nada. Javé deixa claro que é o pecado que separa o povo dEle, e que nEle não há falta de energia (59:1-2). O fluxo de pensamento muda abruptamente em 59:15, quando Javé vê as condições desesperadas de Seu povo e decide que é hora de intervir. No entanto, Javé não vai livrar todo mundo, de acordo com o versículo 20, apenas aqueles que se convertem dos seus pecados é que serão livres. Javé é retratado como o Guerreiro divino vindo poderosamente para a ajuda de Seu povo. Os próximos capítulos olham ansiosamente para a restauração de Sião, período em que a prosperidade e a glória de Jerusalém serão evidentes para todos. Os habitantes de Jerusalém já não lembrarão da Sua rejeição anterior, mas se alegrarão em seu novo estatuto. Javé irá proteger os Seus servos (65:13-16) e criar novos céus e nova terra (65:17-20), em que haverá paz e segurança. A intenção original de Javé de deixar Israel servir como uma luz para as nações irá agora, finalmente, ser preenchidas; as nações virão aprender sobre a glória de Javé, declarando-a para as nações. É interessante notar que o livro termina quase como começou: O início anuncia julgamento sobre aqueles que se rebelam contra Javé e a conclusão sobre as a punições dos transgressores contra Javé.

Obs: Essa matéria faz parte de uma série de artigos sobre a teologia do livro de Isaías.

Fonte: Baker's Evangelical Dictionary of Biblical Theology. Editado por Walter A. Elwell.

0 Deixe seu comentário:

Postar um comentário

Compartilhe Este Artigo

Delicious Digg Facebook Favorites More Stumbleupon Twitter

Pesquise outros Estudos